LightBlog
>

ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

3/05/2020

Lili Araujo canta a beleza da amizade: Cantora e compositora carioca festeja a parceria com o músico Alegre Corrêa, em "Dájazz", seu quarto álbum

Capa do novo CD - Lili Araujo - Dájazz-Foto: Soraia Costa / Arte Capa: Leo Sarconatto

Em homenagem ao mês das mulheres o lançamento em todas plataformas digitais será amanhã, dia 06.03

Como outros artistas brasileiros que passaram pela experiência de viver por um período no exterior, Lili Araujo voltou mais consciente de sua identidade. No início de 2006, aos 23 anos, ela cantava sambas e dedilhava choros em seu cavaquinho, quando se mudou para Viena, na Áustria. Três anos depois, ao retornar ao Rio de Janeiro, trouxe na bagagem seu primeiro disco e dezenas de composições. “A volta ao Brasil foi um reencontro com as minhas raízes, mas também a possibilidade de fazer uma música que mesclasse bossa nova, samba-jazz e canções mais sofisticadas. Agora eu sei que tenho uma identidade”, reflete hoje a cantora e compositora carioca, que em março de 2020 fará o lançamento de “Dájazz”, seu quarto álbum. No currículo musical de Lili, além dos discos “Bem Natural” (independente, 2016), “Casa Aberta” (Delira Música, 2012) e “Arribação” (Oficina Records, 2008), chamam atenção os shows que fez em conceituados clubes de jazz da Europa, como o dinamarquês Jazzhus Montmartre (em Copenhagen), o austríaco Porgy & Bess (Viena) e o suíço Bird’s Eye (Basel). Também merecem ser mencionadas as participações de Lili em dois respeitados festivais: o sueco Stockholm Jazz Festival e o uruguaio Festival Internacional de Jazz de Punta del Este, onde teve a oportunidade de encontrar o saxofonista cubano Paquito D’Rivera. “Além de conhecê-lo, de ouvi-lo e de rir com ele, foi um show muito importante para mim”, destaca a cantora.

Em “Dájazz”, seu novo álbum, Lili festeja a amizade e a parceria com o músico Alegre Corrêa, que conheceu em Viena. Veterano multi-instrumentista e compositor gaúcho, que hoje vive em Florianópolis (SC), ele morou por quase três décadas na Europa, onde desenvolveu uma carreira de sucesso. “Alegre se tornou um mentor musical e, ao mesmo tempo, uma espécie de figura paterna para mim. Ficamos muito amigos”, conta Lili. “Me espelhei muito na figura dele, em como ser profissional e liderar meu trabalho, em como me colocar no palco com responsabilidade e firmeza. Alegre foi minha faculdade de música, ele me lapidou”, reconhece. Durante os anos na Europa, Lili também teve a oportunidade de conviver com músicos de jazz, que a aproximaram desse gênero musical. “Ao chegar lá, cantei muita bossa nova com amigos que tocavam jazz. Também formei um grupo de estudos de choro com alunos da faculdade de jazz de Viena”, relembra a cantora, que antes mesmo de sair do Brasil já era influenciada pelos discos e pelas vozes de Joyce e de Rosa Passos. “Eu já paquerava a bossa nova aqui no Rio, mas devo toda minha base musical ao samba e ao chorinho”.

As faixas do álbum     

A ligação com o jazz, que também está presente nos primeiros discos de Lili, foi um dos motivos para que ela decidisse batizar o novo álbum de “Dájazz” – título emprestado do irresistível samba-jazz composto por ela, que retrata com descontração o final de um relacionamento amoroso. “Para mim, ‘dá jazz’ também quer dizer que está tudo certo, que a gente vai improvisando e misturando as coisas”, explica a compositora. Portanto, além de contar com o próprio Alegre Corrêa (voz, violão, percussão e bateria) para as gravações do álbum, é natural que Lili também tenha convidado músicos ligados ao jazz e à música instrumental, como o saxofonista e arranjador Henrique Band e o baixista catarinense Rodrigo Lúcio. Sem falar no pianista paraibano radicado em São Paulo, Salomão Soares, uma das grandes revelações desse gênero musical nesta década, em nosso país. A bossa nova “Palpite” (outra composição da cantora), já lançada em seu recente EP, também traz na letra a temática da relação amorosa, mas desta vez com um ponto de vista mais sonhador e otimista. No solo, Rodrigo Lúcio demonstra seu talento, improvisando ao baixo elétrico.

Lili Araujo-Foto:Soraia Costa
“A Voz do Brasil” é um contagiante samba-exaltação de Alegre, que Lili canta com graça e doçura, apoiada pelo piano de Salomão, que esbanja suingue. O pianista também brilha em “Gávea”, divertido choro cantado (de Alegre e Márcio Tubino), que descreve uma conturbada partida de futebol. Lili prova ter jogo de cintura, ao encarar os encrencados versos da letra, em ritmo sincopado.

Parceria de Alegre e Lili, composta quando os dois moravam em Viena, a canção “No Mundo Inteiro” expressa o ponto de vista do imigrante. “Ao mesmo tempo que aprendi muito na Europa, onde fui muito feliz naquela época, eu sentia saudade do Rio e da cultura mais despojada dos brasileiros. É a sensação de que você pode passar uma vida inteira naquele continente, mas jamais será de lá ou um deles”, reflete a letrista. Lili e Alegre dividem os vocais, na canção “Zamba Zumbi”, outra parceria que nasceu na Áustria. Na época, a cantora estava lendo um livro sobre orixás e sugeriu fazerem uma canção de ascendência afro. Os dois não chegaram a conclui-la. A parte final, criada por Alegre, só surgiu mais tarde.

Da mesma safra de composições da dupla, “Mais Um Dia” destaca a participação especial do cantautor François Muleka, que divide os vocais com Lili. A simplicidade desta canção, com um tempero rítmico nordestino, se afina com os versos, que aludem à poesia do cotidiano.  Finalmente, a delicada canção “Amizade” (composta por Alegre) reúne as vozes de Lili, Muleka, Valéria Lobão e do próprio autor, em um coro emotivo. “Este disco expressa amizade”, observa Lili, referindo-se não só às antigas relações de amizade que tem com Alegre e François, mas à proximidade entre os músicos e técnicos que se acentuou durante as gravações. “Só não chamei este CD de ‘Amizade’, porque Dudu Filetti, grande cantor e amigo de Florianópolis, já fez um disco com esse nome. Por isso escolhi a canção ‘Amizade’ para encerrá-lo, como uma síntese do projeto, como a ideia do disco em si”, conclui a cantora.

* Carlos Calado é jornalista e crítico musical. Atualmente colabora com os jornais “Folha de S. Paulo” e “Valor Econômico”.

Faixa a Faixa:

 1. A VOZ DO BRASIL (Alegre Corrêa), 2. DÁJAZZ ( Lili Araujo),  3.PALPITE ( Lili Araujo), 4.GÁVEA ( Alegre Corrêa – Mácio Tubino), 5. MAIS UM DIA (Alegre Corrêa -  Lili Araujo), 6. GANGA ZUMBI (Alegre Corrêa -  Lili Araujo), 7. NO MUNDO INTEIRO ( Alegre Corrêa - Lili Araujo), 8.AMIZADE (Alegre Corrêa)

Sem comentários:

Publicar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo