ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

9/01/2020

Views:

Sou Profissional de Educação Física, com muito orgulho!

Escolha um trabalho que você ame e não terás que trabalhar um único dia em sua vida

“Escolha um trabalho que você ame e não terás que trabalhar um único dia em sua vida”


Por: Prof. Paulo Lopes 

Confúcio buscou retratar nesta frase o privilégio de quem consegue gerir o seu sustento através da profissão que optou por paixão e eu sou apaixonado pela EDUCAÇÃO FÍSICA. Contudo, discordo quando ele refere-se em “não terás que trabalhar um único dia em sua vida”, pois acredito que, por ser Profissional de Educação Física por opção e amar o que faço, trabalho muitas horas do dia e muitos dias por semana, porém esse trabalho não me causa desânimo e cansaço, consigo trabalhar com alegria e satisfação. Não vejo o “sextou” como a despedida eufórica de uma rotina entediosa e desagradável, mas sim como uma pausa para recarregar as energias e usufruir um merecido descanso com a família e amigos e estar pronto para uma nova rotina de trabalho que se iniciará na segunda-feira.

Motivação é uma janela que se abre de dentro para fora, pois só consigo estimular a motivação (seja ela pessoal ou de terceiros) e nunca motivar alguém. Estudos comprovam que a motivação se dá por dois fatores: os intrínsecos (paixão) e os extrínsecos (necessidades). Imagine com qual motivação trabalharemos sendo apaixonados pelo que fazemos (fatores intrínsecos) e suprindo as nossas necessidades de sustento (fatores extrínsecos) através deste trabalho... o céu será o limite!

Procuro desenvolver um Mindset muito positivo com relação a minha profissão. Acredito que o Profissional de Educação Física está evoluindo e se aperfeiçoando muito. Aquela “velha aula” de Educação Física, onde o professor “jogava a bola” para os alunos e ia para a sala dos professores “tomar cafezinho” está cada vez mais distante da nossa realidade. Aquele profissional que elabora os seus treinamentos através do empirismo, já não convive mais em nossas academias...Hoje encontramos excelentes Profissionais de Educação Física em Escolas, academias, universidades, somos gestores de sucesso, estamos inseridos em equipes de projetos, somos muito bem representados na áreas da dança e da saúde enfim, estamos buscando, cada vez mais, honrar aquele belo juramento que fizemos no dia da nossa formatura.

Mas, como nem tudo na vida são flores, acredito que devemos desenvolver o nosso corporativismo. Pensar mais no coletivo e menos no individual, pois o crescimento da profissão alavancará o crescimento pessoal. Não é mais admissível, no âmbito de academias, disputarmos os clientes, pois se apenas 4% da população frequenta academias regularmente (ACAD, 2017), por que não nos unimos para “conscientizarmos” a população da importância do exercício físico para a saúde e aumentarmos esse índice tão baixo? Somos o único país do mundo em que a nossa profissão é reconhecida e devemos isso ao nosso Conselho, agora se não estou satisfeito com o serviço prestado, devo buscar uma representatividade que compactue das mesmas ideias e, na hora do voto, mudar o que acho não estar certo. Denunciar o exercício ilegal da profissão é uma obrigação, não apenas denunciar, mas acompanhar o desenrolar da denúncia.

Sou muito grato aos grandes profissionais que “organizaram a casa”, àqueles que lutaram pela aprovação da LP 9696/98 e tornaram realidade o sonho do Profissional de Educação Física. Desejo contribuir para as próximas gerações fazendo com que a sociedade entenda o valor da nossa profissão e percebam a responsabilidade que temos e o orgulho que sentimos sendo PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA.

Parabéns, colegas, pelo nosso dia!

*Professor Esp. Paulo Lopes
- CREF:3080 G/RS
- Graduado em Educação Física (UFRGS 2001)
- MBA em Gerenciamento de Projetos (UNILASALLE 2015)
- Pós MBA em Inteligência Emocional nas Organizações (UNILASALLE 2019). Leia Mais sobre o autor...

Sem comentários:

Publicar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo