Lusitana Maria João faz tributo a Aldir Blanc em show no Sesc 24 de Maio

A cantora Maria João faz show no Sesc 24 de Maio
LUIZ FERNANDO VIANNA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

"Linha de Passe", parceria de João Bosco e Aldir Blanc, começa assim:

"Toca de tatu, linguiça e paio e boi zebu/ Rabada com angu, rabo de saia/ Naco de peru, lombo de porco com tutu/ E bolo de fubá, barriga d'água."
O vocabulário afro-brasileiro e a necessidade de uma prosódia similar não assustaram a portuguesa Maria João.

Cantora renomada no cenário europeu do jazz, ela resolveu gravar "A Poesia de Aldir Blanc" (Selo Sesc), que lança no Sesc 24 de Maio.

"Minha mãe era moçambicana. E o avô que o Aldir tanto amava era português. Minhas raízes africanas se encontraram com as raízes portuguesas dele", diz.
Ela descobriu Aldir graças ao convívio com Guinga.

"É claro que eu conhecia 'O Bêbado e a Equilibrista' e outras, mas não associava ao nome do Aldir. Quando escutei mais coisas, quis fazer o CD", conta ela.

"É uma cantora consagrada escolhendo um letrista brasileiro para uma homenagem incrível. E ainda me deu de presente uma parceria com André Mehmari e duas com Carlos Paredes", aprova Aldir.

Mehmari, um dos principais pianistas brasileiros da atualidade, é o compositor de "O Sonho".

Paredes (1925-2004) é o autor das melodias de "Sede e Morte" e "Movimento Perpétuo", entregues por Maria João a Aldir.

Em "Catavento e Girassol", parceria Guinga/Aldir, ela diz várias vezes a palavra "você", tratamento incomum em Portugal, onde predomina o "tu".

Sua compatriota Carminho, no recente CD dedicado a Tom Jobim, preferiu cantar "Por Causa de Você" em inglês, para evitar desconforto.

"Não vejo problema em cantar 'você'", diz ela. "Há lugares em Portugal em que eu não entendo nada do que dizem. Uma língua, vários sotaques. Isso é o que nos une, não o que nos separa."

A cantora não gosta do óbvio. Selecionou músicas como "O Coco do Coco" (parceria com Guinga), que fala de sexo sem meias palavras, e "Boca de Sapo", crônica afro-carioca em que ela evoca o estilo de João Bosco.

"O Bêbado e a Equilibrista" ficou só voz-e-piano, ela e Mário Laginha, seu parceiro artístico há mais de 30 anos. O bolero "Dois pra Lá, Dois pra Cá" ganhou piano (João Farinha) e efeitos eletrônicos (André Nascimento).

"Quis fazer à minha maneira. Repetir as coisas é bom para estudar, não para criar", diz. Guinga, Mehmari, Farinha, Nascimento e o baterista alemão Silvan Strauss participam dos shows.

MARIA JOÃO - A POESIA DE ALDIR BLANC
QUANDO sáb. (23), às 16h e 21h; dom. (24), às 18h
ONDE Sesc 24 de Maio (R. 24 de Maio, 109, tel. 3350-6300)
QUANTO de R$ 12 a R$ 40
CD R$ 20 (Selo Sesc) 

In:http://www1.folha.uol.com.br

Carmen Augusta

Sobre a autora

Carmen Augusta - Administradora e Redatora do Portal Splish Splash. Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário