ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

4 de maio de 2011

Ele voltou à carga via telefone



Por: Carlos Alberto Alves
Portal Splish Splash


Acontece-me cada uma que, às vezes, é mesmo de bradar aos céus. E até pergunto: que mal fiz eu a Deus? Isto tem a ver com as pessoas que me apoquentam quando eu já estou dormindo, sonhando com coisas bonitas, nomeadamente em termos de viagens. Num dos últimos sonhos (pois é sonhar é fácil) eu estava em viagem para a Terra Santa no cruzeiro promovido pela empresa do nosso Rei Roberto Carlos. Estava a contemplar o mar e, mais ao lado, encontrava-se o Armindo Guimarães em amena cavaqueira com o Eduardo Lages. Sonhos e mais sonhos.


E com o que eu sonhava quando o celular tocou na noite de terça-feira? Não me lembro, sinceramente. O que sei é que acordei sobressaltado e nem sabia onde parava o celular? Mas sempre cheguei a ele e, perante todo o meu espanto, do outro lado da linha alguém que me tratava por “Carlinhos da viola”. Ainda respondi, eu sou “Carlinhos do violão”. Do outro lado, o gajo ria que se fartava e apressadamente identificou-se para eu não desligar o celular. E a minha reacção foi esta: no espaço de 48 horas, lá vem ele de novo. Paulatinamente, fui ficando calmo e perguntei ao meu interlocutor o que ele pretendia com aquele telefonema já tardiamente? Afinal, o homem queria mesmo desabafar comigo. Quem-era-quem? Não podia ser outro, o nosso “Zé da Pipa” que começou por me dar razão quando eu lhe disse para sair comigo e não ficar no bar-café misturado com os flamenguistas. Quase que correram com ele e não levou uma surra por milagre. Quem é teimoso sujeita-se a que o tiro saia pela culatra.

Ó “Zé” tu ligaste só para me contares essa peripécia? Resposta do homem que voltou à carga: “foi por isso e por outras coisas que li no Splish Splash”. Quando falas do Splish Splash tenho que te dar o máximo de atenção. Então manda brasa, como vocês brasileiros dizem:

Ó “Carlinhos do violão”, achei interessante aquela história e sugestão apresentada pela professora Rosemeire, isto é, juntar o Rei com a malta do Splish Splash, na fazenda que ele ocupou nos anos 70. Um encontro que marcaria uma nova era entre o Rei e aqueles que o divulgam regularmente.

Ó Zé e tu achas que o Armindo está na disposição de vir do Porto ao Brasil? “Ele até chora para vir, para mais que o compadre Eduardo Lages marcará presença”.

Contudo, meu caro Zé, tudo ainda não passou de uma ideia que, para ser concretizada, falta muito. Há que pensar nos transportes e nas acomodações para o pessoal, mas isto se resolve sem problemas. E não te esqueças, Zé, que o Rei tem um jatinho. Só não dá para ir pegar o Armindo em Pedras Rubras, no Porto. Seria, de facto, muito interessante conhecer o Bottary e “tutti quanti” do Splish Splash. Enfim, tanta coisa boa, como, por exemplo, respirar o perfume da Mazé Silva. Apenas este exemplo, porque todas as outras, casadas, divorciadas, separadas, solteiras, merecem da nossa parte o mesmo carinho e estima. E ainda temos o célebre boné do Bottary. Resumindo: muitos e excelentes condimentos para um encontro memorável. Mas será que o Rei entra nesta?

Meu caro Zé chega de conversa. Está tudo dito, mas deixo-te este aviso: se voltares a telefonar a uma hora destas (24H05), cortamos relações e nunca mais apareces como figura de proa no Splish Splash. Sabes que eu e o “patrãozinho” nos entendemos muito bem. Para ele, o que eu disser é uma escritura. Vê lá se tomas juízo, “Zé da Pipa”.
6 comentários via Blogger
comentários via Facebook | Pode optar por Comentar via Facebook clicando aqui.

6 comentários:

  1. eheheheheh

    É do baril!

    Esse Zé da Pipa é demais.

    Ri-me pra carago!!!

    Um grande abraço pro Zé da Pipa e pro Carlinhos do violão.

    :)

    ResponderEliminar
  2. Rosemeire Barbosa06/05/2011, 01:22:00

    Olá, amigo Carlos Alberto.
    Fiquei surpresa com a minha participação nessa matéria. Confesso que gostei muito. Será que o Armindo vem mesmo para a festa? Eh,eh. Como diz o amigo Bottary: "Vamos sonhar."

    ResponderEliminar
  3. Minha querida amiga e professora, Rosemeire

    Isto é fácil, pá!

    É somente dar asas à imaginação, ehehehehe!!!!

    Sem tomar Red Bull, claro.

    Engraçado! O boné do Bottary ficou famoso e ele mesmo não! É do Baril!

    Um grande abraço a todos!

    ResponderEliminar
  4. Oi, Grande Bottary!
    Se deixe de ciumeira de si mesmo, bicho!

    Melhor que o Grande Bottary, todo mundo sabe que só mesmo o seu Grande boné, cara?

    E cê sabe que nãso é possível haver Grande boné sem Grande Bottary. Ou há?

    Saia dessa, bicho!

    Um abraço do Roberto Carlos da Travessa das Almas.

    ResponderEliminar
  5. Por este caminhar, de tanto sonhos e desejos (legítimos, sublinhe-se), ainda nos vão rotular de "malucos do Splish". O Splash fica para a próxima maluquice, mas,por certo, terá um bonezinho famoso. De quem será?
    Um abraço, "grandes malucos" (eu também estou incluído.)
    Carlos Alberto Alves

    ResponderEliminar
  6. Amigo CAA (como temos que ser práticos estou pela primeira vez a abreviar por CAA o seu nome Carlos Alberto Alves e a propósito estou agora a lembrar-me que o facto de estar agora a explicar o motivo de ter utilizado as suas iniciais CAA tem a ver com a abreviatura do seu nome, significa que estou para aqui a escrever mais do que se logo no início tivesse logo escrito "Amigo Carlos Alberto Alberto, etc.), mas como me quis armar em esperto lixei-me que pra meu castigo estou a escrever pra carago e só espero é que quando for clicar em ENVIAR COMENTÁRIO não aconteça como já me tem acontecido de ir tudo pro galheiro e nada ser publicado. Sim, porque o que às vezes me acontece a mim também deve acontecer à malta que chega aqui toda afoita a responder a um comentário e na hora de clicar em ENVIAR COMENTÁRIO, vai no Batalha, que o mesmo é dizer, e tudo o vento levou. Espera aí, à cautela vou guardar o que já escrevi. Pronto. Já guardei. Mas como eu ia começar a dizer e não disse, essa de maluco é rótulo que há muito já tenho nestas andanças robertocarlisticas, coisa que, se pensarmos bem, não é nada demais para quem como eu é mais do que isso devido à robertodependite crónica que me acompanha desde a infância.
    Por isso, não é para admirar que outros malucos se juntem a mim.
    É o delírio robertocarlistico! eheheheh
    Abraços

    ResponderEliminar

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES
clique para ver o perfil