Feminicídio de mulheres negras inspira livro e espetáculo de dança - Portal Splish Splash

Recentes

terça-feira, junho 29, 2021

Feminicídio de mulheres negras inspira livro e espetáculo de dança

Os dados são alarmantes: 75% das mulheres assassinadas no Brasil são negras, de acordo com levantamento feito pelo G1. Fundamentado nesses índices, o Coletivo Emaranhado criou o espetáculo colaborativo de dança contemporânea “Abajur Cor de Carne - Cartografia pela Dança”, que denunciava a cultura de violência de gênero que vão de ações sutis no cotidiano até chegar ao feminicídio.


Os dados são alarmantes: 75% das mulheres assassinadas no Brasil são negras, de acordo com levantamento feito pelo G1. Fundamentado nesses índices, o Coletivo Emaranhado criou o espetáculo colaborativo de dança contemporânea “Abajur Cor de Carne - Cartografia pela Dança”, que denunciava a cultura de violência de gênero que vão de ações sutis no cotidiano até chegar ao feminicídio. As questões abordadas no trabalho artístico geraram, por sua vez, o livro “Abajur Cor de Carne - Cartografia pela Dança: possíveis epistemologias de uma arte negro-brasileira”, organizado por Maicom Souza, e lançado gratuitamente em parceira com a editora capixaba Cousa, com apoio da Lei Aldir Blanc e da Secult do Espírito Santo. 


Assista o espetáculo na íntegra: https://youtu.be/azPHXbXKwk0


“O espetáculo é uma proposta concreta em favor das mulheres, principalmente as negras e, apesar do elenco não ser composto apenas por pessoas negras, o corpo de artistas é um signo do saber, produzido e memorizado na relação ontológica do cotidiano negro afrodiaspórico. Os textos cênicos, as músicas cantadas pelos artistas, o jogo de linguagem com os fenótipos e o protagonismo das mulheres retintas em cena promovem e reivindicam os direitos dos afrodescendentes”, explica Maicom Souza.


O espetáculo “Abajur Cor de Carne - Cartografia pela Dança” estreou em 2019, na cidade de Vitória (ES), cidade que é tema da escrita do livro. Para a publicação dos textos, os autores reuniram-se durante alguns meses e a partir de pesquisas, conversas, trocas, questionamentos e movimentos surgiu o livro.


“A proposta deste livro não é a de reafirmar as violências, mas de gritá-las com a força e a coragem de quem assim busca. Sabemos que essa busca se faz presente em cada segundo em que uma mulher é ofendida, violentada, assediada, abusada e morta, entre tantas outras formas de violências que são forjadas às mulheres, e ao que é feminino. Por isso, tanto o espetáculo quanto este livro são um trabalho de permanência: sua arte é cíclica, conversa com o público trocando dores e denúncias. Não termina em cena, perdura, perpassa o cotidiano, de modo que não se possa mais temer a voz que grita, que luta e para que o silêncio se dissolva num mundo de opressões às mulheres, ao ser feminino e ao que se conduz diante disso.”, declara Maicom Souza.


O “Abajur Cor de Carne - Cartografia pela Dança: possíveis epistemologias de uma arte negro-brasileira” antes de se tornar livro foi também um espetáculo de dança que foi premiado no 21º Festival Nacional de Teatro de Gaçuí (ES), além de ser indicado nas categorias Melhor Figurino, Melhor Iluminação e Melhor Trilha Sonora. Um dos capítulos do livro também chegou a ser premiado com o Prêmio BALOGUN Abdias do Nascimento de Artigos e Pesquisas Científicas em Culturas e Religiões Afro-Brasileiras do Rio de Janeiro.


O livro “Abajur Cor de Carne - Cartografia pela Dança: possíveis epistemologias de uma arte negro-brasileira” é organizado e escrito por Maicom Souza, em parceria com Thaynah Bettini; Érica Ortolan, Ricardo Reis; Paloma Rigamonte; Elaine Vieira, todos artistas que participaram do espetáculo. A publicação do livro foi aprovada na Lei Aldir Blanc, dentro do Edital de Seleção de Projetos e Concessão de Prêmio “Cultura Digital” - Apoio à Produção de Conteúdos Digitais no Estado do Espírito Santo.


Acesse o livro gratuitamente: https://www.coletivoemaranhado.com.br/abajur


Conheça o autor


Maicom Souza e Silva é um filósofo, bailarino, produtor cultural, instrutor de Danças Negro-brasileiras e Mestrando no Programa de Metafísica da UnB (Universidade de Brasília). Desde 2013 trabalha como gestor e bailarino no Coletivo Emaranhado, e a partir de 2016 tornou-se professor do Museu Capixaba do Negro Verônica da Pas - Mucane, no Curso de Qualificação de Dança Afro-brasileira Cênica. E ainda, é sócio e administrador da Bule Estúdio Criativo, desde 2018, que cuida de produção cinematográfica e gestão de artes cênicas em Vitória (ES).  Além disso, formou-se em Filosofia e também em Marketing, Gestão de Vendas e Gestão Empresarial pela UVV (Universidade Vila Velha). Já foi premiado com mais de 60 projetos culturais, atuando também como facilitador cultural formado pelo Minc, desde 2017. Além de “Abajur Cor de Carne - Cartografia pela Dança: possíveis epistemologias de uma arte negro-brasileira”, Maicom também é autor do livro “Estética das práticas performativas da dança afro-brasileira cênica”, lançado este ano pela editora Appris.


Siga o Coletivo Emaranhado

Site 

Instagram 

Youtube

Facebook 

Nenhum comentário:

Postar um comentário