Fundação SOS Mata Atlântica reúne ONGs e representantes da sociedade civil para discutir o 8º Fórum Mundial da Água


Encontro realizado em São Paulo na última sexta (15) destacou a importância de as instituições definirem assuntos em comum para serem debatidos no evento
 

A Fundação SOS Mata Atlântica realizou na última sexta-feira (15) o primeiro encontro para debater a participação da sociedade civil e engajar cidadãos no 8º Fórum Mundial da Água, que será realizado em Brasília entre os dias 18 e 23 de março de 2018. A reunião contou com representantes do fórum e da sociedade civil e ocorreu em São Paulo.

Os participantes esclareceram as dúvidas sobre como o evento será estruturado e o seu funcionamento. O fórum será realizado pela primeira vez no hemisfério sul e é o maior evento global sobre o tema. É organizado pelo Conselho Mundial da Água, uma organização internacional que reúne cerca de 400 instituições relacionadas à temática de recursos hídricos em aproximadamente 70 países.

Para organizar as demandas e estruturar as próximas iniciativas das organizações, os participantes decidiram elaborar um documento para definir a participação na Vila Cidadã, espaço gratuito dedicado à sociedade civil, e discutiram sobre os mecanismos existentes para que os temas e pautas da sociedade cheguem ao Fórum Mundial da Água.

A coordenadora da Fundação SOS Mata Atlântica, Malu Ribeiro, ressaltou a importância desse primeiro encontro com outras ONGs para criar um posicionamento político em comum para ser levado ao Fórum. “Nosso grande desafio é trabalhar as políticas públicas de forma integrada, incluindo a água na agenda estratégica dos países e dos cidadãos, pois a água é essencial para a sobrevivência”, afirmou.

Mario Mantovani, diretor de políticas públicas da SOS Mata Atlântica, acredita que sediar um fórum mundial sobre o tema é uma excelente oportunidade para expor o que precisa ser melhorado. “Não podemos deixar que a água seja deixada em segundo plano, assim como está ocorrendo com outras causas ambientais”, enfatiza.

Outro participante do encontro foi o Samuel Barreto, Gerente Nacional de Água da TNC (The Nature Conservancy Brasil) e do Movimento Água para São Paulo. “Essa é uma ótima oportunidade para que divergências sejam deixadas de lado e que governo e sociedade civil busquem um caminho para o bem comum, para a utilização da água com a consciência de todos”, ressaltou.

O Instituto Trata Brasil, formado por empresas com interesse nos avanços do saneamento básico e na proteção dos recursos hídricos do país, também contou com representantes durante o encontro. Para o coordenador de comunicação do instituto, Rubens Filho, esse alinhamento entre as entidades é extremamente importante, pois são elas que conhecem a realidade brasileira. “Essas organizações têm capacidade de transmitir para os chefes de estados a real situação que o Brasil está vivendo: alta crise política e financeira. É necessário juntar esforços por essa causa”, disse.

A reunião também atraiu a professora da área de saúde e pesquisadora da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), Marta Marcondes, que destacou a importância de conscientizar a sociedade sobre o Fórum. “Sempre levo esse tema para sala de aula com o objetivo de trazer atualidades para os alunos, mas, sobretudo, para mostrar a eles que a água tem relação direta com as profissões que eles pretendem seguir. Se tivéssemos saneamento básico e água limpa, teríamos um número bem menor de doenças”, complementou.

Outras organizações que participaram do encontro foram: Aliança pela Água, Biobrás, Engajamundo, IDS (Instituto Democracia e Sustentabilidade), Instituto Akatu, Ipê, IPESA (instituto de Projetos e Pesquisas Socioambientais), Observatório de Governança da Água, Rede Paulista de Educação Ambiental, WWF, além das universidades UFSCAR (Universidade Federal de São Carlos) e Uninove. Lideranças e voluntários que atuam no monitoramento da água dos rios da Mata Atlântica também estiveram no encontro.

Sobre a Fundação SOS Mata Atlântica
A Fundação SOS Mata Atlântica é uma ONG brasileira que atua há mais de 30 anos na proteção dessa que é a floresta mais ameaçada do país. A ONG realiza diversos projetos nas áreas de monitoramento e restauração da Mata Atlântica, proteção do mar e da costa, políticas públicas e melhorias das leis ambientais, educação ambiental, campanhas sobre o meio ambiente, apoio a reservas e unidades de conservação, dentre outros. Todas essas ações contribuem para a qualidade de vida, já que vivem na Mata Atlântica mais de 72% da população brasileira. Os projetos e campanhas da ONG dependem da ajuda de pessoas e empresas para continuar a existir. Saiba como você pode ajudar em www.sosma.org.br.
 

Licenciada em Robertologia Aplicada e Ciências Afins. Redatora militante do Portal Splish Splash e Administradora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal.

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário