LightBlog
>

ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

3/04/2020

4 áreas onde têm menos mulheres ensinando


Você sabia que só em 1887, 387 anos após o descobrimento, o Brasil teve a sua primeira mulher graduada no ensino superior? Foi nesse ano que Rita Lobato Velho Lopes se tornou médica pela Faculdade de Medicina da Bahia. A quebra de padrão foi tão grande que exigiu mudanças na estrutura da universidade, que até então não contava com banheiros femininos. Durante as aulas de anatomia, que envolviam o contato direto com corpos, ela precisava ser acompanhada por outra mulher – que devia ser, obrigatoriamente, casada.

De lá para 2020, muita coisa mudou, a passos lentos, mas progrediu. Com o passar dos anos, a fatia do mercado de trabalho ocupada pelas mulheres aumentou. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), menos de 14% das mulheres tinha emprego nos anos 1950, e o último censo (2010) mostra que esse número passou para 49,9%. 

Apesar desse crescimento, grande parte das mulheres ainda tem que passar por dificuldades que muitos homens não encontram, tais como o equilíbrio entre atividades domésticas versus o emprego fora de casa e a diferença salarial. Dentro desse panorama, elencamos* abaixo as quatro áreas onde ainda há, proporcionalmente, menos mulheres ensinando e representantes que fizeram e fazem a diferença: 

Economia – A participação feminina nessa área corresponde a pouco mais de 23% do total de registros, segundo dados do Conselho Federal de Economia (Cofecon). Porém, um avanço e impulso para mulheres que desejam fazer parte desse universo é Elinor Ostrom. A economista ganhou em 2009 o Prêmio Nobel de Economia, se tornando a primeira mulher da história a conquistar a honraria e, até o presente momento, a única, por sua “análise da governança econômica, especialmente sobre os bens comuns”.

Administração – De acordo com pesquisa realizada pela consultoria Talenses e pelo Insper em 2019, entre presidentes de empresas no país apenas 13% são mulheres. Uma das mais poderosas mulheres do país, Luiza Helena Trajano, seguiu na contramão de sua época. Quando assumiu os negócios da família, a Magazine Luiza era apenas uma rede de lojas no interior de São Paulo. Com Luiza a frente, a marca se transformou em uma das maiores redes de lojas de varejo do Brasil.

Programação – O último Censo do IBGE (2010), mostrou que apenas 22% dos alunos eram mulheres nas turmas de ciência da computação. Mas percebemos uma maior movimentação nessa área por conta de organizações criadas para incentivo e desenvolvimento a Programa Elas, Minasprogramam e a Pyladies. Talvez inspiradas por Ada Lovelace, primeira programadora da história, que desenvolveu o primeiro algoritmo para ser processado por uma máquina, no século XIX, antes mesmo do surgimento dos computadores.

Física – As mulheres representam 49% da população mundial, mas somente 28% do total de cientistas. Mesmo assim, elas continuam lutando. Um grande exemplo é a física Marie Curie, que conquistou dois feitos relacionados ao Nobel: foi a primeira mulher a obter o prêmio (Nobel de Física) em 1903, assim como a primeira pessoa a ser recebê-lo duas vezes. Em 1891, foi estudar em Paris, pois nenhuma faculdade da Polônia, seu país natal, aceitava mulheres. Na capital, tornou-se a primeira mulher com um título de doutora na França. 

*Dados baseados no aplicativo Shapp, que reúne professores que desejam ensinar à alunos que querem aprender além da sala de aula.

Sem comentários:

Publicar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo