ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

12/08/2019

Seis em cada dez brasileiros pretendem comprar presentes para si mesmos no Natal, aponta pesquisa CNDL/SPC Brasil


O ato de se auto presentear cresceu para 65% em comparação com ano passado e deve movimentar mais de R$ 36 bilhões na economia. Na hora de presentear os filhos, metade dos pais admite que crianças influenciam na decisão de escolha dos presentes

Dezembro chegou e com a proximidade do Natal, muitos brasileiros acreditam ser a ocasião perfeita para se recompensar pelo intenso ritmo de trabalho e pelas dificuldades enfrentadas ao longo do ano. Pesquisa conduzida pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) nas 27 capitais brasileiras aponta que seis em cada dez (65%) consumidores devem se auto presentear na data — um crescimento de 11 pontos percentuais em relação a 2018. A expectativa é de que 101,6 milhões de pessoas comprem algum presente para si mesmas neste fim de ano, o que promete movimentar cerca de R$ 36,7 bilhões na economia.

Boa parte desse fenômeno é movido pelo aspecto emocional em suprir uma necessidade aliada à reconfortante ideia do “eu mereço”. De acordo com o levantamento, entre os que estão dispostos a comprar presentes para si mesmos, 51% afirmam que o fazem por precisar de algum produto e, por essa razão, aproveitam esta época. Outros 30% justificam ser uma recompensa por terem trabalhado muito em 2019, enquanto 17% admitem que o Natal é somente um pretexto para comprar.

O gasto médio do presente será de R$ 170, sendo que 42% têm intenção gastar até R$ 150. Em média, a pesquisa mostra que os consumidores planejam comprar dois presentes para si próprios. Os itens mais desejados são roupas (55%), calçados (31%), perfumes e cosméticos (27%), celulares ou smartphones (17%), acessórios (14%) e livros (11%).

Para a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, é importante o consumidor ficar atento às suas finanças para evitar endividamentos. “Nesta época há muitos custos que vão muito além dos presentes de Natal. O ideal é planejar as despesas de acordo com o orçamento pessoal e familiar, sabendo com antecedência quanto será possível gastar. É recomendável que a pessoa não se deixe levar pelas emoções e exagere nos gastos. Fazer uma lista prévia do que se deseja e pesquisar preços é um bom caminho para não extrapolar as despesas”, orienta Marcela.

50% dos pais admitem que filhos influenciam na escolha dos presentes que vão ganhar; 11% afirmam que deixarão de pagar alguma conta para atender vontade das crianças  

O Natal não faz apenas a alegria dos adultos, mas das crianças e adolescentes também. E os filhos têm uma influência importante na escolha dos presentes que vão ganhar. Se por um lado, o estudo revela que praticamente a metade (47%) dos consumidores com filhos garantem comprar sozinhos os presentes das crianças, outra metade (50%) admite que os filhos são os verdadeiros influenciadores na hora da escolha:  43% escolhem conjuntamente com os pais, enquanto 7% permitem que os filhos tenham a palavra final sobre o presente.

Outro dado significativo refere-se ao peso do presente dos filhos no orçamento doméstico. Quase 11% dos entrevistados admitem que vão deixar de pagar alguma conta para atender às vontades de seus filhos, especialmente o cartão de crédito (4%) e os impostos de início de ano (3%). Em contrapartida, 77% não pretendem deixar de pagar contas com esse objetivo e 11% ainda não decidiram o que farão.

“Fugir à própria realidade financeira na hora de dar os presentes de Natal significa criar um problema que pode se tornar grave em pouco tempo, além de não demonstrar bom exemplo. Os pais têm todo o direito de agradar aos filhos, desde que priorizem o pagamento das despesas básicas e demais necessidades familiares”, analisa o educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli.

Metodologia

Inicialmente foram ouvidas 686 pessoas nas 27 capitais para identificar o percentual de quem pretendia ir às compras no Natal e, depois, a partir de 600 entrevistas, investigou-se em detalhes o comportamento de consumo no Natal. A margem de erro é de 3,7 e 4,0 p.p, respectivamente, para um intervalo de confiança de 95%.  A pesquisa foi realizada entre 07 e 12 de outubro de 2019.

Baixe a íntegra da pesquisa em https://www.spcbrasil.org.br/pesquisas 

SPC Brasil - Há 60 anos no mercado, o SPC Brasil possui um dos mais completos bancos de dados da América Latina, com informações de crédito de pessoas físicas e jurídicas. É a plataforma de inovação do Sistema CNDL para apoiar empresas em conhecimento e inteligência para crédito, identidade digital e soluções de negócios. Oferece serviços que geram benefícios compartilhados para sociedade, ao auxiliar na tomada de decisão e fomentar o acesso ao crédito. É também referência em pesquisas, análises e indicadores que mapeiam o comportamento do mercado, de consumidores e empresários brasileiros, contribuindo para o desenvolvimento da economia do país.

CNDL – Criada em 1960, a CNDL é formada por Federações de Câmaras de Dirigentes Lojistas nos estados (FCDLs), Câmaras de Dirigentes Lojistas nos municípios (CDLs), SPC Brasil e CDL Jovem, entidades que, em conjunto, compõem o Sistema CNDL. É a principal rede representativa do varejo no país e tem como missão a defesa e o fortalecimento da livre iniciativa. Atua institucionalmente em nome de 500 mil empresas, que juntas representam mais de 5% do PIB brasileiro, geram 4,6 milhões de empregos e movimentam R$ 340 bilhões por ano.

4 comentários:

  1. Nobre colega Carmen, boa matéria para o período natalino. Chega o momento na vida que devemos valorizar o "eu mereço" sem esquecer os outros merecidos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo Marley,que honra ser lembrada por você!
      Faz um bom tempo que isso não acontecia...
      Você tem toda razão, temos sim que lembrar dos outros que também merecem.
      Obrigada

      Eliminar
    2. Nobre colega Carmen, você sempre será lembrada por mim, pois sempre teve a minha consideração e respeito e olha que faz tempo que isso acontece. Fiquei feliz por ter se sentido honrada.

      Um forte abraço

      Eliminar
  2. E às vezes os presentes não precisam de ser sofisticados ou caros quando nos lembramos dos outros, como é o caso do menino Marley que se lembrou da menina Carminha e ela adorou. Que rico presente, pensou a menina. :)

    ResponderEliminar