ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

10/18/2019

VIOLA PERFUMOSA - uma homenagem a Inezita Barroso


Coletivo formado por  Ceumar, Lui Coimbra e Paulo Freire lança seu primeiro CD  no Teatro Prudential, na Glória

O VIOLA PERFUMOSA, coletivo formado por três dos mais expressivos "cantautores" contemporâneos, Ceumar, Lui Coimbra e Paulo Freire, finalmente lança no Rio seu primeiro CD após uma série de shows em São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre e Curitiba. Homenageando uma das mais emblemáticas artistas da música popular brasileira, Inezita Barroso, o disco foi considerado por uma junta dos cinco maiores críticos de música do país como o MELHOR DISCO de 2018 ( Jornal Zero Hora ). Neste show, os três artistas cantam e se dividem tocando todos os instrumentos: viola, violoncelo, rabeca, violões e percussão.

O VIOLA PERFUMOSA resgata e recicla a genialidade e a sofisticação das melodias e da poesia da música que se convencionou chamar “caipira”, compondo um mosaico do Brasil “de dentro”, “dos interiores”, ressaltando a singularidade desta obra poético-musical, iluminando a importância da presença feminina na música sertaneja de raiz.

Você já assistiu ao programa Viola, Minha Viola? E a música “Luar do Sertão”, conhece? “Tamba-Tajá” também? Tais obras ganharam corpo com Inezita Barroso, a “dama da música caipira”. No decorrer de seus 90 anos, a intérprete de “Lampião de Gás” deu-se toda à cultura interiorana, à admiração e ao respeito enormes por aquilo que está distante do urbano, aquilo que se encontra no “de dentro”. Mesmo após sua morte, em 2015, inspirações e tributos não cessaram. Entre os intentos potentes dedicados a Inezita, destaca-se o Viola Perfumosa, reunião de Ceumar, Lui Coimbra e Paulo Freire.

O encontro certo
Viola enluarada, quebrada, “marvada”… Muitas são as facetas do instrumento-símbolo que se colocou como estandarte do dito raiz. Esse caleidoscópio rural chegou a Ceumar, Lui e Paulo de formas distintas. A moça da Serra da Mantiqueira ganhou, há tempos, uma caixa de CDs de Inezita. Escutou, escutou de novo e uma vez mais. Encanto firmado. O carioca Lui conheceu grande parte do repertório da senhora Ignez por causa do pai mineiro de Ouro Fino, ouvinte assíduo. Herança paterna, portanto, a afinidade instalou-se no músico, hoje amante do folclore. Já o paulistano Paulo, ainda menino, influenciado pela leitura de Grande Sertão: Veredas (1956), embrenhou-se Brasil adentro, trilha pessoal que muito o liga à homenageada.

Profundo e além
O resgate de lembranças é elemento intrínseco ao sorver da obra em questão. Trata-se de ir às entranhas do país e de si próprio, visitar lugares e emoções que, por vezes, são postos à margem. “São músicas que moram no coração e na saudade de muita gente”, comenta Ceumar. Fora que atrelar sentimentos assim a expressões que vêm do povo é um jeito afiado de ser contra uma espécie de preconceito ainda em vigor – a insistência em virar o rosto para o que não nasce no rol do eruditismo. “Somos feitos da cultura popular – ela é uma riqueza nossa. Queremos que todos notem isto: a maravilha que é fazer parte dessa tradição”, diz Lui.

Inezita Barroso, com propriedade, sentia e engrossava o fascínio desse pertencimento. Lado artístico alinhado à pesquisa, estudou, pisou o barro, pôs as botas para andar, proseou sem fim. Como Mário de Andrade e Heitor Villa-Lobos, esmiuçou o terreno das notas coletivas; mas nem por isso vestiu-se com um ar acadêmico pesado. Ao contrário. Com humor, apertava feridas, rasgava os problemas na vista de qualquer um. 

“Ela carregava a força de quem luta pelo que acredita – e é independente”, frisa Paulo. São essas amálgamas, tantas e tantas, que os integrantes do Viola Perfumosa recuperam. Um retornar aos olhos que enxergam a nobreza no chão, no cotidiano, no simples. No Brasil longe da costa. Um percurso cujo efeito é, no final, possuir você também um pouco de terra e mar.

"O que o Viola Perfumosa traz é grande música, beleza, afeto e delicadeza, um antídoto para o espinhento Brasil de hoje."  ( Juarez Fonseca - Jornal Zero Hora )
"Viola Perfumosa é o grande disco de 2018,  com cinco citações nas listas de oito críticos,  o álbum destaca-se entre os lançamentos do ano." ( Jornal Zero Hora )

"Ceumar perfuma com voz límpida o toque da viola em disco que refina o universo caipira de Inezita Barroso." ( Mauro Ferreira - G1 - O Globo online )
"Viola Perfumosa é sertanejo mais puro, de alto nível artíustico." ( José Hamilton Ribeiro - Folha de São Paulo )

"Humor e bom astral estão presentes ao longo das 13 músicas de Viola Perfumosa." (Folha de São Paulo)

"Mais que uma homenagem a Inezita Barroso, o disco é um tributo ao Brasil profundo, à diversidade musical brasileira – engana-se quem pensa se tratar de um disco de música sertaneja ou música caipira, pura e simplesmente: é uma viagem pela diversidade rítmica do país, entre toada, moda, guarânia, calango, coco."  ( Zema Ribeiro )

FICHA TÉCNICA - SHOW
CEUMAR : voz, violão e percussão
LUI COIMBRA : voz, violoncelo, violão e rabeca
PAULO FREIRE : voz, viola caipira e contação de causos
Idealização e Concepção do Projeto: Renata Grecco
Direção Musical: Lui Coimbra
Arranjos e roteiro: Ceumar , Lui Coimbra e Paulo Freire
Fotos : Leo Aversa
Produção : Circus Produções, Aquarela Carioca Produção de Arte,  As 3 Produções

SERVIÇO:
VIOLA PERFUMOSA - Viola Perfumosa - Ceumar + Lui Coimbra + Paulo Freire - uma homenagem a Inezita Barroso
Dia - 23 outubro, quarta-feira,  às 19h
Local: Teatro Prudential  
Endereço: Edifício Manchete - Rua do Russel, 804 – Glória  -Tel: 3554-2934
Ingressso: Inteira R$ 60-Estudante R$ 30-Sênior R$ 30-
PPNE R$ 30-
Prof.Munic.Rj R$ 30
Desconto 50% - Giro Metrô R$ 30
Desconto 50% - Prudential R$ 300
Duração: 80 minutos (aproximadamente)
Censura: 18 anos

Sem comentários:

Publicar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo