ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

10/01/2020

Homenagem à primeira humorista negra de sucesso na TV brasileira, Marina Miranda

 

Primeira humorista negra de sucesso na TV brasileira, Marina Miranda, é homenageada com livro da Funarte

Primeira humorista negra de sucesso na TV brasileira, Marina Miranda, é homenageada com livro da Funarte


Marina Miranda - Além da 'Crioula Difícil', de Clóvis Corrêa, com Prefácio de Ricardo Cravo Albin, é lançado online em vídeo, dia 30 de setembro, no canal da Fundação 


A Fundação Nacional de Artes – Funarte lança o livro , de Clóvis Corrêa, tributo à comediante e cantora, que fez sucesso nas décadas de 1970 e 1980. O lançamento será num bate-papo com o autor, em vídeo no canal da Funarte no Youtube, na quarta-feira, às 17h. Hoje com 90 anos, Marina foi a primeira humorista negra que alcançou destaque na televisão brasileira – famosa ao lado do colega Tião Macalé, no quadro , do programa cômico . Com prefácio de Ricardo Cravo Albin, a narrativa-reportagem, apresenta a trajetória da artista, em teatro, cinema, rádio e TV. 


Marina Miranda iniciou a carreira nos anos 1950, cantando ópera na Rádio Nacional. Mas consagrou-se como intérprete de marchinhas, o que alavancou sua carreira de comediante. Ao todo, foram 70 anos de trabalho artístico. “Grande Otelo de Saias” e “Josephine Baker brasileira” foram algumas das expressões usadas para definir a atriz, no período de seu maior sucesso. 


Com base em entrevistas e documentos históricos, o autor traça um perfil de Marina e de sua caminhada profissional, tendo com como pano de fundo a história da televisão brasileira, e de artistas como o saudoso e hilariante Tião Macalé. Em 2019, Marina recebeu a Medalha Chiquinha Gonzaga, concedida pela Câmara Municipal do Rio de Janeiro a mulheres que se destacam na defesa de causas democráticas, humanitárias, artísticas e culturais. A atriz tem uma filha, Sylvia Miranda.

 

Atores lêem trechos da obra

O vídeo de lançamento conta com as participações da atriz Maria Ceiça e dos atores Deo Garcez e José Araújo, cada um lendo um trecho do livro. Na conversa, Clóvis Corrêa cita episódios do itinerário de vida e carreira de Marina e, ainda, histórias de bastidores da produção do livro, fruto de um esforço de pesquisa, dada a pouca quantidade de informações disponíveis sobre a artista. Entre as fontes, o autor menciona os acervos do jornal A Noite e da TV Rio, além de entrevistas com o produtor e ator Haroldo Costa e o compositor João Roberto Kelly, entre outros. O vídeo ficará disponível no canal da Funarte também após o lançamento.


Ricardo Cravo Albin, Bruno Mazzeo e Tom Farias comentam:

“Marina começou por onde raríssimos negros têm a coragem de se iniciar: o canto lírico, quase sempre objeto de preconceitos culturais e artísticos. E sobretudo raciais” comenta o musicólogo e pesquisador Ricardo Cravo Albin, no prefácio. O estudioso acrescenta que, a artista se consagrou como cantora de marchinhas interpretando “os folguedos mais simplificados e mais amados pelas ruas e pelo povo simples”. Para Cravo Albin, foi a conexão direta com a “grandeza da miscigenação brasileira” que alavancou a carreira de comediante de Marina. “O personagem que ela construiu na televisão, apresentando-se como a 'Crioula Difícil', terá sido das mais corajosas afirmações pessoais. Conquistou todo um país ao lado de Tião Macalé, fazendo do célebre programa Balança mas Não Cai um ícone da era do rádio, a perfeita transposição para a então ainda iniciante televisão”. 


“Uma história contada com arte e doçura, técnica e respeito ao personagem tem tudo para encantar e seduzir o leitor. Este, sem dúvida, é o ponto alto de ,[...] sobre uma das mais importantes atrizes e comediantes da história da teledramaturgia brasileira. Não é por menos que, na empolgação da leitura, rimos e nos emocionamos de uma maneira muito especial com uma história de vida envolvente, seus altos e baixos, suas alegrias e choros”, ressalta o jornalista e escritor Tom Farias. “Escalada para a televisão, os papéis cômicos moldaram a sua carreira, transformando-a, como se dizia à época, na 'Grande Otelo de saias'. É sobre esta Marina Miranda – referência pelo seu largo sorriso, sua voz marcante e seus belos turbantes na cabeça – que se debruça, com competência, Clóvis Corrêa”, diz o jornalista. 


Bruno Mazzeo, no texto de contracapa, comenta: “Marina Miranda é parte do imaginário de quem, como eu, viveu a infância ali pelos anos oitenta e começo dos noventa. Eu sei, ela continuou frequentando humorísticos (e novelas) de sucesso. Mas é que minhas memórias me remetem a quando era criança e começava a descobrir minha paixão pelo ofício que seguiria pela vida. Ficava vidrado naquele desfile de astros que passavam por programas como  e , em que a dupla Marina Miranda/Tião Macalé brilhava no deboche. 'Ô, Crioula Difícil', dizia o parceiro antes de finalizar com o seu “Nojento, tchã” — um marco do humor politicamente incorretíssimo.”.


O autor

Dramaturgo, roteirista e produtor cultural, o jornalista carioca Clóvis Corrêa trabalhou em rádio e TV. Escreveu para os jornais Papo Teatral, Metrô Press, O Pontual e O Globo. Através da Fábrica de Dramaturgia Domingos de Oliveira, começou a escrever textos teatrais, em parceria com Alexandre Morcillo. Suas primeiras peças foram:  e a adaptação do livro , de Márcio Souza. Foi coautor da montagem infantil  e das comédias ,  e . No cinema, foi roteirista do curta-metragem , dirigido por Ricardo Brasil para o projeto . 


Edições Funarte em 2020

É o primeiro de quatro livros que a Fundação Nacional de Artes planejou para 2020. Eles continuam a tradição da Funarte de difundir os itinerários de nomes consagrados da atividade artística, além de livros técnicos na área, por meio da Gerência de Edições do Centro de Programas Integrados da entidade. As três outras publicações a serem lançadas até o fim do ano são: manual para piano, de Claudio Soares – ; coletânea de contos de Susana Fuentes –; e , de Danielle Zill, umestudo sobre esse estilo de música e dança. 


SERVIÇO: 

Lançamento do livro Marina Miranda - Além da “Crioula Difícil” de Clóvis Corrêa 

Edições Funarte 

168 páginas 

Formato: 16x23cm 

ISBN: 978-85-7507-207-3 

Bate-papo com o autor: dia 30 de setembro, quarta-feira, às 17h 

Acesso gratuito, no canal: www.youtube.com/funarte 

O vídeo ficará disponível no canal da Funarte também após o lançamento. 

Encomendas para todo o Brasil 

Livraria Mário de Andrade (Funarte): 

livraria@funarte.gov.br 

Preço: R$ 30 

Sem comentários:

Publicar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo