ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

4/04/2019

Ainda hoje o bichinho da rádio



Fazer rádio, do sonho à realidade. Reconheço, porém, que não tinha uma voz consentânea para dar a cara. Aqui, realmente, comecei por denotar alguma timidez (eu me confesso), apesar de ter recebido alguns (e bons) incentivos. No Rádio Clube de Angra, comecei como editor, urdindo programas qualitativos, apresentados por locutores de "elite", destacando, nomeadamente, João Ávila, Durvalino Sarmento, Milton Santos e Lucinda Barcelos, uma voz feminina muito querida pelos ouvintes. Com ela, dizia sempre por brincadeira, "era sempre programa de sucesso". Mais tarde, aí sim, a minha voz apareceu publicamente ao serviço das rádios Horizonte, Atlântida e TSF-Açores. 

Não deslumbrei, mas também não desiludi ninguém. Na Horizonte, já dava voz aos meus programas. Na Atlântida e na TSF-Açores, apenas marcava presença aos domingos com curtas intervenções, mas, mesmo assim, não deixou de ser importante em termos curriculares. Por fim, a Rádio Ponte (uma ponte sobre o Atlântico), com sede em Fall River, Estados Unidos, rádio essa lançada por Diogo Pimentel, um homem de boa voz e, também, excelente artista plástico. Aquando das minhas deslocações aos Estados Unidos, sempre estive presente na Rádio Ponte em debates e programas de índole cultural. De Portugal, entrava às segundas-feiras, o que me dava um enorme prazer, visto que muitos emigrantes ansiavam (sempre ansiaram) por notícias fresquinhas do seu querido país, da sua querida região. Desta rádio, recebi um diploma pelos bons serviços prestados. No que concerne às revistas, apenas completou o ciclo profissional. Fi-lo, apenas, por amizade aos diretores de então, um deles João Palmeira Bicho. Curiosamente, Palmeira Bicho era um homem da rádio, com muita tarimba trazida de Angola. Devo sublinhar que, em Angola, a rádio era o meio de comunicação social que estava na vanguarda. Muitos dos bons profissionais, após o processo de independência, rumaram para Portugal, sendo recebidos de braços abertos pelas rádios de maior envergadura que, deste modo, enriqueceram o seu leque de locutores e produtores de programas. Manda a verdade dizer que nomes sonantes da rádio angolana estão hoje em Portugal, alguns, infelizmente, já no “outro lado da vida”. Desse núcleo, deixo aqui a minha homenagem póstuma ao saudoso Rui Romano que, depois, acabaria por passar para a Rádio Televisão Portuguesa (RTP1). Já em Angola, de 1965 a 1967, admirava Rui Romano quando sintonizava o Rádio Clube de Angola. Uma voz dócil e amiga, nas manhãs de Luanda. Rui Romano não se apaga da minha memória.

Por outro lado, também uma outra homenagem póstuma ao Diogo Pimentel, diretor da Rádio Ponte (Fall River – USA). Um amigo sempre de contar e cuja morte me deixou bastante consternado.

Hoje, ainda “matando o bichinho” com intervenções na Ratel Web Rádio – Rádio Face, às sextas-feiras com o meu querido amigo Fernando Fausto Cristovam com quem trabalhei em tempos idos na Rádio Horizonte-Açores. Lançou agora esta rádio online que, verdade seja dita, tem atingido enorme sucesso.
Carlos Alberto Alves

Sobre o autor

Carlos Alberto Alves - Jornalista há mais de 50 anos com crónicas e reportagens na comunicação social desportiva e generalista. Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Colabora semanalmente no programa Rádio Face, da Rádio Ratel, dos Açores. Leia Mais sobre o autor...

2 comentários:

  1. Tenho para mim que dotes na escritas não é sinónimo de dotes na locução. Penso até que quem é ligeiro na escrita dificilmente é ligeiro na dicção. Porém, no que ao nosso amigo Ilhas (Carlos Alberto Alves) se refere, eu que já o admirava nas letras, passei a admirá-lo também na locução quando ouvi uma sua intervenção no programa Rádio Face, da Rádio Ratel, dos Açores. Na sexta-feira vou estar à escuta. Quem sabe não o vou ouvir a dizer mal do patrãozinho do Splish Splash.

    ResponderEliminar
  2. Carago! Só tenho a agradecer o carinho que o meu amigo tem por mim e a preciosa ajuda que me tem dado no meu Blog no aspecto de grafismo, que tem sido enaltecido por muita gente que o visita. Um abraço

    ResponderEliminar

19 ABRIL - ANIVERSÁRIO DE ROBERTO CARLOS E DIA DO ÍNDIO

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES - Clique para ver o perfil