ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

7/10/2020

Cabelo Cobra Coral lança "Luz com trevas" em live


Apresentação ao vivo acontece em 11 de julho, às 18h, nos canais online da Cerveja Praya. Disco autoral, disponível desde 18 de junho nos aplicativos, é o primeiro solo do artista visual, poeta e músico, que esteve à frente da icônica banda Boato, nos anos 1990.


"Luz com Trevas" nasceu como uma exposição, se transformou em um show e virou um álbum. Agora é a vez de Cabelo Cobra Coral e seu primeiro disco solo estrearem no universo das lives: sábado, dia 11 de julho, às 18h, acontece a primeira apresentação ao vivo desde que o álbum foi lançado, em 18 de junho. A transmissão é pelos canais da Cerveja Praya no YouTube, Facebook, Instagram e Twitch. Neste formato, mais intimista, Cabelo vai ter a seu lado Maurício Negão (guitarras e cavaquinho) e o DJ Nado Leal, que são da formação da banda original. 

SOBRE "LUZ COM TREVAS"
Por: Fred Coelho

Cabelo Cobra Coral faz arte para os cinco sentidos. Seu novo trabalho, "Luz com Trevas" (Som Livre / MP,B Discos), é a síntese sonora disso. A transformação permanente de papéis – de exposição a disco, de artista visual a músico – é sua marca autoral, refletida também nas faixas que inauguram novas dimensões de sua obra. Com mesmo nome do álbum que apresenta agora, a exposição, lançada em 2018 com curadoria de Lisette Lagnado, foi a manifestação fundamental para a existência deste primeiro disco solo, marcado pela sua diversidade de mídias, meios e mundos. Se na sua exposição ele convidou o xamã ianomâmi David Kopenawa, o músico, poeta e filósofo urbano Marcelo Yuka e o cineasta Emílio Domingos (além de ogans, barbeiros que "deixam na régua", poetas de slam e dançarinos), no álbum Cabelo transforma essas conversas e estéticas em trilha sonora de um tempo que nos isola e nos obriga a pensar para além da rotina acelerada que sempre vivemos.

A trajetória musical de Cabelo passa pela banda Boato durante os anos de 1990 e se desenrola por diversos formatos. Para quem conhece sua obra visual, escutará (e enxergará), em suas letras, obras de arte que se tornaram canções, poemas que viraram letras de música e também se transmutaram em trabalhos plásticos como os ovos-bomba, esculturas-pinturas que anunciam a iminência da explosão-nascimento de outros seres em gestação. O disco "Luz com Trevas" segue essa troca constante de linguagens que sempre ocuparam o multiartista. Para ele – poeta, artista visual e músico – um trabalho como esse é fruto de sua relação orgânica com o ritmo e a poesia. Seu disco é mais uma marca da diversidade de gêneros, timbres, arranjos e dicções que povoam o imaginário verbi-voco-visual do artista. 

Cabelo é um erudito popular, personagem das fronteiras cariocas, artista de amplo conhecimento, tanto em bibliotecas quanto em encruzilhadas. Se "Luz com Trevas" é fruto de uma longa trajetória, seu resultado sonoro resultou do encontro e parceria com Kassin e Nave, dois produtores destacados no meio musical brasileiro. Com seus teclados e programações, fizeram a poesia urbana de Cabelo ganhar qualidade e invenção no diálogo com diferentes sonoridades contemporâneas. 

O disco, gravado por Mauro Araújo no estúdio Marini, mixado por Arthur Luna e masterizado por Ricardo Garcia, abre com a faixa "EXUberância", um canto para Exu evocado pelos tambores e toques de santeria de Léo Leobons. Em seguida, Cabelo percorre vários caminhos dentre as batidas eletrônicas dos beats acelerados e graves nervosos de funks com "Conheci Você", sobre um amor entre uma moça e um mototaxista, surgido numa corrida para um baile funk; a faixa-título, "Luz com Trevas", traz a força da poesia contra os podres poderes do Império, entremeada por um o violão dedilhado e uma batucada hipnótica em transe; a poderosa "Raio de Amor", parceria com os velhos amigos Pedro Luís e Beto Valente, dedicada a Davi Kopenawa; o rap "Ladainha do Morto", poema de Gerardo Mello Mourão, pai do artista visual Tunga, grande amigo e parceiro de Cabelo, onde desfilam personagens históricos e anônimos, com a repetição do refrão "morreu por mim", mais atual do que nunca. Na pegada pop de "A Perna da Boneca", o autor propõe um passeio pelas ruas e quebradas cariocas, acompanhando as aventuras e desventuras de uma criança de rua,  com direito a assovio impecável de Milton Guedes; na sequência, a crônica urbana de "Abusada"; o trip hop chapado e inspirado em "Je Vous Salue Marie", com participação luxuosa de Nina Becker nos vocais; e, para fechar, o típico samba de partideiro com "Vovô Vai Voltar", que traz o violão de Rogério Caetano e o cavaquinho e a percussão de Pretinho da Serrinha. 

Como um colecionador de fragmentos da vida material e espiritual, Cabelo injeta em suas letras uma densa trama de informações. Suas canções atuais constroem personagens para serem não só ouvidos, mas também incorporados. Eles são espectros que a poesia de Cabelo cria em som e palavra. Ouvindo cada uma delas, vamos de Cafarnaum a Copacabana, da subida do morro ao mundo do além. Atravessamos as ruas da cidade ligados nas suas entidades e personagens anônimos. Cabelo fala de sabenças populares, de vidas livres e abusadas, de crianças solitárias que saem todo dia "pra batalhar a janta", dos aprendizados nos terreiros e com os povos da floresta contra o horror do "boi, bíblia e bala", de visões em plena madrugada onírica "indo do nada pro lugar nenhum", de uma vida em que "a água que o peixe nada é a mesma que bebe a égua". Todos os mundos e seres relacionados, todas as ordens questionadas, todas as histórias contadas pelo seu olho-cinema atento durante a deriva. 

Em "Luz com Trevas", Cabelo evoca novamente sua presença performática, fazendo cada vez mais com que o corpo do artista seja também o do músico e o do poeta. Sem separações – na verdade, nunca as reivindicou – e sem limites para fazer sua obra funcionar, seu disco é parte ativa dos ambientes que ele vem montando nos últimos anos, assim como suas exposições sempre contam com apresentações suas e de convidados. O que ele canta reverbera o que se vê e vice-versa. 

"Luz com Trevas" não é apenas o primeiro e mais do que esperado disco de Cabelo, porque ele vai além desse fato já por si histórico. Ele é um trabalho precioso e necessário para ser ouvido neste momento de perplexidade em que vivemos. Suas canções nos dão potência e poesia na mesma medida, nos fazem dançar e refletir, nos deixa acesos e sinistros. O brilho das trevas e o escuro da luz. Porque, para Cabelo, todo dia é do fim pra frente. 




FICHA TÉCNICA
CABELO COBRA CORAL - CD "LUZ COM TREVAS"

FAIXAS
01 - EXUberância (Cabelo / Leo Saad / Léo Leobons)
Cabelo: voz
Kassin e Nave: programação e teclados
Nina Becker e Nave: coro 
Léo Leobons: percussão e voz

02 - Conheci Você (Cabelo / Beto Valente / Gui Guimarães / Jean Beyssac)
Cabelo: voz
Kassin e Nave: programação e teclados

03 - Luz com Trevas (Cabelo / Leo Saad / Fabricio Oliveira)
Cabelo: voz
Kassin e Nave: programação e teclados
Milton Guedes: assobio

04 - Raio de Amor (Cabelo / Pedro Luís / Beto Valente)
Cabelo: voz
Kassin e Nave: programação e teclados

05 - Ladainha do Morto (Cabelo / Gerardo Mello Mourão)
Cabelo: voz
Kassin e Nave: programação e teclados

06 - A Perna da Boneca (Cabelo)
Cabelo: voz
Kassin e Nave: programação e teclados
Milton Guedes: assobio

07 - Abusada (Cabelo)
Cabelo: voz
Kassin e Nave: programação e teclados

08 - Je Vous Salue Marie (Cabelo)
Cabelo: voz
Kassin e Nave: programação e teclados
Nina Becker: voz

09 - Vovô Vai Voltar (Cabelo)
Cabelo: voz
Kassin e Nave: programação e teclados
Rogério Caetano: violão 7 cordas
Pretinho da Serrinha: cavaquinho e percussão
Tainá Machado: voz 

Produzido por Kassin e Nave 
Gravado por Mauro Araújo no Estúdio Marini
Gravações adicionais: Felipe Areas
Mixado por Arthur Luna
Masterizado por Ricardo Garcia no Magic Master
Direção de arte e design gráfico: Barrão e Merah Studio
Fotografia: Rafael Meliga
Desenhos: Cabelo
Produção executiva: João Mário Linhares / Rosa Melo (1ª fase das gravações)
Instagram: @cabelocobracoral

Cabelo Cobra Coral - Luz Com Trevas (Lyric Vídeo)

Sem comentários:

Publicar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo