ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

12/07/2019

Documentário leva voz dos povos indígenas da América Latina à COP25

Imagem de Anápuáka Muniz Tupinamba Anápuáka por Pixabay 

Um forte recado dos povos indígenas da América Latina foi dado na manhã desta sexta-feira, 6, em Madri, na COP25, através do documentário Vozes Indígenas da América Latina: “nós somos o documento da Terra”. Com cerca de 30 minutos de duração, o documentário apresentado pelo Instituto Arayara, Coalizão Não Fracking Brasil e América Latina (COESUS) e 350.org Indígena, apresenta ao mundo a voz de 24 indígenas que representam os povos originários da Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru e Venezuela.

Dividido em cinco capítulos e todo em primeira pessoa, o audiovisual conta um pouco da luta milenar dos povos indígenas e dá um claro e forte recado à sociedade:  Enquanto houver um braço de rio, uma árvore em pé, uma floresta preservada, um animal vivo, o sol nascendo e da terra brotando o alimento.... nós, os povos indígenas e originários, estaremos lutando pela nossa Terra. Nós resistiremos às mudanças climáticas provocadas pela ganância desenfreada de vocês. E vocês, resistirão?”.

História dividida em cinco capítulos

O depoimento que abre o documentário é de Yaku Pérez que, eleito em 2019, tornou-se o primeiro indígena a estar à frente de uma prefeitura no Equador. Ele também é conhecido por ser um defensor da água e por sua militância anti-mineração no Equador. “A história dos povos indígenas é a história da violência, a história da espoliação, a história dos desencontros entre uma sociedade extrativista, mercantilista e capitalista que pretende, a fogo e sangue, despojar para entrar nos seus territórios, espoliar a mãe natureza, violar os direitos humanos, violar os direitos coletivos. E sem respeitar a consulta prévia, o consentimento prévio”. 

Yaku Pérez acrescenta: “Os povos originários são milenares. Os camponeses, os indígenas historicamente vivem sendo indígenas. E a cidade não pode viver sem os povos indígenas, a cidade não pode viver sem o campo. Porém, o citadino não se dá conta, as grandes metrópoles, as grandes corporações nacionais e transnacionais, que, ao destruírem os povos indígenas, estão destruindo a ecologia, estão se jogando no precipício, no despenhadeiro. Vivemos um choque das civilizações, uma civilização que busca interesses economicistas, e a outra que busca defender seus direitos, o direito à vida, direito à dignidade, direito à sobrevivência”.

São cinco capítulos que aprofundam o que diz Pérez: Mudanças climáticas; Água; Consulta prévia; Combustíveis fósseis; e Territórios.

“Esse documentário foi o trabalho de um ano inteiro indo nas aldeias e ouvindo as vozes dos diversos povos. Cada vez que mergulho na visão indígena percebo como nós, brancos, podemos ser melhores no combate às mudanças climáticas. Percebo o quanto precisamos aprender que somos parte da natureza e não que ela existe para nosso uso e comercialização”, diz Nicole Oliveira, diretora da 350 América Latina e que apresentou o audiovisual na COP.

Para Andréia Takua, coordenadora do Programa Indígena da 350.org América Latina, dar voz aos povos originários é fundamental para o futuro das novas gerações. "Nós, indígenas, temos uma ligação direta com a natureza, e esse documentário conseguiu retratar nossa visão. Queremos muito que o mundo veja o planeta com as nossas lentes, porque nós não podemos ficar reféns das indústrias. Respeitar o meio em que vivemos é dever de todos, afinal, as mudanças climáticas afetarão todos: índios e não índios". 

Confira o documentário: 

Sem comentários:

Publicar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo