ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

7/06/2020

Nos 40 anos sem Vinicius de Moraes, obra do "Poetinha" é revisitada em três lives

Vinicius de Moraes

Saudades do Poeta

Nos 40 anos sem Vinicius de Moraes, Kiko Continentino e Lucynha Lima revisitam sua obra em três shows online


O amor e a saudade são ingredientes presentes em boa parte das criações de Vinicius de Moraes, que deixou a vida e fincou bandeira na eternidade no dia 9 de julho de 1980, com uma obra riquíssima, cativante e transformadora. Na semana em que se completa 40 anos sem o “poetinha”, o pianista Kiko Continentino, do lendário grupo Azymuth e da banda de Milton Nascimento há mais de 20 anos, e a cantora e educadora Lucynha Lima apresentam o projeto "Saudades do Poeta", com três shows online ao vivo em homenagem a esse grande nome da arte e da cultura brasileira, nos dias 6, 9 e 11 de julho, sempre às 19h, via Facebook e Instagram.

Lucynha Lima e Kiko Continentino - Crédito Fotográfico Maysa Moreno
Kiko e Lucynha interpretam um apanhado das composições do poeta com alguns dos seus parceiros mais ilustres, retratando assim as suas diferentes fases. “Vinicius foi peça fundamental em importantes momentos de nossa música e teve sua vida marcada por grandes transformações”, destaca Continentino.

- A sua obra é uma narrativa completa e perfeita de um importante recorte da cultura popular brasileira – ressalta Lucynha.

O projeto conta com o apoio de nomes de peso da música que conviveram com o poeta, como Roberto Menescal, Carlos Lyra e Marcos Valle.

A programação se inicia na segunda-feira (6/7) com Vinicius Jazz, no qual Kiko Continentino improvisa no piano temas do homenageado, fazendo uma releitura jazzística de sua obra. Na quinta-feira (9/7), Lucynha canta Vinicius: a cantora interpreta algumas das parcerias do poeta com Tom Jobim, Carlos Lyra, Edu Lobo e Baden Powell, acompanhada por Kiko Continentino. E no sábado (11/7), encerrando a programação, a dupla apresenta Vinicius para crianças, show voltado ao público infantil, com algumas das canções do álbum “A Arca de Noé” (1980), feito em parceria com Toquinho, entre outras parcerias. Os artistas sugerem ao público a contribuição de ingresso solidário, no valor ao alcance de cada um, por meio da plataforma de financiamento coletivo em www.catarse.me/saudadesdopoeta.

Uma semana para relembrar e celebrar a vida do poeta que tanto contribuiu para que a música brasileira fosse ouvida nos quatro cantos do mundo. Para assistir às apresentações, acesse www.instagram.com/kikocontinentino ou www.facebook.com/kiko.continentino

Sobre os artistas:
Kiko Continentino é pianista, tecladista, compositor, arranjador e produtor musical brasileiro. Com 8 álbuns autorais lançados, faz parte do renomado Azymuth desde 2015 e vem atuando ao lado de Milton Nascimento, com quem gravou diversos CDs e DVDs, participando de projetos dos mais relevantes para a cena mundial, contribuindo também com arranjos e parcerias. Tocou em todos os cantos do mundo, do prestigiado Carnegie Hall em NY ao Festival de Montreux na Suíça, dividindo palco e estúdio com alguns dos maiores nomes da MPB, jazz e da pop music, como Djavan, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Maria Bethânia, Marcos Valle, Edu Lobo, Chico Buarque, Toninho Horta, Leny Andrade, Emílio Santiago, Ivan Lins, Elza Soares, Tim Ries (dos Rolling Stones), Hélio Delmiro, Nivaldo Ornelas, Mauro Senise, Paulo Russo, Didier Lockwood, Wayne Shorter, Dave Liebman,Ron Carter, Billy Cobham, Eumir Deodato, Os Cariocas, Claudio Zoli, Ivete Sangalo, Erasmo Carlos, Lô Borges, Arthur Maia, Fernanda Abreu, Seu Jorge, Criolo, Zélia Duncan, entre muitos outros artistas excepcionais. Seu nome é citado na obra de escritores e críticos como Ruy Castro, José Domingos Raffaelli, Luiz Orlando Carneiro, Carlos Calado, Roberto Muggiatti, Chico Amaral, Arlindo Coutinho, Willie Woopper (Japão), Mark Houlston e Brian Zorak (EUA), entre muitos outros. Hoje, além de seguir na estrada com a banda Azymuth e, eventualmente, com Milton Nascimento, dirige projetos próprios, como o Seu nome é citado na obra de escritores e críticos como Ruy Castro, José Domingos Raffaelli, Luiz Orlando Carneiro, Carlos Calado, Roberto Muggiatti, Chico Amaral, Arlindo Coutinho, Willie Woopper (Japão), Mark Houlston e Brian Zorak (EUA), entre muitos outros. Hoje, além de seguir na estrada com a banda Azymuth e, eventualmente, com Milton Nascimento, dirige projetos próprios, como o Seu nome é citado na obra de escritores e críticos como Ruy Castro, José Domingos Raffaelli, Luiz Orlando Carneiro, Carlos Calado, Roberto Muggiatti, Chico Amaral, Arlindo Coutinho, Willie Woopper (Japão), Mark Houlston e Brian Zorak (EUA), entre muitos outros. Hoje, além de seguir na estrada com a banda Azymuth e, eventualmente, com Milton Nascimento, dirige projetos próprios, como o “Chansong – A música de Tom Jobim e Michel Legrand”, com participação e bênção de Paulo Jobim, filho do maestro soberano.

Lucynha Lima é cantora, educadora musical, preparadora vocal e regente de coral. Especialista em canto popular, há anos vem atuando em projetos ligados ao choro, samba, bossa e jazz. Seu primeiro álbum, “Lucynha Lima & Sambar é Bom”, contém onze faixas com canções autorais misturadas às canções do projeto “Sambar é Bom – conta a história do samba”, em parceria com Kiko Continentino. Em maio de 2015, recebeu a Moção de Honra, no Prêmio “Carioquice Feminina” dos 450 Anos do Rio, na Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro, pelos trabalhos como cantora e educadora musical. Ao longo de sua trajetória, participou de importantes projetos como “Caravana Vinícius de Moraes”, “Kiko Continentino Canções”, o “Show APAExone-se” e seu espetáculo Solo no Teatro Municipal de Niterói em 2015, para citar alguns, o que lhe colocou ao lado de grandes nomes da música como Jane Duboc, Maurício Maestro, Laudir de Oliveira, Altay Veloso, Simone Guimarães, Arthur Maia, Leo Gandelman e Filó Machado, entre outros. Estrelou no show “Lucynha canta Caymmi”, acompanhada por Chiquito Braga, e mais recentemente, no espetáculo “Chansong”, em parceria com os artistas Kiko Continentino, Valerie Lu e Marcello Ferreira, que teve sua estreia em março de 2019, rodando por vários palcos brasileiros.

Sem comentários:

Publicar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo