ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

5/01/2019

Negligenciada por muitos, dores nas costas prejudicam dia a dia do trabalhador brasileiro


Problema foi a segunda maior causa de afastamento do trabalho no Brasil em 2017 e o desconforto é explicado pela falta de hábitos saudáveis no dia a dia

Um problema comum e muitas vezes negligenciado. A dor nas costas foi a segunda maior causa de afastamento do trabalhador brasileiro em 2017, de acordo com a Previdência Social. Foram 83,8 mil casos durante todo o ano, o que acende um alerta para o problema que atinge muitos brasileiros diariamente. 

Estudos conduzidos pela Organização Mundial da Saúde apontam que cerca de 80% das pessoas no mundo têm ou terão algum tipo de dor nas costas durante a vida. De acordo com Luciano Miller, ortopedista especializado em coluna da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein, essas dores podem ser atribuídas a diversos fatores, como falta de exercícios físicos, sobrepeso, tabagismo, horas gastas no trajeto de deslocamento ao trabalho e a falta de ergonomia no ambiente laboral. “O que mais prejudica a coluna durante o período de trabalho são as posturas inadequadas como trabalhar com cadeiras sem apoio, computador em altura inadequada, carregar pesos sem proteger a coluna e muita tensão no trabalho”, comenta o especialista. 

O médico acredita que, atualmente, possa existir uma epidemia de dor nas costas como consequência à rotina mais atribulada a que os trabalhadores brasileiros estão se submetendo, reduzindo cada vez mais o tempo dedicado às atividades físicas. “A dor nas costas é mais comum na idade adulta em virtude do início da degeneração dos discos e articulações. Levar uma vida saudável e não negligenciar o sintoma de dor nas costas no início é a chave para evitar o problema”, explica.

As dores que acometem a região das costas são sintomas e não uma doença. De acordo com o especialista, na maioria dos casos são autolimitadas com melhora com repouso e medicações analgésicas. Poucos casos podem ter uma evolução mais complexa como exemplo hérnia de discos volumosas. Nessas ocasiões, os sintomas podem persistir por mais de três meses e a intensidade é forte o suficiente para fazer com que a pessoa desperte durante a noite. 

O uso de smartphones também prejudica a coluna. “A posição em flexão de nossa cabeça - lembrando que nossa cabeça pesa em torno de 5kg e quando inclinamos ela para frente pode aumentar para até 30kg - sobrecarrega os ligamentos dos músculos e discos causando dores crônicas também”, comenta.

O tratamento dessas dores varia dependendo da causa, mas em geral a adoção de hábitos mais saudáveis como praticar exercícios físicos, fazer alongamentos, controlar o peso e diminuir o nível de tensão podem ser a saída para amenizar o desconforto.

Sobre a Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein

A Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein é uma sociedade civil sem fins lucrativos. Tem mais de 60 anos de história e atua nas áreas de assistência à saúde, educação e ensino, pesquisa e inovação e responsabilidade social. Conta com 13,2 mil colaboradores, 9,4 mil médicos e está sediada em São Paulo. O Einstein possui o Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social (CEBAS) e é qualificada como Organização Social da Saúde para atuar na prestação de serviços no Sistema Único de Saúde (SUS). Seu compromisso com o desenvolvimento amplo do sistema de saúde se traduz na oportunidade de melhoria e na construção de novos modelos de trabalho ajustados aos desafios atuais. O Einstein integra fóruns nacionais e internacionais de discussão e participa ativamente de iniciativas conjuntas com o poder público, órgãos reguladores, hospitais, operadoras de planos de saúde e entidades setoriais para o desenvolvimento do sistema de saúde brasileiro.
Alba Maria Fraga Bittencourt

Sobre a autora

Alba Bittencourt - Doutorada em Robertologia Aplicada e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e Administradora/Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Sem comentários:

Enviar um comentário

GALERIA DA LUSOFONIA

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES - Clique para ver o perfil