Museu da Indústria lança exposição “Carnaúba – Árvore da Vida”


O Museu da Indústria, equipamento do Serviço Social da Indústria (SESI/CE), lança no dia 16 de novembro, a exposição “Carnaúba – Árvore da vida”, que conta a história da planta, seus usos e o papel no desenvolvimento do Ceará desde a década de 1940. A exposição conta em painéis de imagens, textos, expositores e maquetes a importância da carnaúba para o estado. A exposição, co-patrocinada pela SC Johnson, passeará por aspectos botânicos, geográficos e de história para valorizar a carnaúba como símbolo do estado e fortalecer o sentimento de pertence dos cearenses com seu patrimônio histórico e natural.


A exposição traz aspectos biológicos, o beneficiamento da planta, o processo de transformação do pó em cera, os instrumentos utilizados, as tonalidades, o valor econômico e os cearenses que se destacaram neste setor.  “Carnaúba – Árvore da vida” reconta a longa história da SC Johnson com o Brasil, que teve início quando H.F. Johnson Jr., líder da terceira geração da família, desembarcou em Fortaleza em busca de uma reserva permanente da cera de carnaúba, matéria-prima dos produtos da empresa na época. A viagem começou na sede da SC Johnson em Racine, Wisconsin. Dois anos depois, a companhia abriu sua primeira fábrica no Brasil e se tornou a primeira empresa a refinar a cera de carnaúba – além disso, a SC Johnson passou a ser a primeira fabricante no Brasil a financiar e incentivar pesquisas sobre a árvore da carnaúba.


Saiba mais sobre a carnaúba
A carnaúba é uma palmeira nativa da região semiárida e compõem o imaginário e o cotidiano dos habitantes dessa área. A palavra carnaúba tem origem na língua tupi e significa “árvore que arranha”. Os primeiros a conhecer e a utilizar a carnaúba foram os índios, através do uso da palha na confecção de cestos, urus e urupemas. No início da ocupação portuguesa, muitos dos carnaubais foram desmatados para dar origem a pastos para o gado, sendo a planta utilizada na confecção de utensílios como bolsas, chapéus, cestas, esteiras, na construção de moradias, e o palmito usado para alimentação da população e de animais em períodos de seca.


Da árvore que arranha, tudo é aproveitado. O palmito da planta jovem é alimento, assim como o fruto, que atrai ruminantes e suínos. As folhas verdes alimentam o gado. Quando elas secam, retira-se o pó, aproveitado na produção da cera. As palhas são utilizadas no artesanato, na fabricação de utensílios domésticos e na cobertura de casas, barracas, entre outras obras da construção civil. Do tronco, fazem-se caibros e linhas para o telhado, e a raiz tem uso medicinal. Ainda nos dias atuais é comum observar o uso do tronco da carnaúba como suporte para cobertura das casas e suas palhas na confecção de materiais utilizados no dia a dia. A cera de carnaúba segue tendo relevante papel na balança comercial do Ceará e é utilizado em diversos ramos da indústria.



SERVIÇO:
Exposição “Carnaúba – Árvore da vida
Local: Museu da Indústria (Rua dr. João Moreira, 143 – Centro) – Horários de funcionamento: de terça a sábado, das 09h às 17h; e aos domingos, das 09h às 13h
Mais informações: museudaindustria-ce.org.br / 3201 3901.


Alba Maria Fraga Bittencourt

Sobre a autora

Alba Bittencourt - Doutorada em Robertologia Aplica e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e Administradora/Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário