ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

8/21/2010

Clube de Regatas Vasco da Gama - Os Cavaleiros do Templo de São Januário





Por: Armindo Guimarães
Diplomado em Robertologia Aplicada e Ciências Afins
Facebook
https://www.facebook.com/armindo.guimaraes


BRASÃO

A semiótica (semeion=sinal) - ciência que estuda os significados da linguagem e dos símbolos, está na ordem do dia desde que há uns tempos a esta parte começaram a proliferar a edição de livros de ficção baseados em factos verídicos e abordando temática semiótica com uma certa dose esotérica e de mistério em contextos históricos, ideológicos e religiosos.

Na verdade, o símbolo é muito mais do que um simples sinal, já que em torno dele pode existir uma miríade de interpretações e significados.

O brasão do Clube de Regatas Vasco da Gama é rico em simbologia. Fundo negro com uma faixa diagonal branca, uma caravela quinhentista ao centro e em cujas velas está estampada uma cruz que era usada nas navegações portuguesas. O fundo negro representa os mares desconhecidos do Oriente, e a faixa branca representa a rota descoberta por Vasco da Gama.

Criado em 1903, o brasão foi sujeito a várias alterações de pormenor sendo que a mais significativa foi a substituição da Cruz de Cristo pela cruz pátea com as bordas das pontas côncavas e inicialmente usada pela Ordem dos Templários em vermelho ("cruz de goles").

Mais tarde, a cruz pátea deu novamente lugar à Cruz de Cristo..

À cruz pátea alguém chamou erradamente de Cruz de Malta e o primeiro hino do clube faz mesmo alusão à Cruz de Malta, “Vamos todos cantar de coração/ A cruz de malta é o teu pendão/ Tens o nome do heróico português/ Vasco da Gama... tua fama assim se fez”.

UNIFORME E SIMBOLOGIA

Mas se no brasão a cruz pátea foi novamente substituída pela Cruz de Cristo, tal não aconteceu no uniforme em cuja camisa permanece ainda uma cruz pátea com pontas triangulares preenchendo quase todo o espaço.

A cruz pátea (derivada do francês croix pattée significando cruz patada), mais do que uma cruz específica, é uma categoria de cruzes caracterizadas por terem pontas mais amplas no seu perímetro do que no centro, configurando "patas".

Era usada pelos cavaleiros templários que depois de perseguidos e chacinados em1305 por Felipe, “O Belo”, então Rei de França, viram extinta a Ordem pelo Papa Clemente V, através da bula Callidis Serpentis de 30-12-1308.

Clemente V solicitou a D. Dinis que fizesse o mesmo com os templários portugueses. O rei luso não atendeu ao pedido do papa e os templários portugueses e de outros países da Europa refugiaram-se em Portugal ao serviço do rei D. Dinis que num golpe de teatro apenas mudou o nome da Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão para Ordem de Cristo, trocando a cruz pátea pela Cruz de Cristo (também chamada Cruz Portuguesa) e que em boa verdade é uma sequência da cruz pátea, que o mesmo é dizer da cruz templária, ou seja, tudo ficou na mesma já que apenas se mudou ligeiramente o nome e a cruz que foi usada nas caravelas dos Descobrimentos de que os cavaleiros templários (então designados cavaleiros de Cristo) tiveram a maior importância.

A Cruz de Cristo está presente no brasão de muitas vilas e cidades de Portugal onde os templários deixaram raízes, como é o caso do castelo e Convento de Cristo em Tomar cuja cidade ostenta no seu brasão um castelo ladeado pela cruz templária e pela Cruz de Cristo. O mesmo acontece nos brasões de instituições como a Força Aérea Portuguesa que tem por símbolo a Cruz de Cristo e a Federação Portuguesa de Futebol, entre muitas outras.

No Brasil isso também acontece, caso do brasão de São Paulo, Angra dos Reis e outras cidades e estados, incluindo a Confederação Brasileira de Futebol.








UNIFORMES




MASCOTES
.
No início o mascote do Vasco era o Almirante, em homenagem ao navegador português Vasco da Gama. Após os anos 1940 foi criada a figura bem-humorada de um comerciante português barrigudo, bigodudo e de tamancos com a camisa do clube, representando os comerciantes portugueses. Nos anos 1960, o cartunista Henfil, no Jornal dos Sports, criou o apelido Bacalhau, que também teve aceitação entre os torcedores.



HUMOR VASCAÍNO




AMIGOS DE FÉ



Fontes bibliográficas:

DICIONÁRIO DOS SÍMBOLOS – Jean Chevalier-Alian Gheerbrant - Editorial Teorema – Lisboa, 1994
O OURO DOS TEMPLÁRIOS – Gisors ou Tomar? –Maurice Guinguand – Livraria Bertrand - Lisboa 1977.

PORTUGAL TERRA DE MISTÉRIOS – Paulo Alexandre Loução – Esquilo, Ediçõese Multimédia. Sexta edição Março 2005.

VASCO DA GAMA – Geneviève Bouchon – Terramar Editores. Primeira edição, Maio 1998.
Páginas electrónicas:
NetVasco - www.netvasco.com.br

Vasco da Gama - Site Oficial - www.vasco.com.br

Wikipédia

VASCO DA GAMA - VISTA A CAMISA
Criação: Marketing | Vasco da Gama
Direção: Leo Borges
Produção: 24p
Planejamento Digital : Microwave

4 comentários:

  1. Ó pá, Don Armindo,

    uma belíssima reportagem, que ajuda a explicar o motivo de a terceira camisa vascaína ter sido lançada com este desenho e ainda conta de maneira aprofundada a história de Portugal. O Clube de Regatas Vasco da Gama também é cultura!

    Uma coisa que quero deixar claro a todos os que não têm por hábito acompanhar o Vasco: a camisa dos Cavaleiros dos Templários (lançada pela linha Penalty Cavalera) sofreu oposição pura e simplesmente por questões políticas. O grupo do ex-ditador vascaíno quer, a todo custo, minar o mandato de Roberto Dinamite como presidente, e a toda hora aparece para fazer alguma crítica e tentar jogá-lo contra a torcida.

    Muitas vezes, este retrocesso foi refletido em campo, com mau desempenho em decisões ou em campeonatos nos quais o Vasco fez apenas figuração. Desde 2008, quando uma ordem judicial exigiu que as eleições fossem realizadas no Vasco, e Roberto Dinamite venceu o grupo do ex-ditador Eurico Miranda, há tentativas baixas como esta.

    Após o mau desempenho no início do Campeonato Brasileiro deste ano, uma das torcidas organizadas do Vasco escreveu a faixa "SITUAÇÃO E OPOSIÇÃO - Enquanto vocês brigam, o Vasco sofre". E um dos episódios desta briga foi a confecção e a venda da camisa 3 (aliás, muito bem-sucedida venda, como pode-se ver em jogos realizados em São Januário, no Maracanã ou em todo e qualquer estádio que o Vasco vai entrar em campo).

    Até o momento, os jogadores vascaínos usaram a camisa 3 nas seguintes partidas:

    Campeonato Estadual

    Vasco 2 x 3 Americano
    Vasco 3 x 0 Fluminense
    Flamengo 2 x 1 Vasco

    Copa da Hora

    Grêmio 3 x 0 Vasco

    Campeonato Brasileiro

    Botafogo 1 x 1 Vasco

    Espero que os textos que escrevi deem tanta emoção quanto a crônica do Armindo deu para mim neste início de 21 de agosto. Obrigado, portuga!

    Abraços,

    Vinícius Faustini

    ResponderEliminar
  2. Olá maninho!

    Uma belíssima reportagem, como disse nosso querido Vini.
    Um trabalho bem explicado e bem pesquisado.

    Tudo novidade para mim, que por influência de alguns, já estou me tornando Vasco, no Rio.

    Só não gostei do português, vascaíno,fazendo gosação com o meu Santos...

    O vídeo excelente, um texto de vascaíno mesmo, da gema.

    Parabéns maninho!
    Como sempre você se esmerou no trabalho.Brilhante!

    Beijos,
    Carmen Augusta

    ResponderEliminar
  3. Maninho,

    desculpe fiz confusão de vídeo.Também com tanto Vasco na minha frente...
    Mas é também um vídeo muito legal.
    Gostei.

    Beijos,
    Carmen Augusta

    ResponderEliminar
  4. Ola! Armindo,

    Belissíssima matéria.

    Riquíssima em conhecimento, e podemos dizer quê, onde quer que esteja a palavra Cristo, algo de bom deverá acontecer.

    E por falar Nele, podemos associar com a palavra cruzeiro, cujo nome lembra o time de Belo Horizonte, do qual sou um orgulhoso torcedor. rsrsr

    O time ocupa hoje o sexto melhor time do mundo, no ranking mundial.

    ResponderEliminar

HOMENAGEM A ROBERTO LEAL

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES - Clique para ver o perfil