Exposição individual de Pintura INFÂNCIA de ALCIDES MALAIKA


CAMÕES/CENTRO CULTURAL PORTUGUÊS apresenta 'INFÂNCIA' Exposição de pintura

No dia 12 de Dezembro de 2017 (3ª feira), às 18H30 no Camões/Centro  Cultural Português  (Av. de Portugal nº50), será inaugurada a exposição individual de pintura INFÂNCIA de ALCIDES MALAIKA.

A exposição ficará patente ao público até dia 03 de Janeiro de 2018.

 SOBRE A EXPOSIÇÃO

INFÂNCIA é a primeira exposição individual de ALCIDES MALAIKA, que reunirá 14 obras, em acrílico sobre tela. É também a primeira vez que o artista expõe no Camões/Centro Cultural Português. No seu trabalho, usa cores fortes e vibrantes, num entrelaçado de motivos, simultaneamente abstractos e realistas.

SOBRE O ARTISTA

ALCIDES MALAIKA, nasceu em 1992. É um artista autodidacta e foi aluno da Mestre Cármen Prendes. Integrou o projecto “Os Meninos Pintores Angolanos”, de 2009 a 2016, tendo participado em inúmeras exposições colectivas, em Angola e no estrangeiro.

Com um percurso de vida pessoal marcado por adversidades e grande sofrimento, procura exorcizar nas suas telas, com a sua arte, as memórias dolorosas de um passado traumático.

Diz o artista “Nasci a 1 de Janeiro de 1992, em Luanda. Não tenho memórias muito precisas da minha infância. Há muitas coisas que não me lembro. Sou orfâo e é difícil para mim falar sobre isso. Os meu primeiros anos foram passados com a minha avó materna. Foram anos duros, de muitos maus tratos. Éramos pobres e tudo faltava. Lembro-me que fugia frequentemente de casa, a primeira vez, tinha 3 anos. Depois regressava…até que um dia fugi e nunca mais voltei. Perdi, para sempre, o rasto da minha única família. Seguiu-se a vivência nas ruas de Luanda.
(…) Tenho 23 anos. Pareço jovem e sou jovem, contudo, já vivi demasiado no que diz respeito a sofrimento e dor. Dor de quem não tem, nem nunca teve, família. Dor de quem já teve que viver nas ruas. Dor de quem não tinha de que comer. Choro, fome, abandono é demasiado para quem só tem 23 anos.

E, apesar de tudo, posso dizer que tenho sorte. A sorte de ter amigos leais, de ter saúde, de ter sobrevivido às doenças e à agressão de não ter um lar, não ter a seu lado pessoas que nos amem e apõem incondicionalmente.

Sou um sobrevivente e, por isso, um lutador. Tenho fé. Foi essa fé que me levantou o ânimo nas horas mais difíceis.

(…) o marco fundamental foi o período que vivi no Centro de Acolhimento do Padre Horácio. Aí começou a época mais feliz da minha vida. Éramos bem tratados e fiz muitos amigos, alguns como irmãos, como Kinawala, que também é pintor (…)”.
Uma história comovente de infância de um “menino de rua” que se transformou em artista e que vai apresentar ao público o seu trabalho, numa exposição individual.

Alba Maria Fraga Bittencourt

Sobre a autora

Alba Bittencourt - Doutorada em Robertologia Aplica e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e Administradora/Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário