ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

26 de fevereiro de 2019

7 Perguntas e Respostas sobre a Reconstrução Mamária


Câncer de mama corresponde a 30% dos casos anuais de neoplasias no Brasil

Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), o tumor de mamas é o segundo tipo de câncer mais frequente em todo o mundo. É também o mais prevalente entre as mulheres brasileiras, correspondendo a cerca de 30% dos casos anuais de câncer.

É também a neoplasia que mais afeta a autoestima da mulher, uma vez que em muitos casos é necessário realizar a mastectomia, ou seja, a retirada completa das mamas, símbolos da feminilidade e da maternidade.

Mas, graças às técnicas da cirurgia plástica reparadora, atualmente é possível reconstruir as mamas após uma mastectomia, com bons resultados estéticos. Segundo o cirurgião plástico, Dr. Luiz Philipe Molina Vana, Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e Doutor em Cirurgia pela Universidade de São Paulo (USP), as técnicas da reconstrução mamária evoluíram bastante.

“Um dos avanços importantes foi a criação de uma matriz dérmica, uma espécie de rede, que proporciona melhor sustentação para o implante, contribui na redução da contratura capsular, como também em um posicionamento mais adequado das mamas”, explica Dr. Molina.

Veja abaixo sete perguntas e respostas sobre a reconstrução mamária, que são muito comuns no dia a dia das mulheres que precisam passar pelo procedimento.  

1-A reconstrução mamária é coberta por planos de saúde? 
Sim. A reconstrução mamária é uma cirurgia plástica reparadora para corrigir danos ou mutilações decorrentes do tratamento do câncer. Portanto, é um direito assegurado tanto para as usuárias de planos de saúde, como para mulheres que são atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS). 

2- A cirurgia para reconstruir as mamas deve ser feita em qual momento? 
A reconstrução das mamas pode ser feita junto com a mastectomia ou tardiamente, ou seja, em um segundo momento. Muitas mulheres podem optar por fazer tudo de uma vez, enquanto outras podem decidir terminar o tratamento, para depois tomarem uma decisão. Entretanto, vale ressaltar que a reconstrução imediata pode ter contraindicações, principalmente quando o estado clínico da paciente é considerado inadequado. Então, é uma decisão que envolve a relação médico paciente e outros fatores. 

3-Como é feita a reconstrução das mamas?
A reconstrução mamária pode ser feita por meio de várias técnicas, como o implante de uma prótese de silicone, o uso de um expansor cutâneo e a transferência de retalhos de pele. Há ainda, em alguns casos, a combinação de técnicas como retalhos de pele e prótese de silicone. 

  Prótese de silicone: Em geral, pode ser feita quando não há um comprometimento grande de pele.    
  .  Expansores: O médico irá inserir um expansor sob a pele das mamas. Aos poucos, esse expansor será preenchido com soro fisiológico até atingir o tamanho desejado. Depois, o expansor é retirado e substituído por uma prótese de silicone. Atualmente, existem expansores definitivos, que ajudam a eliminar a etapa de substituição pela prótese definitiva. 
 . Transferência de retalhos de pele: Nesta técnica, o cirurgião plástico irá usar pele, gordura e músculos da própria mulher para reconstruir as mamas. São cirurgias complexas e com maior número de complicações pós-operatórias. Por isso, precisam ser bem indicadas e feitas por cirurgiões plásticos especializados em cirurgias reconstrutivas.

4-Como é feita a reconstrução dos mamilos?
Quando a reconstrução mamária é feita juntamente com a mastectomia, é possível preservar as aréolas e os mamilos, desde que essas áreas não estejam afetadas pelo câncer ou ainda se o tumor não estiver próximo. 

Muitas vezes, quando a proximidade está presente, o cirurgião oncológico precisa remover essas estruturas das mamas para dar maior segurança ao procedimento. Para as mulheres que passam pela retirada total, a reconstrução das aréolas e dos mamilos é feita em um segundo momento, após a cicatrização completa da primeira cirurgia. 

É necessário aguardar também para avaliar a posição das mamas e chegar a um melhor resultado. Normalmente, a aréola é reconstruída com a pele de outros locais, como a virilha ou é realizada uma tatuagem. Já a papila mamária (bico do seio), é reconstruída com tecidos locais. 

5- É possível reconstruir apenas uma mama?
O câncer de mama pode atingir uma ou as duas mamas. Quando atinge apenas uma mama e é necessário fazer a mastectomia, é possível reconstruir apenas a mama afetada. O cirurgião plástico irá buscar um resultado que leve em consideração o tamanho, o aspecto e a posição para chegar a uma aparência o mais semelhante possível. Vale lembrar que há a opção de realizar uma cirurgia plástica no outro seio para um melhor resultado estético. 

6- A mulher pode amamentar depois da reconstrução?
Infelizmente, a amamentação após a mastectomia radical não é possível, já que a cirurgia retira todo o tecido mamário, incluindo as estruturas necessárias para a amamentação. Porém, mulheres que retiram apenas uma mama, tendo a outra preservada, podem conseguir amamentar com o seio saudável. 

7- A reconstrução deixa cicatrizes?
Tanto a mastectomia, quanto a reconstrução, deixarão cicatrizes visíveis. Além disso, se houver retirada de pele de outros locais do corpo, também haverá cicatrizes nesses locais. Apesar disso, o mais importante é que a reconstrução das mamas tem um papel crucial na recuperação da autoestima da mulher, assim como contribui para melhorar sua qualidade de vida e e pode ajudar a lidar de maneira mais positiva com o tratamento.
Alba Maria Fraga Bittencourt

Sobre a autora

Alba Bittencourt - Doutorada em Robertologia Aplicada e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e Administradora/Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

0 comentários via Blogger
comentários via Facebook | Pode optar por Comentar via Facebook clicando aqui.

Sem comentários:

Enviar um comentário

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES
clique para ver o perfil