CCB-Fábrica das Artes | PARADOXOS DE ALICE pelo Teatro do Silêncio - Portal Splish Splash

Recentes

sexta-feira, julho 02, 2021

CCB-Fábrica das Artes | PARADOXOS DE ALICE pelo Teatro do Silêncio

Paradoxos de Alice, a mais recente criação do Teatro do Silêncio, tem estreia marcada entre os dias 9 e 11 de julho, no Pequeno Auditório do CCB.


Paradoxos de Alice

Teatro do Silêncio

Direção de Maria Gil / Dramaturgia de Dina Mendonça

Interpretação: Leonor Keil e Gonçalo Alegria


CCB • 9 a 11 julho • dia 9: 19h00 e dias 10 e 11: 11h00 • Pequeno Auditório


FICHA TÉCNICA


Direção e pontos de partida dramatúrgicos: Maria Gil

Tradução de Margarida Vale de Gato

Apoio à dramaturgia: Dina Mendonça

Interpretação: Leonor Keil e Gonçalo Alegria

Espaço cénico e adereços: Pedro Silva

Figurinos: Miguel Bonneville

Música, som, adaptação/conceito vídeo: Gonçalo Alegria

Desenho de luz: Artur Pispalhas

Ilustrações e animações: Beatriz Bagulho

Operação de câmara: António Mendes e João Estrada

Captação de som: Miguel Coelho

Confeção e assistência de figurinos: Marisa Escaleira

Fotografia e registo de vídeo: Joana Linda


Paradoxos de Alice, a mais recente criação do Teatro do Silêncio, tem estreia marcada entre os dias 9 e 11 de julho, no Pequeno Auditório do CCB. É um espetáculo para maiores de oito anos, que propõe novos olhares para as temáticas transversais e intemporais dos livros clássicos de Lewis Carroll, Alice no País das Maravilhas e Alice do Outro Lado do Espelho.


Integrado no ciclo Festa de Desaniversário da Fábrica das Artes, esta peça de teatro serve de mote para uma vasta programação que pretende colocar a criação artística em diálogo com a filosofia com crianças.


Paradoxos de Alice convida-nos a mergulhar num mundo muito estranho… Aqui há sorrisos sem gato, prateleiras absolutamente vazias e outros objetos impossíveis, há comida e bebida que te faz mudar de tamanho – podes crescer até ficares como um gigante ou diminuíres até à altura de um polegarzinho. Para entrares neste mundo precisas de escolher, cair na toca do coelho ou passares para o outro lado do espelho.


Aí encontrarás Alice, que farta de tanta estranheza grita baixinho:


— Não mais o alto oposto ao baixo! A direita oposta à esquerda!

O grande distinto do pequeno! O passado como contrário ao futuro!


Parece que Alice ficou presa no labirinto de verdades com dois sentidos (a verdade pode ter dois sentidos? E só dois?). Alice gesticula-se, abana-se, treme, salta, dança, faz tudo para compreender melhor este mundo muito «estranho… estranhosíssimo!»


Será que Alice consegue sair deste labirinto? Qual é o caminho certo? Quais são as palavras mágicas? Será que uma dança pode ajudar?


Para uma realidade que sai gradualmente do confinamento, qual será o lugar da imaginação na criação de novos mundos?

Nenhum comentário:

Postar um comentário