Revista National Geographic revela a caça ao tubarão Mako


Neste mês, a National Geographic Brasil investiga a caça ao mako, o tubarão mais rápido dos mares. A espécie pouco estudada luta para escapar dos pescadores. Outro destaque da edição é uma obra-prima da cozinha popular do Brasil, o queijo da Canastra. E, na coluna Vozes, o chef Alex Atala e o ecólogo Jerônimo Villas-Boas alertam para a urgente regulamentação do mel nativo do Brasil, que pode gerar renda e estimular a conservação das espécies.

A edição de outubro da revista National Geographic, que chega essa semana às bancas, tem como reportagem de capa o tubarão Mako. A versátil espécie, apesar de pouco estudada, tem uma reputação hercúlea entre os pescadores, que amam igualmente a sua resistência e a sua carne. Os Makos são muito procurados na pes­ca recreativa e frequentemente apanhados por acidente por barcos comerciais. A qualidade da sua carne equipara-se à do peixe-espada e, na Ásia, as suas barbatanas alcançam alto preço porque são usadas em sopas.

Os "torpedos com dentes" como define o fotógrafo Brian Skerry, que mergulhou entre eles em várias partes do mundo, têm uma dentição própria que permite ao animal capturar e reter peixes igualmente velozes, como o atum e o peixe-espada.  O Mako é de longe o tubarão mais veloz do oceano, podendo nadar a 55 quilômetros por hora. Mas, apesar da sua força e velocidade, os Makos são vulneráveis à sobrepesca, pois têm poucas crias e demoram a atingir a maturidade sexual. Não existem dados suficientes para que as agências de manejo forneçam uma boa es­timativa sobre aumento, declínio ou estabilidade da população. Provavelmente, há um número sustentável para captura e abate, mas qual? Cem, mil, cem mil? Por isso, os biólogos que estudam os Makos tentam preencher algumas dessas enormes lacunas de conhecimento.

Já o queijo mais famoso do Brasil leva o nome da região onde é produzido, no sudoeste de Minas Gerais: a Serra da Canastra, um ambiente de cânions, vales, grutas e nascentes, como a do Rio São Francisco. A reportagem destaca as dificuldades para regulamentar a produção do queijo em um país que importa similares da França e da Suíça – todos fabricados dentro de padrões similares ao da Canastra.

Nas montanhas de Minas, o negócio é familiar: os maridos cuidam da ordenha enquanto as esposas se encarregam de fabricar o queijo. Cada fazenda coloca no mercado por volta de 20 unidades por dia. Mais de 6 mil toneladas de queijo deixam a Canastra anualmente. É um trabalho que exige dedicação integral, 365 dias por ano, faça chuva ou faça sol.

Na mesma edição, uma polêmica envolvendo outro item da culinária brasileira: a importância das abelhas nativas e os desafios para a conservação da sua biodiversidade. O chef Alex Atala e o ecólogo Jerônimo Villas-Boas alertam para a urgente regulamentação do mel peculiar das espécies de abelhas brasileiras. Com alta acidez e muitas nuances de sabor, o mel nativo é uma iguaria gastronômica e poderia, com a sua regulamentação, desenvolver um novo setor da economia e da agricultura.

A National Geographic acredita no poder da ciência, da exploração e da reportagem para mudar o mundo. A revista National Geographic Brasil é uma publicação mensal da editora Content Stuff.

Sobre a ContentStuff Publicações
 
ContentStuff é uma empresa brasileira fundada em 2003 que publica no Brasil a revista National Geographic sob autorização da National Geographic Partners desde dezembro de 2016.

 Sobre a National Geographic Partners LLC

National Geographic Partners LLC (NGP), uma operação conjunta entre National Geographic Society e 21st Century Fox, se compromete a brindar o mundo com conteúdos científicos, de aventura e exploração de primeira linha, através de um portifólio de ativos midiáticos incomparáveis. NGP combina os canais internacionais de televisão da National Geographic (National Geographic Channel, Nat Geo Wild, Nat Geo Mundo, Nat Geo People) com seus ativos midiáticos e orientados ao consumidor, que incluem as revistas National Geographic, National Geographic Studios, as plataformas digitais e de redes sociais relacionadas, livros, mapas, mídia para crianças e atividades complementares, incluindo viagens, experiências e eventos internacionais, vendas de material de arquivo, catálogos, licenciamento e empresas de comércio eletrônico. Impulsionar o conhecimento e a compreensão do mundo tem sido o propósito principal da National Geographic durante 128 anos, e agora, nos comprometemos a aprofundar mais, a ampliar fronteiras e ir mais longe para nossos consumidores, que estão chegando a mais de 730 milhões de pessoas no mundo todo, em 171países e 45 idiomas, todos os meses. NGP destina 27 por cento de seus lucros a National Geographic Society, uma sociedade sem fins lucrativos, para financiar seu trabalho nas áreas da ciência, exploração, conservação e educação. Para mais informações, entrar natgeotv.com ou nationalgeographic.com.

Licenciada em Robertologia Aplicada e Ciências Afins. Redatora militante do Portal Splish Splash e Administradora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal.

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário