Reconhecimento facial da Microsoft será usado apenas como recurso para deficientes visuais

Em 2022 o mercado biométrico facial deve movimentar cerca de R$ 53 bilhões no mundo, segundo o relatório Allied Market Research.


Questões de ética e privacidade levam Microsoft a descontinuar software de face ID

Em 2022 o mercado biométrico facial deve movimentar cerca de R$ 53 bilhões no mundo, segundo o relatório Allied Market Research. Na contramão dessa tendência, a Microsoft anunciou o fim do uso de reconhecimento facial em suas ferramentas. A decisão foi anunciada após uma crescente preocupação sobre esse tipo de tecnologia e frequentes críticas à capacidade da tecnologia de identificar emoções. O diretor de tecnologia da InfoWorker Tecnologia, Frederico Stockchneider*, explica que o recurso não vai ser eliminado de fato, mas ficará indisponível para os usuários.  

O especialista, cuja empresa é parceira Microsoft Gold, esclarece que o foco dessa tecnologia agora será a acessibilidade. Isso significa que a Microsoft continuará utilizando o recurso, só que de maneira controlada, para aprimorar ferramentas de suporte a pessoas com deficiência visual, por exemplo. 

Tecnologia sensível 

O uso de tecnologias de reconhecimento facial tem se popularizado cada vez mais e os debates a respeito do recurso acompanham essa evolução. Isso porque a biometria facial está entre as “tecnologias sensíveis”. Stockchneider explica que, no caso da Microsoft, a inteligência artificial responsável pelo reconhecimento facial teria a capacidade de rastrear as emoções dos usuários, entre outras características. “Isso levanta grandes questões que envolvem a privacidade dos usuários”, afirma. 

A preocupação é que o recurso acabasse possibilitando a reprodução de estereótipos, uma vez que poderia permitir identificar o estado emocional, gênero, idade, religião e, até mesmo, sexualidade do indivíduo. “Todos esses dados são privados e considerados sensíveis, sendo direito do usuário mantê-los confidenciais”, alega o especialista. 

Além disso, o acesso indevido e desnecessário a essas informações - que são classificadas como dados pessoais sensíveis, tanto pela legislação de proteção de dados nacional quanto a da Europa – e a possibilidade de vazamento desses elementos são considerados fatos gravíssimos. 

“Havia um risco crescente relacionado a ataques virtuais, deep fakes e fraudes bancárias envolvendo os dados de reconhecimento facial”, explica Stockchneider. Para o especialista, o recurso e suas ferramentas de segurança ainda precisam ser profundamente estudados, para então serem disponibilizados, de forma que não ofereça maiores riscos aos usuários e instituições.

💠💠💠 

*Frederico Stockchneider é empresário, diretor de tecnologia na InfoWorker Tecnologia e Treinamento. Graduado em Sistemas da Informação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e MBA em Gestão Estratégica de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Responsável pela gestão e consultoria de projetos e soluções tecnológicas para diversos segmentos nas áreas pública e privada.  

Enviar um comentário

0 Comentários
* Gostou do que leu, viu e/ou ouviu? Então, para completar, só falta o seu comentário. Se não gostou, comente também. O autor agradece.

buttons=(OK!) days=(20)

Este site utiliza cookies para tornar a sua experiência melhor. Saiba mais
Accept !