ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

17 de julho de 2018

CCB | Festival e Academia VERÃO CLÁSSICO 2018 | 29/07 a 07/08

4ª edição do Festival e Academia
VERÃO CLÁSSICO 2018
Direção Artística e Pedagógica: Filipe Pinto-Ribeiro
Centro Cultural de Belém, 29 de julho a 7 de agosto 2018

O VERÃO CLÁSSICO deste ano inclui concertos diários e masterclasses sob a orientação de músicos de excelência internacional, solistas de grandes orquestras mundiais e professores de renomados conservatórios e universidades, como Berlim, Londres, Paris, Lucerna, Roma ou Bruxelas.

Após 151 participantes em 2017, para a edição de 2018 foram selecionados 170 jovens músicos, 107 portugueses e 63 oriundos de 28 países - Alemanha, EUA, Japão, Espanha, Reino Unido, Israel, Nova Zelândia, Brasil, Finlândia, Holanda, Islândia, Bélgica, Letónia, Croácia, China, Cazaquistão, Sérvia, Cabo Verde, Áustria, Irlanda, Lituânia, Guiné-Bissau, Coreia do Sul, Rússia, Bulgária, França e Suíça – o que representa um aumento de 15% em relação a 2017.

O VERÃO CLÁSSICO apresenta diariamente concertos com obras do repertório musical dos séculos XVIII ao XXI: quatro concertos MasterFest, com a presença de solistas internacionais, e seis concertos TalentFest, com entrada livre, em que se apresentam os jovens músicos participantes do festival deste ano, vários dos quais já laureados nacional e/ou internacionalmente.

Destaque para a estreia dos pianistas Imogen Cooper e Aleksandar Madžar, do trompista Radek Baborák, do violoncelista Adrian Brendel, da flautista Adriana Ferreira, recentemente nomeada 1.ª Flauta Solo da Orquestra da Academia Nacional de Santa Cecília de Roma, do contrabaixista Janne Saksala, referência mundial do seu instrumento e 1º Contrabaixo Solo da Orquestra Filarmónica de Berlim. Como é habitual, há músicos que repetem a sua presença, entre os quais os violinistas Corey Cerovsek e Jack Liebeck e a violetista Isabel Charisius, o clarinetista Pascal Moraguès, 1º  Clarinete Solo da Orquestra de Paris desde 1981, e os “totalistas” das quatro edições do VERÃO CLÁSSICO, o violoncelista Gary Hoffman e o diretor artístico e pedagógico, o pianista Filipe Pinto-Ribeiro.

Nesta edição, Mozart e Schostakovich são os compositores mais em evidência nos concertos MasterFest. Mozart fará a abertura e o encerramento do festival, respetivamente com o Quinteto para trompa e cordas e o Quinteto para clarinete e cordas. Schostakovich estará presente em todos os concertos, em sintonia com o pré-lançamento, no VERÃO CLÁSSICO 2018, do álbum com a 1ª gravação mundial da Integral da Música de Câmara para Piano e Cordas pelo DSCH – Schostakovich Ensemble. Será ainda assinalado o centenário da morte de Claude Debussy com a segunda parte do concerto de abertura dedicada ao grande compositor francês. Destaque também para obras-primas de Beethoven, Schumann, Brahms, Dvořák.

O eixo performativo do VERÃO CLÁSSICO, constituído pelos concertos do Festival, é complementado pelo eixo educativo, preenchido por Masterclasses, são aulas abertas sobre técnica e interpretação musical. Após 380 aulas em 2017, este ano estão programadas mais de 430 aulas abertas de oito instrumentos (piano, violino, viola, violoncelo, contrabaixo, flauta, clarinete e trompa) e de música de câmara. Serão orientadas pelos 12 professores, de 8 nacionalidades, e decorrem simultaneamente em várias salas do CCB. Para estudo e ensaio dos jovens músicos participantes, são ainda utilizadas 25 salas na AMEC/Metropolitana de Lisboa. As Masterclasses são destinadas a estudantes e docentes de música, assim como a músicos profissionais e ouvintes. Cerca de 20 pianos estarão à disposição de professores e alunos durante o Festival.

Em 2018, o VERÃO CLÁSSICO apresenta uma nova vertente de cruzamentos disciplinares entre a Música e a Ciência, com o intuito de estabelecer simbioses inovadoras e de estimular a capacidade de reflexão e de espírito crítico, tendo em vista um enriquecimento dos participantes e de um público cada vez mais vasto e heterogéneo. A cientista Maria José Lourenço, Professora do Departamento de Química e Bioquímica da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, inaugura esta área com a conferência “A Química da Música e o Compositor-Químico Alexander Borodin”.

Com o intuito de descentralização e extensão das mais valias do evento a outras regiões do país, o VERÃO CLÁSSICO deslocou-se nos dias 21 e 22 de junho a Bragança e apresentou, no Teatro Municipal, um conjunto de iniciativas que incluíram um concerto e aulas abertas de piano, violino, violoncelo, contrabaixo e música de câmara destinadas a alunos das escolas da região.

O Festival inclui mais uma vez sessões de Técnica Alexander, orientadas por Alexander Olschewski, de Berlim, potenciando assim a consciência e o equilíbrio do corpo.

Todos os participantes nas Masterclasses são candidatos aos Prémios VERÃO CLÁSSICO, cujo júri é formado pelos professores. Estes Prémios, na forma de concertos inseridos em temporadas musicais realizadas em Portugal, têm a função de estímulo e reconhecimento do talento e do trabalho realizado pelos participantes durante o Festival. Alguns dos jovens músicos premiados em 2017 tiveram já a oportunidade de se apresentarem a solo nesta temporada com as três orquestras regionais portuguesas – Orquestra do Norte, Orquestra Filarmonia das Beiras e Orquestra Clássica do Sul – e no Festival Internacional de Música de Marvão.

O VERÃO CLÁSSICO assume-se assim como uma iniciativa artística e pedagógica única em Portugal, um projeto cultural aberto a todos os públicos.

Toda a informação em: www.veraoclassico.com e em www.ccb.pt 
Armindo Guimarães

Sobre o autor

Armindo Guimarães - Doutorado em Robertologia Aplicada e Ciências Afins e Escriva das coisas da Vida e da Alma. Administrador, Editor e Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre o autor...

Sem comentários:

Enviar um comentário

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES
clique na imagem para ver os perfis