ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

12/09/2018

Roberto Carlos e a Lei Rouanet: mais um fake contra o rei

O rei Roberto Carlos (Foto: divulgação)
Por Derbson Frota

Estamos vivenciando no mundo, especialmente no Brasil, um dos maiores países consumidores de Internet no planeta, um boom incalculável dos fake news, notas mentirosas que se alastram com uma velocidade inimaginável. O referido termo, que em português quer dizer notícias falsas, tem o objetivo claro de denegrir pessoas sem o menor escrúpulo. Os fake news criam boatos e reforçam uma ideia por meio de mentiras e disseminação de ódio. Ninguém escapa dessa onda criminosa: pessoas anônimas, políticos e artistas.

Um desses artistas que está sendo vítima das notícias falsas é Roberto Carlos. Segundo postagens já compartilhadas por milhares de pessoas nas redes sociais, o rei teria recebido em torno de R$ 150 milhões via Lei Rouanet para produzir shows em cruzeiros. Segundo o site de notícias Lupa, Agência de Fact-Checking do Brasil que tem parceria com o facebook, a referida notícia é fake. Ou melhor, é certa. Certa como dois e dois são cinco

Uma pesquisa no Portal Versalic, mantido pelo Ministério da Cultura para dar transparência ao destino dos recursos arrecadados por meio dessa legislação, mostra que projetos envolvendo RC captaram, desde 2009, um total de R$ 1 milhão, mas que nenhum deles foi proposto diretamente pelo cantor ou tem a ver com o Projeto Emoções em Alto Mar. Além disso, os projetos apoiados pela lei devem ser publicamente identificados. O referido projeto de cruzeiro do artista não traz em seu site qualquer referência a captação de verbas pela Lei Rouanet.

O fato é que os fake news já são um problema de âmbito mundial. Por isso, não se pode esquecer nunca de que, antes de compartilhar algum link, vídeo ou afim, é primordial checar a veracidade das notícias. Cada cidadão tem que ter o olhar crítico e o discernimento de duvidar e procurar informações em outros veículos de comunicação, principalmente os mais conhecidos. Devemos fazer isso sempre, para que esses criminosos não logrem êxito na proliferação dessas notícias.

Com esse grave problema que estamos convivendo, em que não sabemos a procedência e a credibilidade das informações, nada melhor que cantar em coro: “Só quero a verdade. Nada mais que a verdade...”

Informações adicionais: piaui.folha.uol.com.br/lupa

2 comentários:

  1. Pessoas que cometem esse tipo de crime,teem que serem punidos
    . JÁ estão indo longe dimais.

    ResponderEliminar
  2. Quem publicou não tem. O que fazer tem muita inveja de quem gosta de trabalhar

    ResponderEliminar