ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

8/06/2019

Roda de conversa com a artista Tatiana Blass no MAP


Exposição "Mais dia, Menos Noite" surpreende que passa pelo museu na Pampulha

No próximo sábado, dia 10 de agosto, a artista Tatiana Blass juntamente com o curador Douglas de Freitas, estará presente no MAP (Museu de Arte da Pampulha) para uma conversa sobre a exposição “Mais dia, Menos Noite” em cartaz atualmente no espaço.

O bate papo, que também abordará outros assuntos dentro da arte contemporânea, acontece no auditório do museu às 15h e tem entrada gratuita.

Tatiana Blass - MAP-Daniel Mansur 

Sobre Mais dia, Menos Noite
O arquiteto Oscar Niemeyer teve uma noite para realizar o desenho do prédio do Cassino, por demanda do então prefeito Juscelino Kubitscheck, e assim complementar o Conjunto Arquitetônico e Paisagístico da Pampulha. O cassino funcionou de 1943 a 1946, quando passou a vigorar a proibição no país e, após mais de 10 anos de espera, este edifício tornou-se museu.

A edificação que hoje é o Museu de Arte da Pampulha recebe agora “Mais dia, menos noite”, instalação da artista Tatiana Blass. Na porta de entrada, um longo tapete vermelho recebe o visitante e se estende até um tear manual onde sua urdidura está presa. Do outro lado do tear, o tapete se desfaz pelo espaço e avança para o jardim da Pampulha, projetado por Roberto Burle Marx. A simbologia do tapete vermelho está intimamente ligada ao poder e ao luxo, ao glamour das noites de cassino.

Seguimos o tapete até o tear, e vemos sua construção dissecada; há um movimento dúbio, não sabemos se a peça se desmancha ou se ela está sendo construída. Parado, o tear acaba por desvendar o construir dessa forma, um ato que normalmente não se faz visível. Tatiana nos dá alguns elementos para insinuar uma existência, um movimento, e cabe a nós imaginarmos o restante.

Se outros trabalhos da artista sugerem um parêntese entre as coisas a fim de explicitar uma ação, ou uma presença através da ausência, aqui o tear se configura como o que está entre parênteses, dando materialidade a um elemento oculto.

Em uma primeira montagem da instalação, realizada em 2011 na Capela do Morumbi em São Paulo, a obra foi nomeada de “Penélope”. É do mito grego registrado na Odisséia de Homero que Tatiana Blass emprestava o nome para aquela versão da obra. Segundo o mito, após casarem, Odisseu deixa Penélope e parte para a guerra de Tróia. Muitos anos depois, sem notícias, Penélope passa a ser assediada por novos pretendentes, e assume o compromisso de escolher um novo marido quando terminasse de tecer uma mortalha para o pai de Odisseu. Durante o dia, aos olhos de todos, tecia; durante a noite, solitária, desmanchava na tentativa de enganar o tempo e iludir seus pretendentes, aguardando a volta de seu amado.

Transferida da pequena Capela, onde foi concebida, para se instalar no grandioso espaço do Museu de Arte da Pampulha, o trabalho ganha nova configuração, novo contexto e novas simbologias, e por isso um novo nome. Sempre em transformação, e sempre no meio do caminho, entre a forma e a não forma, a referência ao mito continua presente, e a idéia de suspensão do tempo, de espera, também se presentifica na Pampulha. É isso que vemos em “Mais dia, menos noite.”

Douglas de Freitas
Curador

Museu de Arte da Pampulha
Av. Otacílio Negrão de Lima, 16.585
Pampulha, Belo Horizonte-MG
(31) 3277-7996 | map.fmc@pbh.gov.br
Agendamento de visitas mediadas: map.educativo@pbh.gov.br
Alba Maria Fraga Bittencourt

Sobre a autora

Alba Bittencourt - Doutorada em Robertologia Aplicada e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e Administradora/Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Sem comentários:

Enviar um comentário

GALERIA DA LUSOFONIA

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES - Clique para ver o perfil