ROBERTOLOGIA EM DESTAQUE

1/18/2011

TITANIC - Um desastre que beneficiou muita gente









Por: Carlos Alberto Alves
Portal Splish Splash

Ninguém tem a menor dúvida de que a tragédia do TITANIC, paradoxal que possa parecer, beneficiou muita gente. Se ocorresse hoje, em função dos meios técnicos que são conhecidos, ainda muitos mais colheriam dividendos de um desastre que, na altura, abalou o mundo. Foi a 10 de Abril de 1912 que o TITANIC partiu para a sua viagem inaugural. Uma viagem que decorria normalmente até que, na madrugada de 14 e 15 do referido mês (no quarto para o quinto dia de viagem), o TITANIC naufraga, após colidir com um iceberg a cerca de 400 milhas de St. John (Cape Race, New Foundland) e distante, aproximadamente, 900 milhas de New York.

A estória do TITANIC é por demais conhecida. Muito se falou e escreveu sobre esse trágico naufrágio. Hoje, os dados sobre o TITANIC estão disponíveis na internet. Toda a sua desenvoltura até chegarmos a esse dia fatídico.

Mas o que mais impressionou é que, em 1997, com direcção de James Cameron, foi lançado um filme (TITANIC) que acabaria por ganhar 11 Óscares. Um filme com a duração de 194 minutos e que, por certo, será visto por muitas e muitas gerações vindouras.

Ora, sobre essa estória, do seu aproveitamento posterior ao longo dos anos, achei interessante a ideia do meu amigo José Fernando, portuguesinho-da-costa que, em New Jersey, abriu um restaurante configurado com um barco e redobrou a sua imaginação ao baptizar aquele espaço por TITANIC. Posso dizer que, durante alguns dias, naquele TITANIC, naveguei em águas calmas, “pescando” no prato um bom bacalhau. Um dia, porém, num almoço com amigos de infância, emigrados para os STATES (e cujas fotos guardo aqui solenemente), ultrapassei a minha marca, ingerindo (cerveja) mais do que o normal. Contudo, tenho que confessar que, ao regressar aos meus aposentos, não colidi com nenhum iceberg. E tantos que passaram por mim. Dá para perceber que me refiro a mulheres bem avantajadas de gorduras. As tipicamente americanas com mais de cem quilos de peso. Se tivesse esbarrado em algumas delas (“iceberg da rua” ou, se preferirem, uma “montanha de carne gordurosa”), por certo que ficaria muito mal tratado. Só que, para o efeito, e se tal viesse a acontecer, já tinha preparado um SOS que sempre guardei no “segredo dos deuses”. Tirem-me daqui?. É parecido. Por lá perto. Entra aqui, estava fora de questão...







Sem comentários:

Enviar um comentário

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES

OS NOSSOS REDATORES PERMANENTES - Clique para ver o perfil