Com a vitalidade de uma jovem, Tia Maria é a matriarca do Jongo da Serrinha, que encantou inclusive plateia do Rock in Rio


Com 96 anos, ela não se cansa de dançar e ensinar as crianças da Casa do Jongo, que sem patrocínio, busca apoio em campanha pela Benfeitoria

Um lugar diferente, talvez o maior em que ela já tenha se apresentado. Um público totalmente diversificado, nada parecido com o seu dia a dia, em Madureira.

Contudo, parece que nada faz a senhora Maria de Lourdes Mendes, mais conhecida como Tia Maria, tremer nas bases. Convidada do palco Sunset, em homenagem aos 100 anos do samba, no Rock in Rio 2017, ela dançou, cantarolou e encantou a plateia ali presente e também os que assistiram por outras redes. Com brilho nos olhos, Tia Maria mostrou toda a vitalidade, na maioria das vezes atípica para uma senhora quase centenária.
  
A emoção era visível e foi o ponto alto da apresentação do Jongo da Serrinha, liderado por sua matriarca. “Estou realizada em me apresentar para mais de 50 mil pessoas. Isso nunca passou pela minha cabeça, nem mesmo em sonho. Ainda bem que a velha aqui está com os exames todos em dia, porque subir naquele palco, mostrar a minha dança, a minha raiz e ver um mar de gente se emocionando e dançando o Jongo me arrepiou dos pés à cabeça e trouxe à tona toda minha energia”, conta uma sorridente Tia Maria.




O Jongo da Serrinha é uma organização social com cerca de 60 anos, criada no bairro de Madureira, zona norte do Rio, que promove ações integradas entre cultura, arte, saúde, memória, desenvolvimento social, trabalho e renda. Há 17 anos é uma associação sem fins lucrativos e vem atuando em parceria com o poder público, privado e instituições internacionais para o desenvolvimento social de populações afro-brasileiras. Nessas seis décadas de trabalho continuado, o Jongo da Serrinha virou uma referência da cultura afro-carioca no país.

Porém, neste último ano, a organização está sem patrocínio e vem buscando alternativas para que o trabalho que envolve atendimento a 400 crianças e jovens não pare. Com a participação no Rock in Rio, além do público presente, milhões de pessoas que assistiam pela televisão e internet puderam conhecer um pouco dessa dança que traz muita ancestralidade de suas matrizes africanas. A diretora artística da Casa do Jongo, Lazir Sinval, espera que toda essa repercussão se reverta também em patrocinadores e colaboradores, para os projetos sociais que a ONG realiza.

“O nosso intuito foi levar para esse público não tão comum a nós, um pouco da nossa história enquanto dança e cultura. Quem sabe não conseguiremos mais alguns “sócio-torcedores” do nosso projeto, colaborando com a nossa Benfeitoria. Esperamos que toda essa aparição também traga os recursos tão necessários para mantermos a Casa do Jongo e seu projetos sociais vivos”, finaliza. Para conhecer o projeto Jongo da Serrinha e participar da campanha é só entrar no site https://benfeitoria.com/casadojongo. 

Com contribuições que variam de R$20,00 a R$100,00 é possível se tornar assinante e ajudar este Centro de Memória permanente e as crianças por ele assistidas.
  
SERVIÇO:  
GRUPO CULTURAL JONGO DA SERRINHA
Endereço: Casa do Jongo, Rua Compositor Silas de Oliveira Madureira, RJ

Licenciada em Robertologia Aplicada e Ciências Afins. Redatora militante do Portal Splish Splash e Administradora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal.

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário