Ministério da Solidão


Por: Eduardo Fraga*

Recentemente foi noticiado que o Reino Unido criou um Ministério da Solidão, uma estratégia para tentar lidar com o que a primeira ministra Theresa May denominou como a ‘triste realidade moderna’. Dirigido por Tracey Crouch, os principais objetivos do ministério residem em desenvolver parcerias com empresas e população com vistas a impedir que as pessoas se sintam solitárias.

Entendo que dois aspectos merecem ser destacados no relato das autoridades britânicas, quais sejam: a triste realidade moderna e o desenvolvimento de parcerias para evitar que as pessoas se sintam solitárias.

É possível compreender a Modernidade como o período histórico que tem início no Renascimento, por volta do século XIV-XV. Trata-se, grosso modo, de uma espécie de ruptura com os valores que organizavam a vida social e política na Idade Média e, por conseguinte, no advento de uma nova tradição pautada no antropocentrismo, conhecimento e racionalidade técnica. Na modernidade, o Homem ganha estatuto de ser superior e passa a se valer de seu conhecimento e desenvolvimento técnico para administrar e dominar o mundo- i.e natureza- ao seu redor.

Caminhando por alguns séculos pela modernidade, nos deparamos com mais um importante marco histórico, a saber, o advento da Revolução Industrial, e o incremento do sistema capitalista e lógica liberal.

Compreendendo o liberalismo como uma doutrina cujos principais alicerces consistem na defesa da liberdade individual nos campos econômico, político, religioso e intelectual o homem moderno é alçado a autor, protagonista e responsável por sua própria história de vida. Isto posto, qual seria o aspecto ‘triste’ da realidade moderna, tal como definido pela primeira ministra britânica?

Penso que o aspecto triste se configura pelo incremento do individualismo que acompanhou o desenvolvimento da modernidade. Em um contexto histórico no qual somos considerados indivíduos plenamente autônomos e responsáveis por nosso destino, o que se testemunha é a busca contínua por um incessante aprimoramento que garanta a cada um de nós a inserção ou permanência no mercado de trabalho.

É sabido que a sociedade moderna se configura como uma sociedade de produção e consumo, isto é, necessitamos num primeiro momento conseguir ingressar no mercado de trabalho para, posteriormente, recebermos nossa remuneração e deste modo garantir nossa subsistência. No entanto, a possibilidade de inserção no mercado é limitada e como somos senhores de nosso destino- uma vez que autônomos e responsáveis- faz-se mister o constante aprimoramento de nossas competências.

No cenário que elaborei nos parágrafos anteriores, as relações humanas passam a ser pautadas por uma lógica de competição e exclusão, na medida em que meu semelhante passa a ser compreendido como um rival, como aquele que- assim como eu- busca sua inserção ou manutenção no mercado de trabalho que, por definição, é excludente. Sendo assim, os laços comunitários se tornam cada vez mais fluidos e as relações humanas cada vez mais utilitárias: qual o meu networking? O que a relação com determinada pessoa me acrescenta? Neste cenário, acredito que possamos nos sentir sozinhos na multidão.

Em se tratando de idosos, é mister que se destaque também outra característica intrínseca ao capital e lógica consumista: a aversão ao velho. Para tanto, basta atentar para as incessantes atualizações e ‘novas’ versões dos gadgets que emergem em uma velocidade que não conseguimos acompanhar. Tudo se torna obsoleto em poucos meses. Na lógica do mercado isto não é diferente, basta um olhar um pouco mais cuidadoso para o interminável processo de formação continuada ou mesmo para a dificuldade manifesta por profissionais de mais idade de se realocarem no mercado de trabalho.

Nesta lógica de exclusão, justamente quando envelhecemos sofremos de maneira mais intensa as consequências da modernidade: laços familiares ou de amizade frágeis, incertezas quanto a possibilidade de auto-sustento e temor da solidão.

Com a permissão do leitor para me valer de um termo psicanalítico, penso que o Ministério da Solidão possa ser entendido como um sintoma da modernidade. Afirmo isso no sentido que se trata de um símbolo que condensa e nos convida a olhar e refletir a respeito do cenário que procurei apresentar- ainda que de forma breve e sem qualquer pretensão de esgotar o tema- nos parágrafos anteriores. Sendo assim, as palavras de Tracey Crouch o segundo aspecto por mim destacado que, neste ponto retomo para concluir, me parecem elementares.

É sim preciso desenvolver parcerias com empresas e população com vistas a impedir que as pessoas se sintam solitárias. No entanto, não se tratam apenas de parcerias comerciais, mas sim de parcerias humanas cujo objetivo reside em resgatar aquilo que é comunitário, aquilo que nos é comum, isto é, laços de solidariedade, familiares e de amizade que, como sabemos, podem representar as maiores riquezas que possuímos.

*EDUARDO FRAGA, especialista em psicologia do desenvolvimento humano da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Sobre o Mackenzie
A Universidade Presbiteriana Mackenzie está entre as 100 melhores instituições de ensino da América Latina, segundo a pesquisa QS Quacquarelli Symonds University Rankings, uma organização internacional de pesquisa educacional, que avalia o desempenho de instituições de ensino médio, superior e pós-graduação.
Alba Maria Fraga Bittencourt

Sobre a autora

Alba Bittencourt - Doutorada em Robertologia Aplicada e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e Administradora/Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário