ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

11/27/2020

Dia Nacional da Onça-Pintada busca conscientizar sobre a importância ecológica, econômica e cultural da espécie

Dia Nacional da Onça Pintada 2020 - Data é comemorada em 29 de novembro e eleva a atenção para o maior felino das Américas


Data é comemorada em 29 de novembro e eleva a atenção para o maior felino das Américas


Criado a partir da Portaria do Ministério do Meio Ambiente (MMA) número 8, de 16 de outubro de 2018, o Dia Nacional da Onça-Pintada, celebrado em 29 de novembro, foi estabelecido para chamar a atenção para a espécie. A data é importante para relembrar os brasileiros da importância da preservação do animal, que é um dos símbolos da fauna do Brasil, país que abriga cerca de 50% das populações de onças-pintadas ainda existentes.


Maior felino das Américas e terceiro maior felino do mundo, atrás apenas do tigre (Panthera tigris) e do leão (Panthera leo), a onça-pintada (Panthera onca) é considerada “quase ameaçada” pela IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza). Atualmente, a espécie sobrevive graças a iniciativas de preservação realizadas por projetos como o Onçafari, que atua no estudo e conservação do animal.


O Onçafari, desde 2011, conta uma base dedica à espécie, localizada no Refúgio Ecológico Caiman, no Pantanal sul-mato-grossense. “No local, realizamos a coleta de dados e compilamos informações que levam ao melhor entendimento do comportamento das onças-pintadas, assim como a descoberta de melhores estratégias para a conservação do felino. Essas informações nos permitem entender suas áreas de vida, territórios e hábitos”, explica Mario Haberfeld, fundador do Onçafari.


Mais um destaque é a reintrodução na natureza de grandes felinos que o Onçafari promove desde 2014. O primeiro caso de sucesso foi o das irmãs Isa e Fera, onças-pintadas que perderam a mãe ainda filhotes e foram reintroduzidas no Pantanal. Em 2016, o projeto recebeu, na Amazônia, as irmãs Pandora e Vivara com poucos dias de vida. Após o trabalho desenvolvido com os animais, aconteceu a soltura na natureza. Em 2019, o Jatobazinho foi recebido pelo Onçafari e no momento passa pelo processo de reintrodução na Argentina.


Ameaças 


A fragmentação de habitats e a perda de áreas de floresta em razão da ação humana são as principais ameaças às onças-pintadas. Áreas desmatadas para a produção agropecuária e a expansão de cidades diminuem as áreas de vida desses predadores, diminuindo também a disponibilidade de presas naturais.


Outra ameaça a esses felinos é a caça. Antigamente, as onças eram mortas para a retirada e venda de sua pele como item de decoração. Na década de 1960, cerca de 15 mil peles de onça-pintada eram exportadas por ano. Durante esse período, as populações reduziram drasticamente. Apesar de hoje a comercialização de peles ser proibida, as onças continuam sendo mortas por caçadores.


“Com o trabalho desenvolvido no Refúgio Ecológico Caiman, entendemos que a educação ambiental e a pesquisa científica, aliadas ao ecoturismo, são uma das principais e mais poderosas ferramentas para reverter o avanço das ameaças. O ecoturismo responsável também é um dos pilares do Onçafari. Além de gerar renda para família inteiras na região, os encontros do público com os animais permitem que os visitantes aprendam mais sobre as espécies, para que saibam da importância desses animais na natureza e se envolvam em seu processo de proteção”, ressalta Haberfeld.


Curiosidades 


Considerada um predador do topo da cadeia, a onça-pintada reina absoluta nos ambientes onde vive, alimentando-se desde pequenos tatus e cutias até jacarés e antas. A espécie controla populações de presas e é de extrema importância no equilíbrio dos ecossistemas onde está inserida. São carnívoras estritas, ou seja, alimentam-se exclusivamente de carne.


Os indivíduos possuem uma coloração amarelo-dourada e pintas na cabeça, patas e pescoço. No resto do corpo, têm rosetas com pintas no interior (uma das características que os distinguem dos leopardos), conferindo uma camuflagem quando está no interior da mata. O padrão de pintas é único para cada animal. Cada onça-pintada possui uma malha diferente de rosetas, funcionando como uma espécie de “impressão digital”.


São animais grandes e musculosos, com peso e tamanho variando de acordo com o ambiente. Em média, pesam entre 65 e 100 kg. Entretanto, já foram registrados no Pantanal machos com mais de 148 kg.


Taxonomia

Classe: Mammalia

Ordem: Carnivora

Família: Felidae

Gênero: Panthera

Espécie: Panthera onca

Nome comum: Onça-pintada, Jaguar, Jaguaretê


Sobre o Onçafari

O Onçafari atua no Pantanal, Cerrado, Amazônia e Mata Atlântica com o objetivo de promover a conservação do meio ambiente e contribuir com o desenvolvimento socioeconômico das regiões em que está inserido por meio do ecoturismo e de estudos científicos. O projeto é focado na preservação da biodiversidade em diversos biomas brasileiros, com ênfase em onças-pintadas e lobos-guarás.

0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Sem comentários:

Publicar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo