LightBlog
>

ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

6/04/2020

Florestas plantadas em Minas Gerais preservam mais de um milhão de hectares de vegetação nativa

Plantio-Arquivo Cenibra

Indústria florestal ameniza a pressão sobre mata nativa ao passo em que recupera áreas degradadas


Na semana em que se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado amanhã (05), reforçar o papel da indústria florestal na preservação de florestas nativas torna-se ainda mais importante. Cultivadas para a produção renovável de madeira, que abastece o mercado de painéis, pisos laminados, carvão vegetal, lápis, celulose, madeira tratada, serrada, entre outros produtos madeireiros, as florestas plantadas preservam mais de 1,3 mi de hectares de florestas naturais apenas em Minas Gerais, estado que detém a maior base florestal plantada do país, com mais de dois milhões de hectares. A conta é simples: cada 1 hectare plantado preserva 0,6 hectare nativo, segundo levantamento realizado pela AMIF – Associação Mineira da Indústria Florestal. O setor de floresta plantada é o que mais contribui para a conservação de áreas de florestas nativas, através de suas práticas sustentáveis de uso do solo e também por fazer uso somente de madeira plantada e manejada para fins específicos de produção.

Entre os principais motivos da preservação está, ainda, o fato de as florestas plantadas diminuírem a pressão sobre as florestas nativas, uma vez que fornecem às indústrias os insumos necessários para o processo produtivo, como a celulose, carvão vegetal e a própria madeira em um processo sustentado de plantio e colheita de árvores. E as vantagens vão além, de acordo com a Associação Mineira da Indústria Florestal (AMIF): “a cultura de árvores plantadas, ao ser implantada, recupera áreas degradadas, contribui para manter a disponibilidade da água e nutrientes do solo, gera empregos rurais contribuindo para a manutenção do homem no campo em uma vasta cadeia de valor e contribuem para a inclusão social”, explica a presidente da entidade, Adriana Maugeri.

Desafios

Outro dado coloca a indústria florestal regional em evidência no cenário global: Minas Gerais é líder mundial de produção e consumo de carvão vegetal proveniente destas florestas, fonte energética limpa e renovável. Apesar de todos os esforços da indústria florestal com os compromissos sustentáveis e legais, estima-se que uma significativa parcela do carvão vegetal consumido no estado ainda tenha origem nas árvores nativas, o que é considerado ilegal desde janeiro de 2018, quando a reformulação da Lei Florestal de Minas Gerais proibiu, entre outras práticas, que a indústria utilize carvão originário de florestas nativas.

 “Acabar com a produção ilegal de carvão vegetal está entre nossos principais pleitos. Não há necessidade de se expandir as fronteiras da cultura de florestas plantadas para áreas nativas e que devem ser conservadas. Há muitas outras áreas que são nosso foco de ampliação. Felizmente temos ao nosso lado importantes ONGs e o próprio poder público, que, assim como a AMIF, lutam para preservar a nossa rica mata nativa dos significativos biomas em Minas, o Cerrado e a Mata Atlântica. O setor de florestas plantadas repudia, veementemente, o desmatamento ilegal e atua fortemente para a ampliação da fiscalização e punição estatal para os criminosos que destroem o que nos resta de matas em nosso Estado”, explica Maugeri.

Apesar de representarem pouco menos de 1% do território nacional, as florestas plantadas são responsáveis por 91% de toda a madeira produzida no Brasil para fins industriais. As empresas instaladas em Minas Gerais fornecem madeira para outros estados, como Bahia e Espírito Santo, e possuem certificações internacionais, como o FSC - Forest Stewardship Counci, que garante a sustentabilidade do manejo e origem da madeira através da exigência de parâmetros rigorosos. As florestas plantadas com representação da AMIF estão presentes em mais de 230 municípios mineiros, e são compostas, prioritariamente, por eucalipto, mas também Pinus, Cedro e Mogno.

Sobre a AMIF
A AMIF representa a indústria de base florestal de Minas Gerais. São empresas que cultivam árvores de várias espécies com a finalidade de oferecer madeira para o mercado de forma renovável e sustentável. A grande maioria destas florestas possuem certificações internacionalmente reconhecidas que atestam esta sustentabilidade do seu manejo e origem. A madeira cultivada é utilizada principalmente para produção de painéis, pisos laminados, lápis, madeira serrada, madeira tratada, carvão vegetal, celulose. São produtos e subprodutos que estão presentes na vida de 100% dos brasileiros, oferecendo bem-estar, conforto, higiene e praticidade. Hoje, a entidade defende as causas e direitos deste setor, trabalhando a favor do desenvolvimento e competitividade desta agroindústria e dos produtores florestais, responsáveis por produzirem um dos materiais mais nobres e limpos que a sociedade dispõe: a madeira. Este setor alimenta uma vasta cadeia de valor, gerando empregos, oportunidades de renda e valor nas áreas rurais, benefícios socioambientais além de vasto conhecimento cientifico e técnico de instituições e profissionais, que fazem da silvicultura brasileira uma das mais produtivas do mundo.
Mais informações:

Sem comentários:

Publicar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo