Aqui estão 7 sinais negativos de que seu corpo te dá para alertar que você come carboidrato demais - Portal Splish Splash

sábado, maio 15, 2021

Aqui estão 7 sinais negativos de que seu corpo te dá para alertar que você come carboidrato demais

Esqueça aquela história de que eliminar os carboidratos da dieta é a solução para todos os problemas da sua vida: de perder peso e ganhar músculos à diminuição das dores. “Há muitos conceitos errados sobre quando e como comer carboidratos quando sua meta é perder peso.

Eles não são inimigos, pois fornecem energia ao corpo, mas como tudo na vida é necessário tomar cuidado com os excessos


São Paulo – 14/05/2021 - Esqueça aquela história de que eliminar os carboidratos da dieta é a solução para todos os problemas da sua vida: de perder peso e ganhar músculos à diminuição das dores. “Há muitos conceitos errados sobre quando e como comer carboidratos quando sua meta é perder peso. Além disso, cortar carboidratos pode ser muito difícil e atrapalhar uma série de questões no organismo, pois eles são responsáveis pelo fornecimento de energia. E a maioria das pessoas pode perder peso ou viver normalmente sem cortar drasticamente os carboidratos. Mas é verdade que comê-los em excesso pode afetar a saúde de muitas formas negativas”, explica a médica nutróloga Dra. Marcella Garcez, professora e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN).


Apesar de dietas da moda e tendências influenciarem a decisão de muitas pessoas em ingerir apenas proteínas, gorduras boas, frutas e verduras, o carboidrato pode ser inserido no plano alimentar inclusive para ganhar músculos na academia e emagrecer. “Quando você consome os tipos corretos (de preferência carboidratos complexos como aveia, tubérculos, legumes e grãos integrais) e está atento às porções, não existe problema. A população em geral deve consumir carboidratos simples, farináceos refinados e açúcares, com moderação e equilíbrio. Os carboidratos devem ser consumidos com moderação por quem tem disfunções metabólicas como obesidade, diabetes e síndrome metabólica”, diz a Dra. Marcella. "Os carboidratos complexos, também chamados polissacarídeos, estão unidos em cadeias longas, complexas e ramificadas, como as fibras alimentares, que requerem mais energia e tempo para serem quebradas em açúcar para obter energia", diz a médica.


Dessa forma, além da qualidade, é necessário também se atentar às quantidades, que podem sim causar efeitos diretos e rápidos no organismo. Abaixo, listamos sete efeitos negativos do consumo excessivo de carboidratos na dieta.


Sempre inchado


“É comum ficar inchado de vez em quando, mas quando isto é constante, então os carboidratos tanto simples como complexos podem ser os responsáveis. Isso porque o açúcar que eles contêm pode ser excessivamente fermentado pelas bactérias da microbiota intestinal, o que lentifica o trânsito digestivo e leva a sensação de distensão abdominal, como um balão na sua capacidade máxima, pela liberação de gases na luz intestinal”, afirma a Dra. Marcella Garcez.


Seu peso está aumentando


Quando comemos mais calorias do que gastamos, invariavelmente aumentaremos o peso. Então, comer qualquer coisa em excesso pode fazer com que você veja uns quilos a mais na balança, mas isso acontece principalmente ao consumir muitos carboidratos. “Com o consumo excessivo de carboidratos, produzimos mais insulina, que é um hormônio produzido pelo pâncreas que leva a glicose para as células do corpo, estimula as células adiposas a formarem mais gorduras e pode contribuir para o aumento do apetite. Além disso, os carboidratos simples têm um tempo de digestão menor e isso interfere na saciedade, o que pode fazer com que você se sinta com fome logo após ter comido”, afirma a Dra. Marcella.


Você tem mais problemas de pele e cabelo


O sinal mais rápido que a sua pele pode dar que há excesso de carboidratos é por meio do surgimento de inflamações como a acne. “Alimentos ricos em carboidratos, que contam com farinha branca são um dos principais causadores de quadros acneicos. Isso porque esse ingrediente é rico em carboidratos simples que aumentam a produção de insulina, substância que favorece a produção de hormônios que estimulam a pele a secretar grandes quantidades de óleo e de sebo, o que aumenta a probabilidade de desenvolver acne e piorar a inflamação”, afirma a dermatologista Dra. Claudia Marçal, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. A longo prazo, o consumo excessivo pode acelerar o aparecimento de rugas e flacidez na pele, por meio de um processo chamado glicação. “Neste processo, a glicose que fica solta no sangue liga-se às proteínas, formando assim os AGEs (produtos finais da glicação avançada). Esses AGEs causam uma desordem tecidual, degradando as fibras de colágeno e elastina e levando à perda da elasticidade da pele, formação de rugas e ao envelhecimento do tecido. Dessa forma, é necessário utilizar suplementos antiglicantes como Glycoxil para reverter os danos”, explica a nutricionista Luisa Wolpe Simas, consultora de nutrição integrada da Biotec Dermocosméticos. Além de afetar a pele, o consumo excessivo de açúcar também pode prejudicar a saúde dos cabelos. “Isso porque o aumento de insulina provocado pela ingestão de açúcar faz com que sejam liberados hormônios que inibem a divisão celular da raiz capilar, além de provocar um processo inflamatório que afeta o couro cabeludo, favorecendo o afinamento dos fios e a queda capilar”, ressalta o médico tricologista Dr. Lucas Fustinoni, referência internacional em Tricologia e membro da World Trichology Society.


As cáries aparecem mais nos seus dentes


O açúcar é um dos grandes vilões da saúde oral. “Um dos principais problemas nesse sentido é a formação de cáries, que ocorre quando as bactérias da boca metabolizam o açúcar que consumimos, tornando o pH da boca ácido e, consequentemente, provocando a desmineralização do esmalte dos dentes e o aparecimento das cáries. E o pior é que o início dessa ação ocorre poucas horas após a ingestão do açúcar. Além disso, o açúcar também favorece o acúmulo de placa bacteriana que, quando não removida adequadamente, também pode ocasionar gengivite e mau hálito”, alerta o Dr. Hugo Lewgoy, cirurgião-dentista e doutor em Odontologia pela USP.


Você tem infecções genitais frequentes


Doces e carboidratos em excesso também podem favorecer o aparecimento e piora de corrimento e candidíase em mulheres. “Esses alimentos tornam-se glicose no organismo, fazendo com que o pH vaginal fique mais ácido. Com isso, há uma desregulação das bactérias locais, com aumento da produção de fungos e bactérias patogênicas, causando candidíase e corrimento”, explica a Dra. Eloisa Pinho, ginecologista e obstetra da Clínica GRU. “Além disso, o consumo excessivo desses alimentos também pode prejudicar o sistema imunológico, o que favorece o aparecimento de infecção urinária, que acontece quando as bactérias entram no trato urinário e se multiplicam, causando dor, ardência, desconforto na bexiga, urina turva e até febre.”


Problemas para dormir


Se você é dos que costumam comer carboidratos à noite, é provável que sua insônia esteja relacionada à comida. “O açúcar requer que seu corpo trabalhe para processar a glicose e não lhe permite descansar. Você pode evitar este efeito deixando de comer carboidratos simples desde a tarde para que seu corpo tenha o tempo de processá-los antes da hora de dormir”, afirma a Dra. Marcella.


Você está cansado o tempo todo


Claro, isso pode estar relacionado a seus horários terríveis, com dias pesados, mas se o cansaço ocorre todo o tempo e vem acompanhado de dores de cabeça, a culpa pode ser da sua dieta. “É importante combinar seus carboidratos com outros macronutrientes, como as proteínas magras e as gorduras boas, além de priorizar o consumo de carboidratos complexos provenientes de vegetais e frutas que também são fontes de vitaminas, minerais e antioxidantes, os micronutrientes. Isso evitará com que seu corpo use níveis de energia rapidamente e que se sinta particularmente esgotado todo o dia”, finaliza a médica nutróloga.


FONTES:

*DRA. MARCELLA GARCEZ: Médica Nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da ABRAN. A médica é Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo. CRM-PR 12559 e RQE 16019.

*DRA. CLAUDIA MARÇAL: Dermatologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), da American Academy Of Dermatology (AAD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD). Professora e fundadora do Dermacademy MB, plataforma online de ensino a dermatologistas, a médica é speaker Internacional da Lumenis, maior fabricante de equipamentos médicos a laser do mundo; e palestrante da Dermatologic Aesthetic Surgery International League (DASIL). Possui especialização pela AMB e Continuing Medical Education na Harvard Medical School. É proprietária do Espaço Cariz, em Campinas - SP.

*DR. LUCAS FUSTINONI: médico tricologista, referência internacional em Tricologia e membro da World Trichology Society, da European Hair Research Society, da Ukranian Hair Research Society, da Sociedade Italiana de Tricologia e da Associação Argentina de Tricologia. Graduado em Medicina, Dr. Lucas Fustinoni é divulgador científico de Tricologia e Estética, Fellowship de Estética em Miami, e possui o maior canal do Youtube do mundo sobre Tricologia e Estética.

*DRA. ELOISA PINHO: Ginecologista e obstetra, Pós-graduada em ultrassonografia ginecológica e obstétrica pela CETRUS. Parte do corpo clínico da clínica GRU Saúde, a médica é formada pela Universidade de Ribeirão Preto, realiza atendimentos ambulatoriais e procedimentos nos hospitais Cruz Azul e São Cristovão, além de também fazer parte do corpo clínico dos hospitais São Luiz, Pró Matre, Santa Joana e Santa Maria.

*HUGO ROBERTO LEWGOY: Especialista, Mestre e Doutor pela Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo; Professor Colaborador do Instituto de Pesquisas Nucleares (IPEN) e do Mestrado Profissional em Biomateriais em Odontologia da Universidade Anhanguera (UNIAN); Pós-graduado em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP); Instrutor da filosofia individually Training Oral Prophylaxis (iTOP); Pós-graduado em Implantodontia pela Miami University e University of Berna; Membro do International Team of Implantology (ITI); Consultor Científico da Curaden Swiss.

Nenhum comentário:

Postar um comentário