ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

6/23/2019

Mundial de futebol feminino - Brasil perdeu (2-1) com a França


Por: Carlos Alberto Alves
https://jornalistacarlosalbertoalves.blogspot.com/

Depois de se classificar para as oitavas-de-final com o mesmo número de pontos da Itália e da Áustria, o Brasil, que apenas perdeu para estas duas seleções pela diferença de golos (daí o terceiro lugar), já sabia o que lhe esperava, ou seja, uma das duas "pedreiras", Alemanha ou França. No pior cenário, coube-lhe a França. E dizemos pior cenário porque a França joga em casa e isso, quer queiram quer não, tem algum peso.

O BRASIL - FRANÇA - Para o Brasil problemas diminuídos com o regresso de Formiga que cumpriu um jogo de castigo, não tendo, por isso, defrontado a Itália. Outro pormenor: Formiga atua no PSG e conhece bem o futebol francês neste escalão em que também está inserida.

Nos primeiros momentos deste importante jogo, notou-se um Brasil tranquilo, não se impressionando com o ambiente que se vivia fora do gramado. De facto, a torcida francesa entusiasmada com a carreira da sua seleção e consequentemente, neste esgrimir com o Brasil, compareceu em número bastante significativo. E isso já era esperado.

E, como se previa, em termos de jogo-jogado, a França entrou a pressionar, mas, por outro lado, o Brasil espreitava sempre o contra-ataque com aquela velocidade que a caracteriza, mormente quando esse contra-ataque começa a passar pelos pés de Marta. Por outro lado, o sector defensivo denotava confiança e o consequente acerto.

Mas, quando menos se esperava, a França chegou ao golo, num lance dividido com a goleira Bárbara. Foi mais forte a jogadora francesa, sempre importante em lances desta natureza. Parece-nos, também que a goleira do Brasil saiu mal. Mas, consultando o VAR, a juíza canadense anulou o golo, entendendo que houve falta sobre a goleira do Brasil. Melhor para o Brasil e para Bárbara que, até ali, estava em excelente plano. Retire-se, pois, no lance, o erro de Bárbara. Não segurou a bola porque foi tocada pela adversária. Tudo esclarecido pelo VAR. Uma fase em que o Brasil estava muito focado no jogo, discutindo-o palmo-a-palmo a partir dos vinte minutos, no esgrimir com uma seleção francesa que dizem ser a principal candidata ao título. Dizem... Mas foi notório a forma eficiente em como o Brasil anulou as principais pedras-basilares da França.

O SEGUNDO-TEMPO -  Deu logo para se concluir que o Brasil continuava a diminuir todos os espaços, evitando assim que a bola chegasse nas melhores condições às atacantes francesas, sempre perigosas quando desfrutam de liberdade para seguir em direção à baliza adversária.

Aos 52 minutos, porém, a França quando encontrou espaços pelo lado direito, levou o perigo até junto da baliza do Brasil e na oportunidade Gauvin fez o golo. Bárbara não conseguiu desviar a bola que veio muito tensa. Um golo que levou os espectadores franceses à loucura.

E como o Brasil estava vivo no jogo, de seguida uma bola na barra transversal da baliza francesa. Momento de grande "frisson". O Brasil merecia melhor sorte pela sua atitude de não se inferiorizar perante o ambiente que o rodeava. E o Brasil chegou ao empate por intermédio de Thaisa  aos 63 minutos. Um belo lance gizado pelo lado esquerdo do ataque brasileiro. A bandeirinha levantou a bandeirola assinalando "off-side", mas o VAR indicou que o lance foi legal.

Com o Brasil a chegar ao empate, o jogo redobrou de entusiasmo e de mais empenhamento das jogadoras de ambos os lados, isto porque o Brasil, como dissemos no início, jogava de igual-para-igual. Muita tensão dentro e fora do gramado.

Aos 70 minutos, sai Ludmila e entra Beatriz.

Aos 74 minutos,  Andressinha rendeu Formiga.

O Brasil teve, aos 85 minutos, um golo anulado, em remate certeiro de Thamires que, contudo, estava em posição irregular. Nem foi preciso consultar o VAR.

Aos 88 minutos, entrou Daiane e saiu Letícia Santos.

E com cinco minutos de acréscimos, já pairava o espectro da prorrogação e, claro, que as forças já começavam a faltar para ambos os lados.

E o Brasil partiu para a prorrogação sem ser inferior à França. Esta a grande verdade.

A PRORROGAÇÃO - Aos 95 minutos, saiu Cristiane (lesionada) e entrou Geyse, jogadora que atua no Benfica de Lisboa.

Mesmo em cima da hora para a mudança de campo, Debinha desfrutou de uma soberana oportunidade de golo, contudo, lance que foi salvo "in-extremis" por uma defensora francesa.

No segundo-tempo deste tempo extra, restava saber se o Brasil aguentaria no aspecto físico, nomeadamente Marta. 

E o pior para o Brasil aconteceu logo no primeiro minuto com a França a fazer o 2-1., golo da capitã Henry. Um lance de bola parada, situação que as francesas são muito perigosas.


Na verdade, o Brasil acusou fisicamente, o que era previsível. Muito correram estas meninas durante os primeiros 105 minutos e, pelo que fizeram, dignificaram o futebol brasileiro. Nunca se deixaram inferiorizar. Em suma, o Brasil fez uma grande partida e sai deste Mundial de cabeça bem erguida. E há que dizer que o Brasil sofreu com problemas de lesões nesta campanha. 
Carlos Alberto Alves

Sobre o autor

Carlos Alberto Alves - Jornalista há mais de 50 anos com crónicas e reportagens na comunicação social desportiva e generalista. Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Colabora semanalmente no programa Rádio Face, da Rádio Ratel, dos Açores. Leia Mais sobre o autor...

Sem comentários:

Enviar um comentário

MÚSICA LUSÓFONA

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES - Clique para ver o perfil