ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

4/25/2015

Fãs de Roberto Carlos entrevistados pelo Portal Splish Splash – EVERALDO FARIAS


A pensar nos milhares de fãs de Roberto Carlos, espalhados pelo Mundo, o Portal Splish Splash achou por bem auscultar a alma robertocarlistica que por eles perpassa, dando início a uma série de entrevistas que, cremos, poderá de algum modo contribuir para uma melhor compreensão do motivo que leva tantos a admirar a obra de um cantor/compositor Brasileiro que ao comemorar 55 anos de carreira, não só consegue manter a fidelidade dos seus fãs que o acompanham desde o início da sua trilha poética e musical, como ainda, atrair muitos jovens que não conseguiram ficar indiferentes à obra daquele que, como disse o poeta, se mais mundo houvera lá chegara.

A selecão da série de entrevistas não obedece a nenhum critério relativamente a este ou àquele fã, foram obtidas por quem as irá publicar, ou seja, Armindo Guimarães, Carmen Augusta e Derbson Frota, de acordo com os contatos que possuem. Também a publicação, que acontecerá às terças-feiras e sábados, é aleatória, ou seja, não tem qualquer ordem em relação aos fãs. Todos eles admiram o rei Roberto Carlos e por isso todos nos merecem a mesma estima e a mesma consideração, independentemente de, muito naturalmente, podermos conhecermos melhor este ou aquele fã.

A entrevista que se segue é com Everaldo Farias, de Limoeiro, Pernambuco.

PORTAL SPLISGH SPLASH - Como começou a gostar do NMQT Roberto Carlos?

EVERALDO FARIAS - Em primeiro lugar, gostaria de dizer que é uma alegria muito grande fazer parte desta série deste Portal que acompanho há tanto tempo. É a primeira entrevista que concedo fora de meu Blog e isto me dá uma alegria maior. Sem falar, que todos sabem, nutro uma relação amistosa de vários anos pelo Armindo e sei que todos os brasileiros que o conhecem pensam como eu que se trata do português mais amado em nossas terras! Um grande abraço também ao meu amigo Derbson, ao grande Botttary e à queridíssima Carmem. Vamos lá: Acredito que desde os 4 anos, pois foi em 1984 quando Roberto lançou O caminhoneiro e dirigiu aquela belíssima máquina no especial daquele ano que chamou minha atenção. Meu pai era caminhoneiro e comprou o disco que eu também escutava e decorava a música. A partir dali, a cada ano, uma canção dele me chamava a atenção, até que em 1990, com o disco que tem Meu ciúme, que eu ouvia todos os dias, pois meu pai comprou uma fita cassete deste álbum, me defini como fã!

SS - Você se considera um grande fã? Por quê?

EF - Conheço pessoas que defino como grandes fãs e não acho certo me classificar como tal. Pessoas que já dormiram em rodoviárias, viajaram distâncias para vê-lo, colecionam tudo que o envolve e/ou sacrificam seus finais de semana para apresentar programas de rádio em sua homenagem. Então se formos classificar pelo grau de esforço, estou atrás destes, apesar de ser referência para outros que não o curtem tanto quanto eu. Não sou muito bom em me classificar em alguma coisa. Sou muito fã dele, posso ser uma referência para alguns, mas existem outros maiores, aos quais também reverencio.

SS - Se estivesse numa ilha deserta com o (a) amado(a), qual música do rei colocaria pra tocar?

EF - Bom, essa é uma pergunta que não cabe uma única resposta, visto que imagino uma situação romântica e canções de amor bem sucedido é o que não faltam no repertório de sua majestade: Como é grande o meu amor por você, Não quero ver você triste, Eu preciso de você, O grude, O amor é mais, De coração pra coração, Quero lhe falar do meu amor, Amor perfeito, Quando o sol nascer e tantas outras caberiam em uma cena assim.

SS - Roberto Carlos faz parte de sua vida? Como?

EF - Vira e mexe estou cantando ou assobiando alguma música dele. Tenho um projeto em que me apresento em asilos e nas festas da escola cantando seu repertório. E, vez por outra, estou garimpando notícias suas, embora já não tenha tanto ânimo quanto aos seus novos lançamentos.

SS - Cite uma história engraçada e/ou emocionante que já viveu relacionado ao rei Roberto:

EF - Sempre tenho contado histórias em meu Blog. Uma história engraçada que já foi contada foi quando consegui uma rosa de suas mãos. Antes de sair de casa, vislumbrei chegar perto do Roberto, mas não tinha nada para lhe presentear. Ai vi um terço que minha mãe pôs aos pés de Nossa Senhora e pensei: é este mesmo. Naquele ano, 2007, Eduardo havia me dado um ingresso vip e eu sentaria de frente ao palco. Quando ele começou a jogar as rosas, me dirigi ao lado oposto de onde ele estava entregando, pois lá o tumulto já era grande. Ao se virar para o lado direito do palco, só estava eu, com o terço na mão, estendido em sua direção. A “tromba” de pessoas (geralmente mulheres sedentas pelo rei) veio em minha direção e por pouco não cai. Ele jogou uma rosa para alguém, deu um “puxa-arrancos” (como dizemos aqui no Nordeste) no terço e colocou uma rosa em minha mão, que a escondi dentro da camisa, para não ser roubado e, titubeando em meus passos, sai do meio daquelas mulheres.

SS - Coleciona algo do rei? Se sim, cite exemplo(s):

EF - Tenho todos os vinis oficiais dele (não tenho o Louco por você, nem os compactos), todos os CD´s oficiais, DVD´s e também muitos vídeos de apresentações suas  aqui no Brasil e no exterior e nisso incluimos os especiais da globo. Não curto colecionar revistas, fotos ou recortes.

SS - Uma música que você sempre põe no “repeat”:

EF - São muitas e depende do momento. Eu não tenho uma que sempre repito, mas tenho muitas que não canso de repetir. Às vezes, a música até cansa, desgasta, mas depois de um tempo, voltamos a ouvi-la. E também, muitas vezes, descobrimos alguma que ainda não a ouvimos suficiente.

SS - Muitas são as músicas do repertório do rei e muitas são aquelas que ele há muito não canta. Que música gostaria que ele voltasse a cantar?

EF - Ele poderia renovar seu repertório que tá muito desgastado. Desde o show Amor sem limites (2000) que ele muda pouco. Sempre abre com Emoções, finaliza com Jesus Cristo. Emoções é uma belíssima canção, mas poderia mudar de posição pra fugir do óbvio da abertura. Ele tem outras belas mensagens e Aleluia ou Apocalipse poderiam ser boas pedidas para finalizar o show e não adianta dizer que elas são “menos” clássicas que Jesus Cristo porque qualquer coisa que ele cante de seu repertório soaria como clássico renovado. Aquele número de Detalhes no banquinho também tá saturado. Ele só sabe tocar ela? Sua estupidez ou alguma mensagem tipo A janela seria o máximo em um número assim. Queria vê-lo cantar Se você disser que não me ama, Nêga, O tolo, Eu preciso de você, Meu ciúme, Da boca pra fora, Um jeito estúpido de te amar, Não se esqueça de mim, tantas e tantas. Parece que Roberto só fez sucesso com Além do horizonte, Eu te amo te amo te amo, É preciso saber viver, Amor perfeito (que ele insiste em atribuir sucesso maior à Claudinha Leite) e Como é grande o meu amor por você, canções belíssimas, mas que já estão saturadas em seu repertório de tanto cantá-las!

SS - Se Roberto Carlos fosse almoçar em sua casa, o que prepararias?

EF - Bom, teria que preparar algum fruto do mar que está dentro de suas preferências né? Mas, já que ele voltou a comer carne, inistiria com o famoso bode, que Eduardo Lages já comeu e ficou por aí tirando onda, rsrsrsrs!

SS - Se fosse escolher para ouvir 10 músicas do rei, em ordem de preferência, quais seriam?

EF - Pergunta muito difícil. Também depende do momento. Mas, gostaria de ouvir: O grude, Todo mundo me pergunta, Se eu pudesse voltar no tempo, Poquito a poço, Se você disser que não me ama, Eu quero voltar pra você, Da boca pra fora, Perdoa, Você como vai?, Tente esquecer. E outras que fogem das clássicas que sempre ouvimos e presenciamos.

SS - Se tivesse a oportunidade de falar ao vivo com o rei, o que diria?

EF - Eu agradeceria pela felicidade que eu sentia, quando ainda menino e depois adolescente, de ir à loja de discos comprar o lançamento inédito anual, com os trocados que juntava de agosto a dezembro. Depois, pediria pra ele fazer uma música em homenagem aos professores, classe trabalhadora tão oprimida. Ele faria um belo country à Meus amores da televisão, sobre esse tema, junto ao Erasmo, penso.

SS - As músicas do rei não seriam a mesma coisa sem as respectivas letras. Independentemente da música, diga os títulos de três letras que mais o impressionam e porquê.

EF - O grude – é o máximo reconhecer que existe um amor que gruda e dá certo, em um tempo onde tantos trazem consigo verdades absolutas de que amor assim é algo ultrapassado; Cama e mesa – espetacular falar de sexo, um tema tão delicado e tão escancarado atualmente, com toda a elegância que o tema sugere e que só românticos e sensíveis alcançam este grau de plenitude como Roberto, Erasmo, Chico, Caetano e tantos outros conseguiram na música brasileira. Fera ferida -  alguns títulos das canções do Roberto sempre chamaram a atenção e vocês foram geniais ao abordarem isto. É o caso desta canção, por exemplo: algum desavisado pode pensar que se trata de mais um tema ecológico como tantos foram, mas grita a dor de um amor partido, coisas de gênios.

SS - O rei possui em torno dele uma vasta equipe, desde os elementos que compôem a orquestra (RC9), aos elementos da administração, assessoria de imprensa e apoio logístico. Com certeza você simpatiza por alguns desses elementos por os conhecer ou já ouvir falar. Cite quais e por quê.

EF - Bom, conheço o Eduardo Lages, é meu amigo e sempre dou palpites em sua obra. Na verdade, encho o saco do maestro pra gravar coisas que peço. Já insisti tanto com um disco de temas natalinos que Eduardo deve achar que tenho uma criação de renas para o velho Noel. Tenho a Jurema como amigos do face e a admiro muito. Já cumprimentei o Guto, o Aurino, a Suzana e o Wanderley em shows. As pessoas cobram muito da equipe, mas imagino que eles estão sempre sobrecarregados durante os shows, por isso, temo incomodar.

SS - O que mais gosta na personalidade do rei?

EF - Ele parece ser humilde e verdadeiro naquilo que canta. Ensina princípios que a família brasileira precisa seguir e que nunca estarão ultrapassados. É um instrumento afinado de Deus para com o mundo.

SS - O que gostaria que o rei mudasse nos seus usos e costumes?

EF - Queria que ele voltasse a gravar canções inéditas com mais frequência. Não é uma obrigação de sua parte, mas a cultura nacional precisa de canções assim. Não precisava ser todo ano, mas sempre tivéssemos novas canções para apreciarmos.

SS - Sabemos que o Everaldo Farias criou há anos o blog Música do Brasil com o objetivo, sempre louvável, de divulgar a música brasileira. Sabemos, também, que pese embora a tua atividade profissional, consegues sempre um tempo para o site, nunca o deixando desatualizado. Com tanta entrega, é caso para perguntarmos o que te faz correr.

EF - O Blog Música do Brasil foi criado a partir de uma necessidade particular de falar sobre música, o tema que mais curto. A base é o Roberto porque foi através dele que conheci os outros artistas, até aqueles que tem pouco ou quase nada a ver com ele. Isso é uma espécie de terapia, pois mesmo não trazendo uma verdade absoluta, trago opiniões que, ao menos pode levar a boas reflexões, por isso sigo, mesmo com a audiência não tão boa como antes.

SS - Se tivesse que escolher uma frase robertocarlistica do repertório do rei que mais se identificasse com você, que frase escolhia?

EF - “Eu vou subir a montanha e ficar bem mais perto de Deus e rezar...”. (A montanha, Roberto e Erasmo, 1972).

SS - Responda à pergunta que não fizemos e que gostaria que lhe tivéssemos feito.

EF - Como se sentiu participando desta entrevista e quem sugeria para entrevistarmos?
Fiquei feliz por ter sido lembrado para esta série. Gosto muito do Armindo e o que eu puder fazer para contribuir com este ser de tamanha paz, farei. Queria que entrevistassem o Adriano Thales, pra mim, o maior fã do rei no Brasil!



Entrevista conduzida por:
Armindo Guimarães
Facebook
https://www.facebook.com/armindo.guimaraes
Armindo Guimarães

Sobre o autor

Armindo Guimarães - Doutorado em Robertologia Aplicada e Ciências Afins e Escriva das coisas da Vida e da Alma. Administrador, Editor e Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre o autor...

4 comentários:

  1. Obrigado queridos amigos pela homenagem e pela postagem. Gosto tanto de vocês que me sinto muito honrado de figurar nesta série! Uma das melhores coisas da internet é isto: poder abraçar amigos que, talvez fisicamente, nunca os encontre, mas que habitam minhas orações todos os dias!

    Que Deus possa retribuir em saúde e paz todo o amor que dedicam a este site e toda atenção dedicada a mim!

    Abração!

    ResponderEliminar
  2. Obrigado pela lembrança, amigo Everaldo. Entrevista show! Parabéns por sua dedicação ao nosso RC e à música brasileira no geral.

    Derbson Frota
    Tianguá CE

    ResponderEliminar
  3. Nossa Armindo!! É sério também a doença no Professor Everaldo, a Robertodependite crônica, dado que jamais vi meu nome artístico - Bottary - o meu sobrenome na verdade é Botari - ser escrito com 3 ts(Botttary), eheheheheh!!!!!
    Ficou emocinonante a entrevista e o professor nos é também muito querido, e, volta e meia lá estou eu em seu Blog dando os palpites acerca dos conteúdos que nos enchem de conhecimentos do que há de melhor na MPB.
    Um grandioso abraço meu caríssimo Professor!!!

    ResponderEliminar
  4. Gostei muito do seu relato amigo Everaldo Farias e de sua sinceridade. Apesar de nos deliciarmos com todas as músicas do Rei, também acho que o repertório dos shows deveria ser mudado, desta forma ele voltaria a cantar as inesquecíveis canções que há tanto esperamos ouvir novamente. O episódio da rosa achei divertidíssimo. Apesar de nunca ter ido a um show, já ouvi inúmeros comentários que o momento da rosa, as pessoas se revelam...roubam, arrancam, atropelam e até mesmo xingam. Acho que nesse momento deveria haver uma atenção mais incisiva da produção, na minha opinião. Quem já tem rosa de shows anteriores, deveria dar espaço a quem não tem nenhuma. Outro ponto negativo, são as pessoas que visitam o camarim, deveria haver um critério especial, pois acaba chegando até RC sempre as mesmas pessoas... as pessoas depositam tanta esperança em chegar ao sonhado camarim, mas a dificuldade e disputa acaba ocorrendo rotineiramente. Na verdade, são milhões que querem chegar até seu ídolo, Roberto vai ter que fazer shows pelo menos mais 55 anos. Beijo sabor RC para todos...parabenizo mais uma vez a brilhante ideia do Portal Splish Splash nas entrevistas, conseguindo com isso a socialização e interação entre os fãs de Roberto Carlos. Não conhecia a música, O grude...fiquei curiosa...vou conhecer,rsrsr.

    ResponderEliminar

MÚSICA LUSÓFONA

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES - Clique para ver o perfil