ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

8/19/2020

Quem diz o que quer, ouve o que não quer... E assume os riscos!

A regra dos seis segundos diz que quando estivermos sob pressão não devemos responder por instinto e irracionalidade.

A regra dos seis segundos diz que quando estivermos sob pressão não devemos responder por instinto e irracionalidade.



Por: Prof. Paulo Lopes*

- Ah, eu digo tudo o que penso!

Esta é uma afirmativa que ouço com muita frequência, normalmente vinda de pessoas que tentam se enaltecer por isso. Porém, não acredito que seja uma postura inteligente, sensata e equilibrada. Sou totalmente a favor da verdade e da autenticidade, mas estou mais ao lado dos que dizem: “nem todas as pessoas merecem ouvir as minhas verdades”.

Ter alguém na equipe que assume o papel do “super sincero” é muito cômodo... para a equipe, mas não para o protagonista do papel. Embora o protagonista ache que esteja se beneficiando com isso, que esteja dizendo o que os outros não tem coragem de dizer, que esteja agregando à equipe, na realidade ele está se expondo e construindo a fama de “cricri” da equipe.

A imagem que uma pessoa que desenvolve as habilidades da Inteligência Emocional passa é a da mais profunda harmonia... um Monge Budista, que não se irrita com a internet lenta, controla a irritação quando bate com o “minguinho” do pé no sofá, nem dá importância quando o pão cai no chão, mesmo que seja com o lado da manteiga para baixo... enfim, alguém inabalável. Na realidade, quanto mais desenvolvidas as habilidades da Inteligência Emocional, mais intensamente ela transita no mundo das emoções...mergulha-se de cabeça na tristeza, desfruta-se intensamente da alegria, reagimos ao medo, ao nojo e a surpresa com todas as forças. Porém, ela busca entender a ação que produziu esse sentimento da forma mais rápida possível e trabalha internamente para oferecer uma reação racional.

Na comunicação não é diferente, pois frequentemente passamos por situações que a resposta verbal deve ser trabalhada internamente antes de ser externada.
A regra dos seis segundos diz que quando estivermos sob pressão não devemos responder por instinto e irracionalidade. Portanto, esperar seis segundos faz com que consigamos nos reestruturarmos emocionalmente para que a resposta seja sensata e consciente.

Existem técnicas que auxiliam para que os seis segundos sejam passados desapercebidos por aqueles com quem estamos interagindo. Uma delas é repetir a pergunta que foi feita em tom alto e pausado, enquanto isso acontece, deve-se pensar na forma mais apropriada de responder. No caso desta situação ocorrer em uma reunião formal, onde não seria conveniente repetir a pergunta para não passar a impressão de insegurança, a alternativa pode ser aproveitar o tempo de racionalização da questão tomando um gole de água ou cafezinho...

Outras técnicas pessoais podem ser desenvolvidas, contudo o importante é deixar fluir ou induzir aquele tempo para respirar e potencializar o primeiro argumento de forma a driblar o reflexo de uma intervenção que por ser mal iniciada terá muitas chances de ser refutada. Isso é treinamento diário! Bora exercitar!

*Professor Esp. Paulo Lopes
- CREF:3080 G/RS
- Graduado em Educação Física (UFRGS 2001)
- MBA em Gerenciamento de Projetos (UNILASALLE 2015)
- Pós MBA em Inteligência Emocional nas Organizações (UNILASALLE 2019). Leia Mais sobre o autor...

Sem comentários:

Publicar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo