LightBlog
>

ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

1/22/2020

Rugas no colo: Conheça as 5 principais causas e saiba como tratá-las


Dra. Beatriz Lassance expõe as principais causas do aparecimento precoce das rugas no peito e explica como funcionam os procedimentos estéticos capaz de amenizá-las.

São Paulo – 21/01/2020 - Normalmente damos muito foco à pele do rosto e acabamos por negligenciar a pele de outras áreas do corpo, como a do colo, por exemplo. O colo é uma área de pele mais fina e susceptível aos danos ambientais. Para tratar as rugas do local, o primeiro passo é detectar o motivo do aparecimento dos sinais de envelhecimento. A Dra. Beatriz Lassance, cirurgiã plástica, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, aponta as cinco causas mais comuns:

Envelhecimento intrínseco: Ninguém está imune ao passar do tempo. Por isso, é natural que uma das causas do envelhecimento da pele do colo se dê pela idade. “O processo natural de envelhecimento do corpo causa uma diminuição gradual de colágeno e elastina, levando a linhas finas mais visíveis e perda de firmeza”, explica a Dra. Beatriz Lassance.

Cigarro: “É de conhecimento geral que fumar faz com que a pele de todo o corpo mostre sinais prematuros de envelhecimento, incluindo rugas, linhas finas e descoloração. Se você fuma, corte o hábito o quanto antes”, recomenda.
Ressecamento: À medida que envelhecemos, nossa pele passa a retardar o processo de criação de óleos naturais. “Ocorre diminuição de glândulas sebáceas e a pele se torna mais ressecada. Por isso, é recomendável a utilização de cremes hidratantes específicos para a área”, afirma.

Hábitos de dormir: “As chamadas sleep lines também podem aparecer no colo. “Após anos e anos dormindo na mesma posição, os vincos temporários podem se tornar permanentes. Para evitar, procure variar a posição de dormir e tente dormir com as costas na cama sempre que possível.”

Exposição solar: Os raios do sol aumentam a produção de radicais livres na pele, causando o chamado fotoenvelhecimento. “Há diminuição da produção de colágeno, aumento de manchas e aumento da incidência de câncer de pele. Os raios ultravioleta são uma das principais causas de rugas precoces na pele. Para evitar, use um protetor solar diariamente e em dias de maior exposição ao Sol reaplique a cada 2 horas”, completa a Dra. Beatriz.

Tratamentos

Existem muitas opções de tratamentos para as rugas na região do colo. A cirurgiã explica abaixo:

Bioestimuladores: Indicado para flacidez leve e irregularidades superficiais da pele, o procedimento consiste na injeção de substâncias, como a hidroxiapatita de cálcio e o ácido polilático sob a derme, onde vão causar uma inflamação controlada com consequente estímulo da produção de colágeno. “Feito em consultório, o produto é injetado sob a derme, com agulhas muito finas ou microcânulas. Não há necessidade de afastamento das atividades habituais e o resultado final começa a aparecer entre 4 a 6 semanas após o procedimento.”
Laser CO2 fracionado: “A aplicação do laser estimula a produção de colágeno, melhora as manchas. Podem ser necessárias mais de uma sessão com intervalo de um a dois meses.”

Microagulhamento: “São produzidas microperfurações na pele, estimulando a produção de colágeno e promovendo o rejuvenescimento. Além de melhorar o aspecto das rugas no colo, melhora a textura da pele. A quantidade de sessões é avaliada de acordo com cada caso.”

Radiofrequência: “Os aparelhos de radiofrequência promovem, de forma rápida e pouco dolorosa, o aquecimento da pele, o que estimula o tecido a produzir colágeno, provocando retração e melhora da flacidez. O resultado final é visível de um a dois meses após o procedimento, podendo variar de paciente para paciente. Podem ser necessárias várias sessões”, finaliza a médica.

FONTE: DRA. BEATRIZ LASSANCE, Cirurgiã Plástica formada na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e residência em cirurgia plástica na Faculdade de Medicina do ABC. Trabalhou no Onze Lieve Vrouwe Gusthuis – Amsterdam -NL e é Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, da ISAPS (International Society of Aesthetic Plastic Surgery) e da American Society of Plastic Surgery.

Sem comentários:

Publicar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo