ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

2/28/2020

Alice Guy-Blaché, pioneira do cinema, está na Mostra Imagem dos Povos-Mulheres

Alice Guy-Blaché
Alice Guy-Blaché não é um nome que circula por aí, nem mesmo na boca dos cinéfilos. Mas foi essa francesa quem criou o cinema de ficção. É dela o primeiro filme narrativo da história cinematográfica sendo pioneira na criação da linguagem cinematográfica, na direção de atores para cinema, na sincronização de som na projeção e na colorização da película.

O caminho de Alice até seu primeiro filme é resultado de bons encontros e sua formação. Filha de livreiro, gostava de contar histórias e até fez uma incursão no teatro. Mas os filmes entraram na sua vida quando em março de 1895, aos 22 anos, foi a uma demonstração do cinematógrafo dos irmãos Lumiére na Société d'Encouragement à l'Industrie Nationale e assistiu a um dos seus primeiros documentários - Sortie d'usine (Saída da fábrica).

Guy-Blaché era secretaria na Comptoir Général de Photographie que depois virou a Gaumont, a primeira companhia cinematográfica do mundo.  Visionária, pediu a Léon Gaumont, seu ;.chefe, para deixá-la usar uma câmera recém adquirida pela companhia.

Este permitiu, contanto que fosse fora do horário de trabalho. Pronto, nascia o primeiro filme de ficção da história do cinema - La Fée aux choux (A Fada do Repolho) lançado em maio de 1896. Escrito, dirigido e produzido por Alice Guy-Blaché.

O sucesso da recente invenção e da sua empreitada a fez imediatamente chefe de produção dos estúdios da Gaumont onde dirigiu, roteirizou, supervisionou cenários e equipamentos.

Em 1910, já nos Estados Unidos, se tornou a primeira mulher a construir e administrar seu próprio estúdio - o Solax Company em Fort Lee, New Jersey, e por mais dez anos revolucionou a nascente indústria. 

A direção de Alice ajudou a transformar atrizes de teatro como Olga Petrova, Alla Nazimova e Bessie Love em estrelas de cinema. Ela ensinou quase todos os grandes diretores da próxima geração de filmes, incluindo Étienne Arnaud, Victorin Jasset e Louis Feuillade, e os cenógrafos Henri Menessier e Ben Carré.

As mudanças na indústria do cinema impactaram sua companhia terminando por fecha-la. Alice retornou, então, a França em 1922 e por não conseguir trabalho passou a escrever histórias infantis com pseudônimos masculinos para sobreviver.
Alice Guy-Blaché

Durante décadas permaneceu esquecida até ser descoberta por historiadores do cinema. Por que se fala tão pouco sobre ela? “Muito do que Alice criou inclusive o próprio cinema de ficção foi creditado a homens contemporâneos dela e muitos dos seus filmes se perderam. Mas desde a década de 70 vem se tentando resgatar sua memória” explica Maiz Assumpção, uma das curadoras da Mostra Imagem dos Povos.

“A resposta  a esta pergunta  deve  ser buscada  no porque só cinco  mulheres diretoras foram indicadas ao  Oscar desde 1929, quando  essa premiação foi estabelecia,  ou no    porque  em pleno 2020 nenhuma mulher foi indicada a direção, despeito dos seus filmes terem obtido bons resultados de bilheteria e de critica” complementa  diz Tamara Braga também curadora da mostra .

O documentário “Be Natural”, narrado por Jodie Foster e lançado em Cannes em 2018, será exibido no Brasil pela primeira vez no primeiro dia da mostra, 08 de março. Não por menos, o dia internacional da mulher.

Abaixo, a programação completa da Seleção Alice Guy-Blaché, um dos programas do Imagem dos Povos Mulheres.

“Os filmes escolhidos para compor essa seleção são baseados na pesquisa rigorosa realizada por Alison McMahan. Suas listagens dos filmes de Guy são divididas em quatro categorias: Filmes do período Gaumont Film Company, Filmes Sonoros, Filmes da Solax Company e filmes de longa-metragem.Essa referência foi fundamental porque grande parte dos filmes foram destruídos e muitos são erroneamente atribuídos a ela” explica Tamara Braga.

Para completar a seleção, foram escolhidos ainda quatro outros filmes que contribuem para o entendimento desse período e do que imediatamente aconteceu na indústria com a entrada em cena de Hollywood.

A Fada do Repolho
1896, França, 51 seg

As escapadas de Pierrette
1900,França 2 min.

No Baile Floral.
1900, França, 2min

Dança Serpentina de  Lina Esbrard
1902, França, 1min 40 seg

Srta Dundee e seus Cães Performáticos 
1902, França, 3 min 28 seg

Performance de Madame Saharet “ Bolero”
1905, França, 2 min

Performance de  Dranem  “Chá das Cinco”
1905, França, 3 min

Performance de  Félix Mayol  “Perguntas Indiscretas”
1905, França, 1min24 seg

Performance de  Felix Mayol “La Polka des trottins”
1905, França, 2min 25 seg

Performance de Polin “A Anatomia de um Recruta”
1905, França, 2 min 22 seg

Alice Guy-Blaché Filma um Phonoscène
1905, França, 1,35 min

Espanha
1905, França, 10 min

A mulher pegajosa
1906, França, 2 min

O nascimento, vida e morte de cristo
1906, França, 33 min

As consequências do feminismo
1906, França, 7 min

O filho do guarda florestal
1906, França, 8 min

A senhora tem desejos
1907, França, 4 min

Uma heroína de quatro anos
1907, França, 5min 

A Cola
1907, França,4 min

A corrida de salsicha
1907, França, 4 min

A cama com rodas
1907, França, 4 min

O filho da barricada
1907, França.6 min.

Fazendo um Cidadão Americano
1912, EUA, 16 min

Algie,o Mineiro
1912, EUA, 10 min

Folhas que Caem
1912, EUA, 12 min

Uma casa dividida
1913, EUA, 13 min.

O Limite de velocidade do Matrimonio
1913, EUA, 14 min

O Oceano abandonado
1916, EUA, 42 min

Contextualizando Alice Guy-Blaché

Be Natural – A História não contada de Alice Guy-Blaché
2018,EUA,120 min, Livre
Direção: Pamela B. Green

O Jardim Esquecido: A vida e obra de Alice Guy-Blaché
1995, França, 53 min
Marquise Lepage

O que aconteceu com Alice Guy?
1975, França, 18 min
Ricolle lise Berheim

E a Mulher criou Hollywood
Julia Kuperberg, Clara Kuperberg
2016, França, 52 min.

A mostra “Imagem dos Povos – Mulheres” é realizada com recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte

Imagem dos Povos
Criada em 2005, é uma Mostra internacional de conteúdo audiovisual única no Brasil por ser realizada desde sua origem em múltiplas plataformas (cinema, televisão e web). Sempre buscando as tendências na produção e no mercado, exibiu mais de mil e trezentas produções, realizou seminários internacionais e workshops de excelência, estabelecendo parcerias com realizadores, festivais e fundos de financiamento e fomento, promovendo o intercâmbio de realizadores mineiros com artistas e produtores de mais de 60 países.

Seu foco é a difusão de conteúdos da diversidade cultural e humana, buscando enfatizar as temáticas contemporâneas.

A idealização, realização, direção e curadoria geral são de Tâmara Braga Ribeiro, Maíz d’Assumpção e Adyr Assumpção.

SERVIÇO:
Imagem dos Povos
De 08 a 19 março no MIS Santa Tereza (R. Estrela do Sul, 89 - Santa Tereza). Programação completa em: www.imagemdospovos.com
A programação é gratuita e os ingressos precisam ser retirados na bilheteria do MIS Santa Tereza antes das sessões.
*Programação sujeita a alteração sem aviso prévio.

Sem comentários:

Enviar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo