ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

8/11/2020

Views:

Segundo estudo, 60% dos brasileiros conhecem alguém infectado pela Covid-19


Esse percentual subiu de 49% para 60% em 4 semanas.

O Brasil continua como o segundo país do mundo com o maior número de mortes por coronavírus. E com o crescente aumento de casos dos últimos meses, a população está cada vez mais preocupada. O Trocando Fraldas, em seu mais recente estudo constatou, que 3 em cada 5 brasileiros conhecem alguém que já teve ou tem coronavírus. No estudo anterior, feito no mês de junho, 49% dos participantes conheciam alguém que já havia sido acometido. 

O estudo constatou também que, no Rio de Janeiro, 62% dos participantes conhecem alguém que já teve Covid-19; Esse percentual era de 59% no estudo anterior. Já em São Paulo pelo menos metade da população conhece alguém já infectado. Ademais, no Rio Grande do Sul, no estudo anterior somente 23% da população conhecia alguém que já pegou o vírus; agora, esse percentual aumentou para 46%. Já em Roraima, 85% dos entrevistados conhecem alguém que tem ou já teve coronavírus. Sendo que no estudo anterior, o percentual era de 81%.

Além disso, o estudo também verificou que 57% dos brasileiros acham inadequados os comportamentos adotados por terceiros. A falta de cuidado coloca em risco as pessoas mais frágeis e propensas a se infectar. 

Mesmo São Paulo sendo o estado com o maior número de mortes, 43% dos participantes concordam que as pessoas estão se comportando adequadamente durante a pandemia. Esse percentual subiu 1% em comparação ao estudo anterior. Já no Rio de Janeiro, no estudo anterior, 40% aprovavam o comportamento de terceiros em relação à prevenção. O novo estudo constatou que esse percentual subiu para 43%.  Por fim, o estado que menos concorda com o comportamento adotado por terceiros é o Amapá, com 66% dos participantes.

Sem comentários:

Publicar um comentário

ESTIMADO LEITOR: esteja à vontade para partilhar e comentar este post em qualquer rede social, mas não esqueça de comentar aqui no próprio post. O autor agradece,

Topo