Elas caminharam muito, mas podem chegar bem mais longe


Para especialista, ter mais mulheres em cargos de liderança é fundamental para inspirar outras a se emanciparem profissionalmente, economicamente e socialmente

A forte presença da mão de obra feminina no mercado de trabalho é um reflexo claro do longo caminho de emancipação social que as mulheres trilharam no século 20 e neste começo do século 21. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) dão conta que elas respondem por 51,03% do mercado de trabalho no País. Na década de 50, esse percentual era pouco mais de 13%.

Mas se neste Dia Internacional da Mulher comemoramos o grande avanço numérico das mulheres no mercado de trabalho, qualitativamente elas ainda têm um bom caminho a percorrer. Segundo o estudo “Indicadores sociais das mulheres no Brasil”, realizado pelo IBGE e com dados de 2019, 37,4% das mulheres brasileiras ocupam algum cargo de gerência, seja como diretora ou gerente. O dado revela uma queda de 1,7% ponto percentual em relação ao estudo anterior, de 2016. Alcançar a equidade de gêneros no mercado de trabalho não é um problema só do Brasil, mas do mundo como todo. O Pacto Global, iniciativa da ONU voltada para empresas, estabeleceu como meta que até 2030 50% dos cargos de liderança sejam ocupados por mulheres.

Se depender da engenheira de alimentos e gestora de qualidade da indústria Marajoara Laticínios, Annyelle Galvão, de 37 anos, essa meta será, sim, alcançada. Coordenando uma equipe de 19 pessoas, da qual apenas uma é homem, Annyelle Galvão reconhece que a engenharia de alimentos, assim como muitas outras áreas profissionais, ainda tem uma grande predominância masculina. Mas ela avalia que a presença das mulheres em funções ou áreas antes dominadas pelos homens vem crescendo e se consolidando. 

Para a engenheira, essa desconfiança que se possa ter em relação ao trabalho da mulher, não faz nenhum sentido nos dias de hoje. “Os outros gestores e coordenadores com quem lido aqui na Marajoara, em sua maioria, são homens mas felizmente nunca tive problema algum. Mas acredito que a gente consiga passar a credibilidade, que precisa, demonstrando conhecimento, fazendo isso, qualquer desconfiança que se possa ter é logo dissipada, seja você mulher ou homem”, afirma a gestora de qualidade.

Para Patrícia Damascena, gestora de RH da Marajoara, ter mulheres em cargos de gestão e liderança, como é o caso dela própria e de Annyelle, é importante porque inspira outras profissionais a se emanciparem no mercado de trabalho, economicamente e socialmente. “Também desfaz um estereótipo que se tem ainda forte em nossa sociedade de que nós mulheres não temos capacidade para gerir e liderar. Isso independe de gênero", completa a gestora.

Annyelle argumenta que as empresas têm, inclusive, detectado nas mulheres características que têm feito muito diferença para cargos e funções de gestão e liderança. “Muita gente ainda tem uma imagem de que a mulher é muito frágil e sensível demais, mas acho que temos uma capacidade de resiliência maior, uma força psicológica que compensa qualquer força física”, destaca.

Uma pesquisa da consultoria McKinsey & Company, realizada em 2018 com mais de mil empresas em diversos países, revelou que a equidade de gênero nos cargos de gestão e liderança representa também mais lucro. O estudo apontou que as companhias com equipes executivas de maior equilíbrio entre gêneros têm 21% mais probabilidades de superar outras empresas na lucratividade e 27% mais chances de criar valor no longo prazo.

Respeito

Patrícia Damascena avalia que as mulheres avançaram muito no mercado de trabalho, não só aumentando a participação do público feminino na população economicamente ativa, mas também quebrando muitos tabus sem sentido sobre o que cabe ou não à mulher. A gestora de RH lembra inclusive, que existem hoje, felizmente, muitas leis que combatem situações no trabalho que possam gerar algum tipo de desrespeito, constrangimento ou desvalorização das mulheres.

Para a gestora de RH, a equidade entre gêneros dentro de uma empresa, dentre muitas coisas, passa necessariamente pela manutenção do clima harmônico e respeitoso na organização. “Para nós aqui da Marajoara, por exemplo, esses são valores fundamentais. É algo sempre muito bem pontuado dentro da empresa. Isso ocorre especialmente num momento que chamamos de ‘Integração’ que é aquele primeiro contato que temos com os novos colaboradores. Por meio de uma pequena palestra, nós apresentamos e detalhamos todos os nossos valores e normas de conduta”, explica a gestora, que ainda completa: “Essa questão de se manter um ambiente de trabalho harmonioso e respeitoso é tão importante para nós que, quando se percebe qualquer indício mais evidente de alguém teve algum tipo de desvio de conduta ou atitude desrespeitosa, não só contra as mulheres, mas contra qualquer colaborador, essa pessoa imediatamente desligada”.

“Felizmente aqui na Marajoara é bem tranquilo, porque eu e as outras colaboradoras mulheres sempre temos um respaldo muito grande por parte da empresa. Acho que as empresas de uma maneira geral precisam sim acreditar na capacidade das mulheres e dar mais oportunidades para que demonstrarem que podem fazer qualquer coisa que quiserem. Para mim, essa diversidade de capacidades e de visões traz ganhos para empresa e funcionários”, pontua.

Enviar um comentário

0 Comentários
* Gostou do que leu, viu e/ou ouviu? Então, para completar, só falta o seu comentário. Se não gostou, comente também. O autor agradece.

buttons=(OK!) days=(20)

Este site utiliza cookies para tornar a sua experiência melhor. Saiba mais
Accept !