ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

9/18/2019

Um Bate Papo com a Fundadora e Curadora do AFRICA SALON, Ifeanyi Awachie

Crédito: Carla Van de Puttelaar - Ifeanyi Awachie, 
um enorme  "peixe" em um grande  "lago'
Por: Tâmara Oliveira Santana
https://www.portalsplishsplash.com/p/tamara-oliveira-santana.html

Ela é jovial, inteligente, graduada em Literatura Inglesa pela Yale University, umas das instituições de ensino mais prestigiosas do planeta, Mestra em Cultura Global e Indústrias Criativas, com trabalho final de pesquisa  em Música e Filme Africanos pelo SOAS – University of London - referência mundial em estudos da Ásia, África e Oriente Médio. Nascida na Nigéria, aos 18 meses de vida imigrou com a família para os EUA onde foi incentivada desde cedo pelos pais a dedicar-se aos estudos e aproveitar ao máximo a alta qualidade educacional de algumas tradicionais entidades educacionais nos EUA. Lançou o livro Summer in Igboland (2015) onde conta seu retorno à Nigéria como adulta, um livro de memórias com fotos modernas, e depoimento emocionante. Atualmente mora em Londres onde exerce as funções de assistente de curadora no aclamado Instituto de Arte Contemporânea – ICA e de curadora no AFRICA SALON, projeto que iniciou na época de estudante em Yale University  se tornou em 2018 um festival cultural oficial reconhecido pelo governo britânico com o intuito de divulgar a cultura atual dos mais diversos países africanos. Com a jovialidade de uma mulher que nasceu para brilhar, Ifeanyi Awachie nos conta sobre sua participação na Feira Preta no ano passado em São Paulo, da sua relação de amizade com a ex Ministra da Cultura na Colômbia, Paula Marcela Moreno Zapata apontada pela emissora britânica BBC como uma das 100 líderes mulheres mais influentes no mundo. Com vocês, Ifeanyi Awachie.

Crédito: Lauren McDermott  "Gente é para brilhar"-  por isso a importância de projetos 
como AFRICA SALON que dão vozes a incontável número de artistas ao redor do planeta


PSS- Você foi para os EUA com 18 meses de idade onde cresceu e  teve  boa parte da sua formação. Você se define uma norte -americana?
IW- Defino-me como nigeriana e norte americana, porque cresci em um lar com uma forte cultura nigeriana, falamos inglês em casa, mesmo porque a língua oficial na Nigéria é Inglês,  mas meus pais continuam a falar um com o outro em igbo (uma das 521 línguas faladas na Nigéria). 

PSS- Como foi retornar ao seu País de origem após tantos anos?
IW- Foi uma experiência surpreendente, é muita emoção, tem um continente africano que as pessoas não conhecem. A África atual vai muito além das tragédias, do local de pobreza que os veículos de comunicação se habituaram a mostrar. Fiquei surpresa com tanta beleza, vivacidade na Nigéria, por isso decidi escrever “Summer in Igboland” para descrever o vivo e rico cenário da atualidade na Nigéria.

PSS- Seus pais gostaram de “Summer in Igboland” ?
IW- Não posso falar que todas as famílias nigerianas são assim, não recebemos como filhos  tantos elogios positivos por parte de nossos pais, arrisco em dizer que  eles leram meu livro, gostaram mas nada falam.

PSS- Você participou da Feira Preta/2018 em São Paulo, o painel que você fez parte abordou sobre “A importância da Diversidade na Curadoria” (Ifeanyi dividiu a mesa com Judith Kelly, diretora do festival WOW/ Reino Unido e Ismael Ivo – Diretor do Balé da Cidade de São Paulo). O que achou do evento?
IW- A Feira Preta é válida para mostrar a importância e o poder da etnia negra no Brasil. Senti que uma boa parte do público da Feira Preta, está  muito ligado a história da África no passado, exploraria um pouco mais a África da atualidade, com seu cenário musical, sua vida noturna, sua indústria fashion  super aquecida.

PSS-Você criou ainda como estudante o AFRICA SALON, pode explicar um pouco sobre?
IW- O AFRICAN SALON UK é um festival reconhecido pelo governo do Reino Unido em 2018, e tem como foco divulgar a cultura da África em diferentes aspectos na atualidade, um espaço onde pessoas assim como eu que fazem parte da diáspora africana podem expressar suas manifestações artísticas. O AFRICA SALON começou no meu tempo de estudante em Yale e hoje é uma marca registrada no Reino Unido, estou MUITO contente, temos atividades já marcadas em Toronto / Canadá e cidades do Reino Unido.

PSS- Você é amiga da ex Ministra da Cultura da Colômbia, a indicada pela BBC como uma das 100 líderes mulheres influentes no mundo, a engenheira Paula Marcela Moreno Zapata, onde a conheceu?
IW- Conheci Paula na época em que ela foi estudar em Yale, depois de um tempo ela montou o grupo “Afroinnova” onde reúne negras e negros de diferentes países para discutirem e desenvolverem projetos culturais  em torno da diáspora africana ao redor do mundo.

PSS- No tempo em que ficou em São Paulo o que achou da cidade?
IW- São Paulo é uma cidade cosmopolita que lembra grandes centros, achei as pessoas hospitaleiras, é uma mistura de um pouco de locais pelos quais passei, passeei e morei. Em alguns locais a pobreza é aparente, o metro que te leva facilmente de um ponto a outro da cidade te remete a grandes cidades mundiais como Londres. Senti falta de representatividade de negros nas áreas mais abastadas, se duvidar eu era a única negra naquele momento no hotel onde estava hospedada, precisa-se de mais representatividade de negros consumindo bons produtos, em bons locais como clientes, consumidores.

PSS: Obrigada!
IW- É um prazer.

Para adquirir o livro Summer in Igboland, visite:
Quer  acompanhar a programação completa do AFRICA SALON UK?
Instagram: @africasalon
Tâmara Oliveira Santana

Sobre a autora

Tâmara Oliveira Santana - Redatora do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Sem comentários:

Enviar um comentário

COPIE O SEU EMOTICON E COLE NOS COMENTÁRIOS


👍😀😁😄😇😉😊😋😌😍😎😏😐😕😘😛😞😤😥😧😩😭😮😰😴🐞🐢👄💗💙👻👽🎃🎄🎅🎂🍺🍻🍹🍷

VARIAÇÕES EM A DISTÂNCIA (PARTE 2 DE 2)

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES - Clique para ver o perfil