Unesco distingue cientistas do Brasil e de Portugal

Irina Bokova - Foto: Rick Bajornas/ONU  

A diretora-geral da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco), Irina Bokova, anunciou os três vencedores do Prêmio Internacional Unesco-Guiné Equatorial para Pesquisa em Ciências da Vida 2017. Dois dos distinguidos vivem em Portugal e no Brasil e o terceiro é uma organização de Israel.

Portugal Digital

Dois dos ganhadores estão no Brasil e em Portugal. A cerimônia de premiação será realizada em 4 de dezembro em Djibloho, na Guiné Equatorial. Cada um dos três vencedores receberá US$ 100 mil dólares, uma estatueta feita pelo artista Leandro Mbomio e um certificado.

Um dos vencedores é Rui Luis Gonçalves dos Reis, da Universidade do Minho, em Portugal. A Unesco cita suas “contribuições inovadoras” nas áreas de “biomateriais e suas aplicações biomédicas”, incluindo engenharia de tecidos e medicina regenerativa, entre outras.

Ivan Antonio Izquierdo, do Instituto de Pesquisa Biomédica da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, também foi premiado. No anúncio da premiação, a agência refere suas descobertas em “elucidar mecanismos de processos de memória”.

A Organização de Pesquisa Agrícola do Centro Volcani, em Israel, também recebeu o prêmio criado pela Guiné-Equatorial.

As recomendações para os vencedores são feitas por um júri composto de especialistas internacionais da área de ciências da vida.

O Prêmio Internacional Unesco-Guiné Equatorial para Pesquisa em Ciências da Vida premia excepcionais projetos de pesquisa científica que tenham levado a uma melhora na qualidade de vida humana. Esta é a quarta edição do prêmio.


Alba Maria Fraga Bittencourt

Sobre a autora

Alba Bittencourt - Doutorada em Robertologia Aplica e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e Administradora/Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário