Olimpíada Internacional de Matemática termina com festiva cerimônia de entrega das medalhas


Coreia do Sul, China e Vietnã ficam no topo do ranking na competição, em que o Brasil conquista duas medalhas de prata e uma de bronze
 
 
Alba Bittencourt
Portal Splish Splash


Os mais talentosos estudantes de matemática de todo o mundo foram homenageados neste sábado (22) com a entrega das medalhas de ouro, prata e bronze conquistadas na 58ª Olimpíada Internacional de Matemática (IMO), realizada pela primeira vez no Brasil. Iniciada no dia 17, a IMO 2017 aconteceu no Rio de Janeiro. Esta é a mais antiga e prestigiada competição científica para alunos do Ensino Médio. A Coreia do Sul conquistou o primeiro lugar, seguida por China e Vietnã.

Organizada pelo Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), a IMO 2017 teve a participação recorde de 623 estudantes de 111 países de cinco continentes. Nestes seis dias, o Brasil foi o foco das atenções da comunidade matemática internacional, integrada por milhões de profissionais, estudantes e admiradores.

A Coreia do Sul foi a primeira colocada, encerrando a hegemonia de Estados Unidos e China, vencedores das últimas quatro disputas. China ficou em segundo, e Vietnã em terceiro, deixando os EUA em quarto, e o Irã em quinto.

O Brasil conquistou três medalhas e três menções honrosas na IMO 2017. João César Vargas, 19 anos, e Davi Cavalcanti Sena, 17, ganharam prata; George Lucas Alencar, 18, bronze. André Yuji Hisatsuga, 17, Bruno Brasil Meinhart, 16, e Pedro Henrique Sacramento, 18, receberam menção honrosa.

As equipes nacionais formadas por até seis estudantes se dedicaram, durante dois dias, a resolver seis problemas desafiadores elaborados para a competição. De acordo com o Júri Internacional, a prova desta edição foi uma das mais difíceis da história da IMO, iniciada em 1959 na Romênia, país europeu que abrigará a edição do próximo ano, a 59ª.

Cerimônia de Encerramento

Como a abertura, a solenidade de encerramento foi marcada por festa, música e emoção. Ao final, ao som da escola de samba mirim Império do Futuro e do coral Projeto More, as cerca de mil pessoas que lotaram o auditório do hotel Windsor Oceânico, muitas delas com medalha no peito e carregando as bandeiras de seus países, sambaram e se divertiram.

O diretor-adjunto do IMPA, Cláudio Landim, agradeceu o apoio dos Ministérios da Educação e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, representados no encerramento pelos respectivos secretários-executivos adjuntos, Felipe Sigollo e Alfonso Orlandi Neto. Landim enalteceu o patrocínio oficial do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O gerente do Departamento de Educação, Bens de Consumo, Comércio e Serviços do BNDES, Job Rodrigues Teixeira Júnior, recebeu uma placa do IMPA em agradecimento a apoio à IMO 2017.

“Tenho a esperança de que vocês, quando voltarem aos seus países, levarão daqui uma mensagem de paz”, disse Landim, dirigindo-se aos competidores.

Premiação para as mulheres
 

A grande novidade desta 58ª edição da Olimpíada Internacional de Matemática foi a premiação de mulheres. As cinco competidoras que mais contribuíram no desempenho de seus países receberam o Troféu Meninas Olímpicas: Garam Park, de Botswana; Carolina Ortega Pérez, da Colômbia; Qi Qi, do Canadá; Violeta Naydenova, da Bulgária; e Dain Kim, da Coreia do Sul.

A premiação, sugerida pelo IMPA para estimular a presença feminina nas competições matemáticas, será incorporada às próximas edições. O prêmio é ainda uma homenagem à iraniana Maryam Mirzakhani, ganhadora da Medalha Fields e de dois ouros na IMO, que morreu dia 14, aos 40 anos.

Brasileiros
 

Com malas prontas para estudar Matemática na Universidade Princeton, nos Estados Unidos, o mineiro João César se despede da IMO com louvor: ele conquistou medalhas em suas três participações: já ganhara prata em 2016 e bronze em 2015. Nascido em Passa Tempo (MG) – onde estudou em escola pública até o Ensino Fundamental – João é heptacampeão na OBMEP (Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas) e tem dois ouros da Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM).

O medalha de prata pernambucano Davi Sena foi premiado na OBM três anos seguidos. Em 2016, conquistou bronze na Olimpíada Iraniana de Geometria Avançada e, este ano, trouxe um ouro na Olimpíada de Matemática da Ásia e Pacífico. O cearense George Lucas Alencar ganhou bronze na IMO pelo segundo ano consecutivo. Em 2016, teve a segunda nota do país na OBM e garantiu prata na 31ª Olimpíada Ibero-americana de Matemática, no Chile.

A primeira IMO aconteceu em 1959, na Romênia, com sete países do bloco socialista. O Brasil iniciou sua participação na IMO em 1979 e conquistou 25 medalhas e 32 menções honrosas. Em 2016, teve a melhor colocação na competição: 15ª lugar, com cinco pratas e um bronze.
A IMO 2017 integra Biênio da Matemática Brasil 2017-2018, que tem apoio dos ministérios da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e da Educação, e patrocínio do BNDES. Instituído em 2016, o Biênio reúne os principais eventos mundiais da área – IMO e Congresso Internacional de Matemáticos 2018 – e ações para incentivar o estudo da disciplina, popularizá-la e promover atividades que aproximem o público da Matemática.

Confira as fotos da IMO: www.flickr.com/photos/impaoficial

ATLETAS DO BRASIL

João César Campos Vargas (MEDALHA DE PRATA NA IMO 2017)
“Competições como a IMO premiam também quem pensa nas resoluções de forma diferente da usual”, disse João César, antes da IMO. Ele quer seguir carreira em Matemática e foi selecionado pela Universidade Princeton, nos EUA. Aos 19 anos, coleciona medalhas desde que participou de sua primeira Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) como aluno de escola pública de Passa Tempo (MG). Heptacampeão na competição, conquistou ouro também nas duas últimas edições da Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM) e garantiu em edições anteriores da IMO um bronze (2015) e uma prata (2016) para o Brasil.

Davi Cavalcanti Sena (MEDALHA DE PRATA NA IMO 2017)
O pernambucano Davi Cavalcanti Sena, 17 anos, estreou nas competições de Matemática em 2012. A partir de então, não parou mais. Por três anos consecutivos, foi medalhista da OBM, com ouro (2014), prata (2016) e bronze (2015). Em 2013, o aluno de escola particular de Caruaru, no agreste pernambucano, ganhou bronze na Olimpíada Internacional de Matemática de Mayo e repetiu o feito em 2015. No ano passado, conquistou bronze na Olimpíada Iraniana de Geometria Avançada e, este ano, trouxe um ouro na Olimpíada de Matemática da Ásia e Pacífico. Davi se vê desafiado pela criatividade das provas aplicadas nos torneios.

George Lucas Diniz Alencar (MEDALHA DE BRONZE NA IMO 2017)
Pelo segundo ano consecutivo, o cearense George Lucas Diniz Alencar, 18 anos, conquistou bronze ao enfrentar os problemas matemáticos de alto nível da IMO. O ano de 2016 foi de muitas vitórias para o estudante. Além do ótimo desempenho na IMO, teve a segunda nota em todo o país na Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM). Garantiu ainda uma medalha de prata na 31ª Olimpíada Ibero-americana de Matemática (OIM), no Chile, quando o Brasil disputou com 22 países e ficou em primeiro lugar na pontuação geral.

André Yuji Hisatsuga (MENÇÃO HONROSA NA IMO 2017)
Estreante na mais disputada competição internacional de Matemática, o paulistano André Yuji Hisatsuga, 17 anos, dizia, na fase de treinamentos para IMO, que integrar o time brasileiro já seria uma grande realização. Desde que passou a se dedicar aos torneios na área, André acumula prêmios. Há quatro anos, é medalhista de ouro da Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM), no nível 3 (Ensino Médio). Em competições internacionais, ganhou medalha de prata na Olimpíada de Matemática do Cone Sul (2015) e ouro na Olimpíada de Matemática dos Países da Comunidade de Língua Portuguesa (2014). Para ele, “olimpíadas são ambientes que inspiram o estudante."

Bruno Brasil Meinhart (MENÇÃO HONROSA NA IMO 2017)
Após três anos consecutivos de medalhas na Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM) – ouro (2014), bronze (2015) e prata (2016) –, o cearense Bruno Brasil Meinhart, 16 anos, integrou a equipe olímpica do Brasil na IMO. Em 2016, ganhou bronze na Olimpíada Rioplatense de Matemática e, em 2015, alcançou o 5º lugar geral na Olimpíada de Matemática da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, em Cabo Verde. Bruno estreou em olimpíadas do conhecimento na 5ª série. É um aficionado por Ciências da Computação e diz que os conhecimentos adquiridos nos torneios de Matemática serão essenciais para o bom desempenho na área.

Pedro Henrique Sacramento de Oliveira (MENÇÃO HONROSA NA IMO 2017)
O paulista Pedro Henrique Sacramento de Oliveira, 18 anos, foi duas vezes medalhista de prata da IMO, em 2016 e 2015. O caminho trilhado até o topo das competições de Matemática foi construído com muita dedicação e resultou em mais de 50 prêmios em torneios de conhecimento. Em 2016, além de ter integrado a equipe que garantiu ao Brasil a melhor colocação histórica na IMO – 15ª no ranking geral –, Pedro foi o primeiro lugar geral na Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM). Ele deseja estudar Matemática e Informática na graduação.

Alba Maria Fraga Bittencourt

Sobre a autora

Alba Bittencourt - Doutorada em Robertologia Aplica e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e Administradora/Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário