Programações da TV Brasil para sábado (12) - Vanessa da Mata solta a voz no Segue o Som



Alba Bittencourt
Portal Splish Splash


Vanessa da Mata solta a voz no programa Segue o Som deste sábado (12)

Artista analisa sua discografia, recorda quando se descobriu cantora e toca sucessos

A cantora e compositora Vanessa da Mata é a convidada de Maurício Pacheco no segundo episódio inédito da nova temporada do programa Segue o Som da TV Brasil neste sábado (12), às 14h.


No repertório, ela canta "Viagem", "Segue o Som" e "Vá Pro Inferno Com Seu Amor". Durante a conversa, Vanessa aborda não só a carreira da cantora, como o valor, muitas vezes desprezado, da composição musical. A artista também fala sobre sua verve escritora.

Dona de sucessos como "Não me deixe só", "Ainda Bem", "Ai, Ai, Ai", "Boa Sorte/Good Luck", "Baú", "Amado", "O Tal Casal", Vanessa começa o papo brincando sobre sua canção e álbum homônimos ao programa da TV Brasil: "Segue o Som" (2014).

Ela explica que considera a expressão muito carioca e leve. "O programa com certeza inspirou", diz. Segundo a cantora, esse projeto segue uma linha diversa de seus trabalhos anteriores, todos com títulos mais pesados e herméticos.


A artista recorda que começou sua carreira como compositora, sem pensar em interpretar suas canções. "Só cantei porque o mundo me levou. Na minha cabeça eu achava muito mais charmoso ser compositora e não queria ser cantora". Vanessa lembra o impacto que teve ao Maria Bethânia gravar sua música "A força que nunca seca".

Sobre a faceta cantora, Vanessa da Mata contextualiza seu álbum "Delicadeza" (2016) como uma variação do padrão mais pop pelo qual vinha passeando. A artista explica que se antes sua voz tinha que ter uma emissão muito forte e poderosa para se sobressair entre tantos instrumentos, agora pôde mostrar todo seu timbre e extensão vocal em shows menores e mais intimistas.

Vanessa e Maurício Pacheco também conversam sobre a importância de se valorizar o compositor, que muitas vezes não é contemplado com o mérito e o retorno financeiro merecidos.

Sobre o fato de compor e cantar suas composições, Vanessa diz que é muito diferente quando você interpreta uma história que é sua: você tem que colocar muito mais a cara à tapa, ser ousada.

Ela conta para o apresentador que durante a juventude tinha um processo criativo extremamente focado e intenso. Vanessa da Mata afirma que se cobrava tanto que tinha a meta de compor três músicas por dia.


"As minhas amigas iam ficar com não sei quem, ir passar carnaval não sei onde, juntar dinheiro pra não sei pra quê. Eu não, eu queria passar a noite escrevendo, era completamente velha, eu me divertia escrevendo, enquanto todo mundo tava na boate eu tava escrevendo. Na minha cidade já me diziam – essa menina é completamente louca", resgata.

Por fim, Vanessa da Mata fala também de sua veia literária ao comentar seu romance "A filha das flores". A convidada explica como distingue o material que rende uma canção daquele que precisa ser alvo de um livro.

A artista afirma que as histórias a perseguem. Vanessa diz que elas são muito poderosas e não a deixam dormir ou comer enquanto ela não senta para escrever. "Eu acho que vou ser uma velhinha escritora", completa.

Sobre o programa

Sob comando dos músicos e pesquisadores Maurício Pacheco e Mariano Marovatto, o programa Segue o Som volta à programação da TV Brasil com 32 episódios de 52 minutos produzidos pela Giros.

A quarta temporada da atração recebe cena musical como Fernanda Abreu, Ivan Lins, Dona Onete, Fernanda Takai e Biquini Cavadão, além de talentos da nova geração como o gaúcho Filipe Catto e os cariocas Filipe Ret e Monique Kessous.

O programa trabalha com uma linguagem hipertextual: mescla entrevistas, performances musicais e informações complementares sobrem os temas debatidos, além de abordar as tendências do universo da indústria fonográfica.

Com um bate-papo intimista, a dupla de apresentadores do Segue o Som investiga as relações entre os diferentes movimentos e gêneros musicais na perspectiva da cena artístical global.

Serviço
Segue o Som – Vanessa da Mata – sábado (12), às 14h00, na TV Brasil


Yamandu Costa é a atração do programa Todas as Bossas deste sábado (12)



Artista gaúcho toca em gravação exclusiva acompanhado de três músicos convidados

Considerado um dos maiores violonistas do país, o gaúcho Yamandu Costa mostra seu talento no programa Todas as Bossas que a TV Brasil apresenta neste sábado (12), às 21h30.

O show gravado no estúdio da emissora pública traz um repertório que reúne composições autorais e obras de grandes astros como Astor Piazzola. Na apresentação exclusiva, Yamandu Costa toca deu violão de sete cordas ao lado de artistas convidados. Participam do espetáculo Bebe Kramer (acordeon), Guto Wirtti (baixolão) e Alessandro Penezzi (violão), músicos que costumam ser seus parceiros de trabalho.

Referência mundial na interpretação do cancioneiro brasileiro, Yamandu Costa Premiado no país e no exterior, o artista tem uma linguagem musical sem fronteiras. Em sua trajetória, percorreu os mais importantes palcos do Brasil e do planeta.


Yamandu participou de grandes festivais e encontros, acompanhou grandes orquestras e é vencedor dos mais relevantes prêmios da musica brasileira. Com performances apaixonadas e contagiantes, ele tem uma criatividade musical que se desenvolve livremente sobre uma técnica aprimorada. O violonista explora as possibilidades do instrumento ao renovar antigos temas e criar composições próprias.

Sobre a atração musical

Apresentado pela jornalista e atriz Karina Cardoso e com direção de Waldecir de Oliveira, o programa Todas as Bossas é um janela para diversos estilos músicais na TV Brasil. A atração traz a cada nova edição um show que contempla a variedade de cantos, ritmos e sotaques do repertório brasileiro.

A proposta da faixa é exatamente apresentar um panorama sobre a diversidade de gêneros que formam a cena da música no país: da MPB ao axé, do samba ao rock, do romântico ao experimental.

SERVIÇO:
Todas as Bossas – Yamandu Costa – sábado (12), às 21h30, na TV Brasil
Todas as Bossas – Yamandu Costa – terça (15) para quarta (16), à meia-noite, na TV Brasil


Guilherme Weber conversa com Natália Lage sobre drama "Deserto" na TV Brasil



Longa marca a estreia do ator curitibano na direção de um longa-metragem

Primeiro filme do ator Guilherme Weber como cineasta, o longa "Deserto" é um dos temas da entrevista que o artista concede à apresentadora Natália Lage no programa Revista do Cinema Brasileiro inédito que vai ao ar neste sábado (12), às 23h, na TV Brasil.

Weber comenta o drama que aborda os desafios de uma trupe circense em viagem pelo sertão do país. Após desistirem da vida nômade, os velhos artistas se instalam em uma pequena cidade abandonada no interior do Nordeste.


No papel de Dom Aleixo, o veterano Lima Duarte comanda o errante grupo mambembe que experimenta uma outra forma de estar na sociedade, mas enfrenta desafios para viver em comunidade no vilarejo deserto.


A trama do longa de Guilherme Weber é livremente inspirada na história de realismo fantástico do livro "Santa Maria do Circo", romance do escritor mexicano David Toscana. O filme "Deserto" já obteve reconhecimento da crítica. O longa recebeu o Prêmio de Melhor Direção no Los Angeles Brazilian Film Festival e de Melhor Direção de Arte no Festival de Brasília.


Depois de construir uma sólida carreira como ator e diretor teatral, Guilherme Weber estreia na direção cinematográfica com "Deserto". Além de comentar o filme, o convidado recorda o início da carreira, reflete sobre sua relação com o teatro e fala sobre Curitiba, sua cidade natal.

O Revista do Cinema Brasileiro deste sábado visita ao set do filme "10 Segundos", do diretor José Alvarenga sobre o ídolo do boxer, Eder Jofre. A produção conta com Daniel de Oliveira no papel principal, Osmar Prado como o pai de Eder e Ravel Andrade fazendo o irmão mais novo.

O programa vai mostrar a diretora Bárbara Tavares responsável pelo documentário "Hermógenes" que narra a trajetória de vida de um dos mais importantes incentivadores e praticante do ioga no mundo.

Vencedor do prêmio de documentário no Festival de Cannes em 2016, com o documentário "Cinema Novo", o diretor Eryk Rocha analisa o projeto. O cineasta explica que não é um filme sobre o cinema novo, mas com o cinema novo.


No quadro memória, a apresentadora Natália Lage relembra o filme "Sagarana", de Paulo Tiago, uma viagem pelo sertão mineiro com a literatura de Guimarães Rosa. A documentarista Maria Augusta Ramos fala do filme "Seca", um roadmovie sobre os caminhões pipa que tentam abastecer as pessoas no interior de Pernambuco, como parte de programa dos governos estadual e federal.

Os atores Alex Reis e Paula Judice falam sobre o filme "Órfãos" que conta a história de um médico que vai até o Pará e redescobre suas raízes e sua paixão.

SERVIÇO:
Revista do Cinema Brasileiro – sábado (12), às 23h, na TV Brasil

Licenciada em Robertologia Aplicada e Ciências Afins. Redatora militante do Portal Splish Splash e Administradora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal.

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário