ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

5/27/2019

Roberto Carlos em Portugal 2019 | Efeitos colaterais de um concerto


Por: Armindo Guimarães

Em turné pela Europa, com concertos em Lisboa, Madrid, Gondomar (Porto), Londres, Paris, Bruxelas e Zurique, Roberto Carlos (78), continua igual a si próprio, atraindo multidões há precisamente 60 anos, quando em 1959 editou o seu primeiro 78 rpm com “Fora de tom” e “João e Maria”.

Estive presente no concerto realizado no Multiusos de Gondomar, no passado dia 25 de maio e, desta vez, sobre o concerto propriamente dito, que no que ao “set list” se refere pouco ou nada diferiu dos anteriores a que assisti, destaco precisamente a parte final, a do tradicional tris que apenas se verifica em terras lusas e que tanta estranheza, para não dizer ciumeira, causa a muitos dos nossos irmãos brasileiros que se
queixam que lá, em Terras de Vera Cruz, o tris nunca aconteceu e o bis raramente acontece. Mas não é esta particularidade do tris que eu queria realçar, mas sim uma das 3 músicas que Roberto Carlos interpretou nesse tris, ou seja, precisamente a última, cantada em espanhol a famosa “Solamente una vez” do compositor mexicano Agustín Lara e que mereceu do público uma forte ovação, só ultrapassada pela emblemática "Coimbra". A ovação foi tanta que dir-se-ia que pela primeira vez o tri iria dar lugar ao treta, mas não. No fim de contas até os reis precisam de um merecido descanso.

Mas o que mais me marcou neste concerto, foram os efeitos colaterais que lhe estão subjacentes, os fãs de carteirinha que fazem questão de marcar presença onde quer que o Rei tenha concerto, seja aqui, seja no outro lado do Atlântico. E não se pense que são poucos os que não olham a distâncias nem a meios para o acompanhar por esse mundo fora. Eles aparecem dos quatro cantos do mundo e tiram fotos para a posteridade, sempre tentando a sorte de uma rosa das mãos do Rei no final do concerto e a tão ambicionada visita ao camarim que é como que uma lotaria que só sai aos sortudos, sendo que nesse aspeto eu não me posso queixar pois já a ganhei uma vez (2015) e agora penso que a sorte devia calhar a uns quantos que tanto a merecem, mas a vida tem destas coisas, nem sempre merece quem tem e nem sempre tem quem merece.

Mas voltando aos efeitos colaterais neste concerto, além de os ter visto aqui e li, eu próprio passei por alguns inesquecíveis: o primeiro, foi ter dado de caras com o Nelo (Leonel Tavares), o meu amigo de infância que me meteu o bichinho do Robertocarlismo e que nos anos 60, no Porto, pediu ao Roberto para lhe autografar um enorme poster com a foto do Rei, poster que foi autografado com os seguintes dizeres: “Ao meu Amigo Leonel com um abração”, seguindo-se a data e assinatura. O Nelo logo me mostrou o poster e vendo que eu fiquei pelo beicinho, vai daí e ofereceu-me o poster. Este episódio consta no meu
livro “Roberto Carlos-Eduardo Lages | Conversas com a minha imaginação”. Depois do abraço e da foto da praxe com o Nelo, eis que me encontro com a setubalense há anos radicada na Alemanha, menina Natália Pires e sua filha Cátia Pires que, ao que constatei, se não é tão Robertodependente como a mamã, deve ser pior, se é que se pode ser pior de quem tem a Robertodependite Crónica, como é o caso da menina Natália Pires que nem o famoso Robertocalmex, lhe vale. Enquanto falávamos, a dada altura a menina
Cátia fica com ar de espanto porque, segundo me disse, pensava que eu só falava à moda do Porto por escrito, mas que afinal eu a falar falando, dizia carago e tudo. E eu pensei: “Há coisas do carago!”. E como se não bastasse o encontro com tais meninas que muito me emocionou (ver fotos), eis que me é apresentado pelas meninas o Luís Garção Nunes, namorado da Cátia e um dos elementos da Brigada Victor Jara, de que sou antigo fã e que no próximo mês de junho estarão em Moçambique para as comemorações do Dia de Portugal.

Estes efeitos colaterais passaram-me no exterior do Multiusos de Gondomar, onde sou abordado por um vendedor de chapéus e cachecóis alusivos ao Rei que ao ver a minha camisola com o logo do Portal Splish Splash e da junção dos brasões de Portugal e Brasil, sai-se com esta: “Ó pá, só te falta um chapéu para tapares a careca e um cachecol para te aqueceres neste inverno!”. Ri-me com a “boca” do gajo e pensei para os meus botões que ainda ninguém se tinha lembrado de vender às portas dos concertos do Roberto Carlos o famoso Robertocalmex que não tem contraindicações e faz bem ao Ego Robertocarlistico. Na certa que não iriam faltar compradores, com tantos Robertodependentes Crónicos a precisarem.

Faltavam 30 minutos para o concerto quando entrei no Multiusos. Depois de me certificar sobre o meu lugar na plateia, dirigi-me à frente do palco para ver se via malta conhecida. Mas em vez de ver, fui logo visto e foram beijos e abraços e o contar sobre este e aquele episódio robertocarlistico. As fotos falam por si. Concerto do Rei Roberto Carlos, é mesmo assim: o delírio Robertocarlistico.
Armindo Guimarães

Sobre o autor

Armindo Guimarães - Doutorado em Robertologia Aplicada e Ciências Afins e Escriva das coisas da Vida e da Alma. Administrador, Editor e Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre o autor...

11 comentários:

  1. Nossa, aguenta coração!
    Como não se emocionar ao ler esse belo texto e curtir as lindas fotos.
    Querido Armindo Gonçalves Guimarães, mereces todo o carinho que recebeste dos amigos, que jamais esquecerão os momentos que estiveram ao teu lado, podendo te abraçar e falar pessoalmente contigo...com certeza foi o delírio Robertocarlístico, quisera lá poder estar.
    Parabéns!
    Tu és o Cara!
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, menina Albinha! A menina Albinha não esteve lá mas nós pensamos e até falamos da menina. Obrigado por todo o carinho e apoio. Beijinho.

      Eliminar
  2. Amei tudo maninho, como sempre você faz tudo muito bem.Mas o danadinho do NMQT aí fez tris. Puxa vida não bastava o bis? Mas isso e sinal de que é querido mesmo e fico contente. Afinal ele , o Rei, é nosso. Brasileiríssimo da Silva... Agora as fotos, ah! as fotos... Quisera eu estar lá também tirando fotos com você. Parabéns pela matéria maninho. Te amo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maninha linda, tens que vir a Portugal assistir a um show do RC para teres um tris. eheheheh Beijinho. Te amo!

      Eliminar
  3. Que maravilha!
    Estar em Portugal num show do Rei, com essas pessoas queridas, é o melhor dos mundos!
    Vocês fãs portugueses merecem essa deferência do Rei.
    Muitas emoções ����

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado, amiga Ana Marques, pelas simpáticas palavras. Beijinho.

      Eliminar
  4. Muito lindo seu texto amigo querido Armindo,torci de coração pra sua ida ao camarim do NMQT,você merece d++++esse mimo, MANDO DE CA UM GRANDE ABRAÇO
    Malvina

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, menina Malvina! Eu já fui ao camarim uma vez. É claro que iria sempre que pudesse, mas por outro lado penso sempre naqueles que nunca tiveram essa oportunidade. Beijinho.

      Eliminar
  5. Obrigado, amigo CA. Grande abraço para si e para o nosso amigo Zé da Pipa.

    ResponderEliminar
  6. Amigo/padrinho/irmão...que falha da produção de RC. Vc deveria ser o convidado de honra dos shows, pela sua dedicação há décadas a esse mito MARAVILHOSO que é o NMQT. Confesso que de princesa azul como me chamam, fiquei verde e quase me transformei no Incrível Hulk (eheheheh), pois minha indignação foi enorme. Atualmente não fico mais com batatas quentes na boca pois elas se transformam em feridas, mas esse meu desabafo vai para a produção de RC que tenha uma nova visão de como os fãs verdadeiros do rei, aqueles que AMAM e não pensam na foto para se PROMOVER sejam melhor recebidos e não saiam tão frustrados. Uma mensagem ou uma rosa direcionada às pessoas com mais idade ou até mesmo,portadores de deficiências, poderia ser uma das alternativas para ter uma devolutiva de todo esse amor dedicado; fazer shows para a mais idade com público direcionado acima dos 60 anos, pois existe uma disputa desigual no momento de oferecer as rosas; jovialidade versus maior idade, muitas senhoras se machucam. Enfim, acho que deveriam estudar estratégias, pois os milhares de fãs que acompanham o cantor desde a Jovem Guarda, não conseguem ir ao camarim devido a uma loteria de influências. Sejam de amigos ou empresários ou de pessoas egocêntricas e individualistas, privam outras de conseguirem realizar o seu sonho...Se existe uma famosa lista de convidados, que seja mais analisada pelo assessor e se existe a necessidade em contemplar tais convidados, que seja em momento inverso, antes do show. Respeitamos a idade do rei e sabemos o quão difícil é receber as pessoas depois de 2 horas de show...mas fica o desabafo, pois toda essas ocorrências geram angústia e desesperança. Parabéns padrinho pela elegância de pessoa que é.

    ResponderEliminar

MÚSICA LUSÓFONA

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES - Clique para ver o perfil