Juliana Calderón comanda um cabaré espanhol no clipe “La Droga”

Do Texto: O novo single, “La Droga”, é uma amostra das línguas e linguagens potentes deste primeiro trabalho autoral...
Juliana Calderón

Faixa integra o álbum "Primeiro ato: Tectônica"

Cantora, compositora e atriz, Juliana Calderón segue unindo seus múltiplos talentos em uma sequência de lançamentos que irão resultar no álbum “Primeiro ato: Tectônica”, a ser lançado em 2023 pelo selo Relva Music. O novo single, “La Droga”, é uma amostra das línguas e linguagens potentes deste primeiro trabalho autoral, e chega acompanhado de um clipe cinematográfico onde Juliana dá vazão, também, à sua veia satírica.

Assista ao clipe “La Droga”


Ouça “La Droga”: https://ingrv.es/la-droga-ori-n  

“La Droga” é uma das canções em espanhol deste seu “Primeiro ato”. Alinhada às ideias de tensionamento interno e transformação que permeiam todo o álbum, proposto pelo conceito das placas tectônicas, Juliana Calderón satiriza o próprio sofrimento amoroso encarnando seu alter ego, uma versão burlesca e andaluz de si mesma, influenciada por sua ancestralidade espanhola, de Málaga. O videoclipe ganha a assinatura do diretor Fernando Gomes, responsável por inúmeros projetos em teatro e televisão, principalmente na TV Cultura. 

Quando o produtor musical do disco e da faixa, Marco França (que também atua no clipe), comentou com Juliana que Gomes era um exímio manipulador de bonecos, surgiu a ideia de produzir uma boneca marionete de Lola Calderón, confeccionada com sensibilidade e maestria pelo artista bonequeiro Dante. Através dessa união de talentos, o clipe narra o reencontro e a transformação de Juliana nessa persona dramática, com imagens captadas pelo Diretor de Fotografia, Fernando Lenox (que também assina a montagem), e potencializadas pela maquiagem criativa de Louise Helene.

Embalada por um piano desafinado e notas ritmadas de sanfona, “La Droga” transporta o ouvinte para um cabaré onírico, fora do tempo, em que personagens diversos se embriagam enquanto ouvem o lamento irônico da artista, sobre o vício em um grande amor perdido. A canção foi composta em uma fase melancólica em que Juliana se sentia “drogada” pela nostalgia de dois amores: uma pessoa com quem havia recém-terminado um relacionamento e, principalmente, a atriz dentro de si que ela havia perdido, simbolizada pela boneca no clipe. O projeto como um todo é uma ode ao seu amor pelo teatro, assim como um belo convite à reivindicação da liberdade de sermos exatamente quem desejamos ser, sem medo de parecermos românticos demais. 

A nova faixa vem na esteira da também imagética “Leoa Tectônica”, uma canção que dialoga com a força da mulher e da natureza e que ganhou um clipe dirigido pela própria artista. A composição aborda a complexidade e os paradoxos do arquétipo feminino, estabelecendo uma relação entre a história social da mulher e a condição do Planeta Terra, que apesar da devastação, continua girando. 

Assista ao clipe “Leoa Tectônica”: https://youtu.be/SG0ZFKGUktc 

“Leoa Tectônica” e “La Droga” estarão no álbum “Primeiro ato: Tectônica”, parte um de duas que serão lançadas com a estreia musical de Juliana Calderón. Os primeiros singles já estão disponíveis para streaming, e os clipes, no canal de YouTube da artista.

Sobre Juliana Calderón:
Juliana Calderón é cantora, compositora, atriz e comunicóloga especialista em Comunicação Não Violenta. Como cantora e compositora, esteve à frente de duas bandas: Granata (2014 a 2019) e Repentina (2016 a 2019), se apresentando em diversos espaços culturais conhecidos da cena musical independente de São Paulo.

Como atriz, se aprofundou em humor na SP Escola de Teatro e no método do Centro de Pesquisa Teatral (CPT) de Antunes Filho, através do CPTzinho, além de estudar na The London Centre for Theatre Studies e na Central School of Speech and Drama, em Londres, onde mergulhou intensamente na cena teatral e musical da cidade. Ainda no Reino Unido, participou de uma turnê de 3 meses com a premiada peça norte americana “The Clean House” e, de volta ao Brasil, foi dirigida por grandes nomes do teatro brasileiro, como Rodolfo Garcia Vasquez, Zé Henrique de Paula, Fábio Ock, Fernanda Maia e Antunes Filho.

Em 2021, Juliana iniciou o processo de produção do seu primeiro disco autoral solo, “Primeiro Ato: Tectônica”, com o produtor e premiado diretor musical Marco França. O projeto também inclui dois videoclipes e uma peça de teatro musical de auto ficção, todos roteirizados pela artista. Com estes lançamentos de altíssimo teor autoral, que misturam música, teatro e cinema, Juliana marca presença na cena cultural brasileira, revelando toda a sua multiplicidade artística.

Ficha técnica:
Single:
Letra, música e vocais: Juliana Calderón
Produção musical e arranjos (piano, clarinete, sanfona, violão e percussão): Marco França
Mixagem e Masterização: Eduardo Pinheiro
Videoclipe: 
Direção: Fernando Gomes
Direção de Fotografia: Fernando Lenox
Montagem, cor e finalização: Fernando Lenox
Letra e música: Juliana Calderón
Produção musical: Marco França
Roteiro: Juliana Calderón e Fernando Gomes
Direção de arte e figurino: Juliana Calderón
Maquiagem artística: Louise Helene
Assistente de Fotografia: Abelha
Atores: Marco França, Fabiana Fields, Manô, Gut Simon, Laiz França, Grace Iwashita, Daniel Perroni Ratto, Victor Cinquini, Guilherme Mameluco, Lua Negrão
Bonequeiro: Dante
Locação: Cabaret da Cecília 
Gestão e estratégia: Rodolfo Lacerda 
Produção executiva: Carolina Castellain 
Assessoria de Imprensa: Build Up Media 
Distribuição: Ingrooves 
Selo: Relva Music
Edição:  Fernando Lenox

Agradecimentos:
Cia da Revista
Kléber Montanheiro 
André Chacón
Marcus Leoni
Joyce Roma

Juliana Calderón na web:
Instagram
Youtube
TikTok 
Também pode ler:

Enviar um comentário

0 Comentários
* Gostou do que leu, viu e/ou ouviu? Então, para completar, só falta o seu comentário. Se não gostou, comente também. O autor agradece.

buttons=(OK!) days=(20)

Este site utiliza cookies para tornar a sua experiência melhor. Saiba mais
Accept !