Espetáculo ‘Maré’, do Rio Grande do Norte, chega ao Festival Acessibilidança em 11/8 - Portal Splish Splash

Recentes

segunda-feira, agosto 09, 2021

Espetáculo ‘Maré’, do Rio Grande do Norte, chega ao Festival Acessibilidança em 11/8

A Fundação Nacional de Artes apresenta, na próxima quarta-feira, dia 11 de agosto, às 20h, o espetáculo Maré - Versão virtual e acessível, do Rio Grande do Norte. A obra coreográfica do Coletivo Independente Dependente de Artistas (CIDA) integra o Festival Funarte Acessibilidança.


Exibida em vídeo com audiodescrição e Libras, montagem é um dos 25 projetos contemplados em edital da Funarte


A Fundação Nacional de Artes apresenta, na próxima quarta-feira, dia 11 de agosto, às 20h, o espetáculo Maré - Versão virtual e acessível, do Rio Grande do Norte. A obra coreográfica do Coletivo Independente Dependente de Artistas (CIDA) integra o Festival Funarte Acessibilidança. A montagem é uma metáfora dançada sobre os diversos níveis e intensidades do amor e traz, ainda, questões sobre gênero, raça, alteridade, capacitismo e violência. A exibição em vídeo, gratuita e com audiodescrição e Libras, será realizada no canal da Funarte no YouTube. O público pode conferir os lançamentos e montagens disponíveis em: bit.ly/FunarteYouTubeFestivalAcessibiliDanca.

 

Maré é um dos 25 projetos contemplados pelo Prêmio Festival Funarte Acessibilidança Virtual 2020, que serão apresentados até outubro. A terceira fase da programação traz sete espetáculos da Região Nordeste. Estado de Apneia, do Rio Grande do Norte, e Ensaio sobre o Silêncio, de Pernambuco, já estão na plataforma de vídeos. A agenda continua no dia 18, com o espetáculo Rio sem Margem, da Bahia; e, no dia 25, com Plenitude, do Piauí. Em setembro, entram em cartaz: Ah, se eu fosse Marilyn!, da Bahia, no dia 1º; e Proibindo Elefantes, do Rio Grande do Norte, no dia 8. O festival teve início em junho, com espetáculos da Região Norte. No mês de julho, foi a vez da Região Sul mostrar os seus talentos.


O espetáculo Maré - Versão virtual e acessível foi criado em 2017 e remontado em 2021, como uma obra audiovisual em dança com recursos de acessibilidade. Desde seu início, Maré já teve diferentes roupagens e formatos: solo, dueto, intervenção urbana, versão compartilhada e, agora, a versão virtual e acessível. “Acreditamos na acessibilidade enquanto viés criativo, enquanto via de acesso, enquanto obrigação mínima para/com/da sociedade. Somos, assumidamente, um núcleo artístico formado por pessoas com e sem deficiências, e, por isso, a acessibilidade é algo intrínseco em nosso trabalho”, ressalta o coletivo.


Além de interpretação em Libras, o espetáculo conta com um trabalho de audiodescrição pensado especialmente para ele, como uma espécie de poema. “Acho que, com isso, a gente conseguiu criar uma camada a mais para o público vidente e não vidente, de uma nova construção em dança”, aposta o coreógrafo e diretor René Loui, que acrescenta: “Sempre fomos um núcleo que pesquisa a diversidade dos corpos. Para a gente, acessibilidade e inclusão sempre estão juntas”. René Loui divide as funções de direção e coreografia com a bailarina Rozeane Oliveira, além de contar com a participação ativa de todo coletivo no processo de criação.


Tomado pelas sensações e possibilidades provocadas pelo momento atual, o CIDA compôs o espetáculo com imagens da performance registradas no palco tradicional e imagens gravadas em frente ao mar. A proposta de mesclar os dois ambientes buscou apontar o que eles representam hoje: a vontade de ir para as ruas e a de voltar aos palcos. Pensada inicialmente para os palcos presenciais, a obra ganhou uma nova produção, voltada para o audiovisual. “Com a chegada da pandemia, tivemos que repensar o nosso modo de trabalho. A gente não tinha intimidade com o audiovisual, mas acabamos nos aproximando de pessoas da área e estamos agora trabalhando juntos neste novo modo de pensar a dança”, explica René Loui.


Sobre o Coletivo Independente Dependente de Artistas (CIDA)


Fundado em 2016, pelos artistas Arthur Moura, René Loui e Rozeane Oliveira, o CIDA surgiu com a perspectiva de somar as forças desses jovens artistas, que ao longo de suas carreiras individuais obtiveram destaque no cenário nacional e internacional de dança contemporânea. Pela produção experimental e inclusiva, o coletivo é considerado um dos principais grupos de dança do Rio Grande do Norte.


Cida é um núcleo artístico de dança contemporânea e performance, formado por jovens artistas negros, com e sem deficiências, oriundos das mais diversas regiões do Brasil e radicados na cidade de Natal (RN). Um dos objetivos do coletivo é a profissionalização desses artistas e a promoção de suas subsistências por meio da dança.


O Coletivo Independente Dependente de Artistas já se apresentou em cerca de quinze cidades do Rio Grande do Norte, em dez estados brasileiros e esteve presente em países como Equador, França, Portugal, Suíça e Índia. O CIDA dispõe de uma sede, chamada Casa Tomada, na Zona Sul de Natal. O local abriga um espaço cultural alternativo para artistas independentes locais e, também, recebe artistas das mais diversas regiões, nacionalidades e linguagens de trabalho para troca de experiências.                                                                     


O Festival Funarte Acessibilidança


O Festival Funarte Acessibilidança, em estreia na instituição, foi criado a partir das ações do Prêmio Festival Funarte Acessibilidança Virtual 2020. No concurso público, foram premiados 25 projetos de vídeos de espetáculos, que promovem o acesso de todas as pessoas à arte.


Com a iniciativa, a Funarte busca realizar novas ações a partir do uso das mais recentes tecnologias, estendendo, desse modo, um novo modelo para todo o Brasil. Assim, a Fundação reforça seu compromisso de promover e incentivar a produção, a prática, o desenvolvimento e a difusão das artes no país; e de atuar para que a população possa cada vez mais usufruir das manifestações artísticas. Criada em 1975, a Funarte segue, portanto, empenhada em acompanhar as transformações no cenário artístico e social.


O coordenador de Dança da entidade, Fabiano Carneiro, destaca a importância de se levar essa linguagem artística à população, durante o período de distanciamento social. “Estamos estreando o Festival Funarte Acessibilidança, um projeto inédito com foco na acessibilidade e na inclusão. Ao longo dos próximos meses, serão apresentados espetáculos de dança das cinco regiões do Brasil, plenamente acessíveis ao público, contemplando uma enorme diversidade na sua programação”, explica o coordenador.


O festival foi lançado no dia 16 de junho, com o espetáculo Lua de Mel, da Cia. Lamira Artes Cênicas (Tocantins). Na semana seguinte, foi exibido Maculelê: Reconstruindo o Quilombo, do Grupo de Dança Reconstruindo o Quilombo (Rondônia). Solatium encerrou a agenda das companhias da Região Norte. A segunda fase apresentou montagens premiadas da Região Sul. Flamenco Imaginário, da Cia. Del Puerto (Rio Grande do Sul), deu início à programação. Em seguida, Convite ao Olhar, da Cia. de Dança Lápis de Seda (Santa Catarina), foi exibido. O espetáculo Do Avesso, do Grupo Nó Movimento em Rede (Paraná), fechou a temporada da região.


A terceira fase divulga os trabalhos da Região Nordeste. A estreia foi com o espetáculo Estado de Apneia, do Grupo Movidos Dança Contemporânea, do Rio Grande do Norte. Depois, foi a vez da montagem Ensaio sobre o Silêncio, de Pernambuco. Segue agora com Maré - Versão virtual e acessível, do Rio Grande do Norte. A programação continua com o espetáculo Rio sem Margem, da Bahia, no dia 18 e, no dia 25, com a montagem Plenitude, do Piauí. A montagem Ah, se eu fosse Marilyn!, da Bahia, será apresentada no dia 1º; e Proibindo Elefantes, do Rio Grande do Norte, no dia 8, encerrando a terceira etapa do evento.


Os projetos contemplados nas demais regiões do País serão exibidos em seguida, até outubro, por meio do canal da Funarte no YouTube (bit.ly/FunarteYouTubeFestivalAcessibiliDanca). No decorrer das apresentações, o coordenador de Dança da Fundação, Fabiano Carneiro, participará de uma “live” com diretores e artistas de dança, além de convidados.

 

Festival Funarte Acessibilidança

Acesso gratuito, no canal: bit.ly/FunarteYouTubeFestivalAcessibiliDanca

Com audiodescrição e Libras

Espetáculo Maré – Versão virtual e acessível, do Coletivo CIDA (Rio Grande do Norte)

Dia 11 de agosto, quarta-feira, às 20h

 

Ficha técnica:

Coreografia e direção: René Loui e Rozeane Oliveira / Artistas convidados: Álvaro Dantas, Jania Santos e Marconi Araujo / Coordenação geral e produção executiva: René Loui e Arthur Moura / Produção convidada: Arlindo Bezerra, da BOBOX Produções / Direção de vídeo e captação: Gustavo Guedes e João Augusto, da Ilha Deserta Filmes/ Imagens aéreas: Paulo Barroca, da Barroca Box/ Trilha original e sonorização: Paulo de Oliveira, do Studio Promidia / Fragmento musical utilizado: Emune; She Didn't Even Say Bye; Interstreet Recordings, e Audiam (Publishing) / Roteiro, tradução e interpretação de Libras: Brígida Paiva / Roteiro de audiodescrição: Thiago Cerejeira e Mayara Barreto / Audiodescritor consultor: Thiago Cerejeira / Locução de audiodescrição: Gessyka Santos / Mixagem de audiodescrição: René Loui e Gonzaga Neto / Webdesigner e identidade Visual: René Loui / Imagens de divulgação: Brunno Martins / Designer de iluminação: Priscila Araújo / Operadora de iluminação: Leila Bezerra / Figurino: René Loui e Rozeane Oliveira / Elaboração de projeto: René Loui e Arthur Moura / Realização: Coletivo Independente Dependente de Artistas


Agenda dos contemplados da Região Nordeste

Dia 18 de agosto, quarta-feira, às 20h

Montagem Rio sem Margem, do coreógrafo e bailarino Elísio Pitta (Bahia)


Dia 25 de agosto, quarta-feira, às 20h

Espetáculo Plenitude, da Cia. de Dança Eficiente (Piauí)


Dia 1º de setembro, quarta-feira, às 20h

Montagem Ah, se eu fosse Marilyn!, do diretor, coreógrafo e dançarino Edu O. (Bahia)


Dia 8 de setembro, quarta-feira, às 20h

Espetáculo Proibido Elefantes, da Companhia Giradança (Rio Grande do Norte)

Agenda dos contemplados das demais regiões

Região Centro-Oeste - Dia 15 de setembro

Região Sudeste - Dia 13 de outubro      


Região Norte (espetáculos já disponíveis): Lua de Mel, da Cia. Lamira Artes Cênicas (TO); Maculelê: Reconstruindo o Quilombo, do Grupo de Dança Reconstruindo o Quilombo (RO); e Solatium, do Corpo de Dança do Amazonas (AM)


Região Sul (espetáculos já disponíveis): Flamenco Imaginário, da Cia. Del Puerto (RS); Convite ao Olhar, da Cia. de Dança Lápis de Seda (SC); e Do Avesso, do Grupo Nó Movimento em Rede (PR)


Região Nordeste (espetáculos já disponíveis): Estado de Apneia, do Grupo Movidos Dança Contemporânea (RN) e Ensaio sobre o Silêncio, da coreógrafa Taciana Gomes (PE)


Os vídeos ficam disponíveis no canal da Funarte no YouTube após a exibição


Realização

Fundação Nacional de Artes – Funarte | Centro de Artes Cênicas | Coordenação de Dança

Secretaria Especial da Cultura | Ministério do Turismo | Governo Federal


Mais informações para o público: danca@funarte.gov.br 

Nenhum comentário:

Postar um comentário