Comédia “A peça ao lado”, inspirada na obra de Jean Tardieu, estreia dia 4 de agosto na Sede das Cias


Montagem inédita marca parceria entre a Cia Ao Lado e o diretor Delson Antunes

 
Alba Bittencourt
Portal Splish Splash


Durante uma noite chuvosa, um grupo de atores mambembes ocupa um teatro público no intuito de se proteger. Encantado com o local, encontra textos do dramaturgo francês Jean Tardieu e inicia encenações divertidíssimas até que esses atores sejam expulsos pelo administrador do espaço que não os reconhecem como artistas. Com humor ácido, crítico e um texto livremente inspirado no universo de Tardieu e em Dario Fo, a montagem inédita de “A Peça ao Lado” marca a primeira parceria entre a “Cia Ao Lado” e o diretor Delson Antunes, que também assina a adaptação do texto ao lado de Victor Lósso e dos atores da Cia Ao Lado.  A peça conta ainda com a pesquisa de Clown e Bufão orientada por Daniela Carmona e traz no elenco João Telles, Luíza Surreaux, Marcos Guian, Milla Fernandez e Valléria Freire, acompanhados pelos músicos Dani Ruhm e Pedro Botafogo. A estreia acontece dia 4 de agosto na Sede das Cias onde cumpre temporada de sexta a segunda, às 20h, até o dia 28 de agosto.

“A Peça ao Lado é um espetáculo construído com diversas referências da comédia universal, como a Commedia dell’art, o melodrama e a farsa. O roteiro é o resultado de uma pesquisa de linguagens, com um grupo de jovens atores. É uma comédia aparentemente despretensiosa, mas, além de divertir, aos poucos se torna uma reflexão crítica sobre o teatro e sobre alguns valores da nossa sociedade. Uma homenagem aos artistas que dedicaram as suas vidas a essa arte milenar e seu poder de comunicar, emocionar e transformar o homem”, conta Delson, que desde o final de 2016 se reúne com os atores num processo colaborativo.

A falta de lugares para se apresentar, o emparelhamento da máquina pública, o não reconhecimento de artistas mambembes e qualquer outra crítica social não são apenas meras coincidências com a realidade atual do país. Essas coincidências são abordadas de maneira a levar o público à reflexão.

“Estou muito grata a toda a equipe envolvida no projeto, cada um foi se chegando a seu tempo e contribuindo da melhor forma possível. Tudo isso deu muito confiança para todos nós atores, que iniciamos este encontro em um curso de teatro e agora vamos levar o resultado para o público” – diz Valléria, realizadora e atriz da peça.

A peça reflete sobre a profissão do teatro fora do glamour dos palcos e do audiovisual. Do grupo mambembe, de rua, que se alimenta puramente do amor à arte. O desafio foi criar uma dramaturgia que amarrasse os esquetes do texto de Tardieu.

“O grupo se reúne com os diretores desde o ano passado, debatendo sob qual trama gostaríamos que esses esquetes fossem apresentados. O resultado veio desses encontros e de improvisos que foram feitos durante os ensaios. Busca-se a crítica à seletividade artística e a criminalização da arte, tão presente atualmente. Não é à toa que os personagens são inspirados em bufões que são, em sua essência, dejetos, perdedores sociais. Ao mesmo tempo, celebra-se e promove o enaltecimento ao teatro”, conclui Victor Lósso, que assina a adaptação.

SINOPSE: Um grupo de teatro mambembe se apropria de Jean Tardieu, realizando uma reflexão jocosa sobre o fazer teatral.

FICHA TÉCNICA

Texto: Inspirado em Jean Tardieu
Adaptação: Delson Antunes, Victor Lósso e Cia Ao Lado
Tradução de Uma Peça por Outra: Grupo Tapa
Direção: Delson Antunes
Elenco: João Telles, Luíza Surreaux, Marcos Guian, Milla Fernandez e Valléria Freire
Pesquisa de Clown e Bufão: Daniela Carmona
Músicos: Dani Ruhm e Pedro Botafogo
Iluminação: Luiz Paulo Nenen
Cenário: José Dias
Figurino: Desirée Bastos
Direção Musical: João Telles
Assistentes de direção: Kiko do Valle e Rafael Telles
Figurinista assistente e costura: Bruna Falcão
Cenotécnico: Pará Produções e Eventos
Operador de luz: João Pedro Meirelles
Voz em off: Kiko do Valle
Programação visual: Letícia Moraes
Fotógrafa: Elisa Mendes
Assessoria de imprensa: Minas de Ideias
Produção: Valléria Freire
Direção de Produção: Renata Campos
Realização: Valléria Freire

SERVIÇO

A peça ao lado
Estreia: Dia 4 de agosto
Horário: De sexta a segunda-feira – 20h
Local: Sede das Cias
Endereço: Rua Manuel Carneiro, 10 – Escadaria do Selarón - Lapa - Telefone: (21) 2137-1271
Temporada: De 4 a 28 de agosto
Classificação: 12 anos
Preço: R$ 40,00 inteira / R$ 20,00 meia
Duração: 60 min.
Gênero: Comédia

Currículos

Delson Antunes é diretor, ator, professor, dramaturgo e pesquisador de teatro. Licenciado em Artes Cênicas pela Universidade de Brasília (UnB), concluiu Mestrado em Teatro pela UniRio, especializando-se em História do Teatro Musical Brasileiro, em 1996. Como ator e diretor participa de mais de 40 espetáculos teatrais, apresentados em Brasília, Rio de Janeiro e em diversas cidades brasileiras. É professor de Interpretação Teatral na Escola de Atores Wolf Maya. Entre seus últimos trabalhos em teatro, estão o roteiro e assistência de direção do espetáculo "Sapatinhos Vermelhos", de Caio Fernando Abreu, dirigido por Camilla Amado, em 2006. No mesmo ano dirige "Entre Quatro Paredes", de Jean Paul Sartre, apresentada no Teatro Villa-Lobos. Em 2007, roteiriza e dirige "O Homem Vivo", de Bertold Brecht. Ainda em 2007, dirige "Anjo Malaquias", de Afonso Drummond e Eloí Calage, sobre a obra o poeta gaúcho Mário Quintana. Recentemente, assina a direção dos espetáculos: "A Lição e A Cantora Careca", de Eugène Ionesco, em co-direção com Camilla Amado; "Homens", baseado na obra de Caio Fernando Abreu; "Se Eu Fosse Eu", espetáculo de teatro itinerante sobre a obra de Clarice Lispector; "Sarau em Comemoração ao Centenário de Vinícius de Moraes" e "Sarau de Clarice".

Luíza Surreaux - Atriz e cantora. Seus estudos iniciaram-se no TEPA- Teatro escola de Porto Alegre. No início de sua carreira realizou algumas peças em sua cidade, Porto Alegre/RS. No ano de 2006, se mudou para Barcelona onde estudou na escola Estudis de Teatre Berty Tovias e na escola Memory de teatro musical. Após sua formação entrou para a companhia de teatro Grata Compañia, realizando o espetáculo Cyrano de Bergerac e viajando por toda Espanha. Na Espanha, realizou várias performances dentre elas A Noiva Cadáver que a levou a um dos maiores festivais de estátuas humanas do mundo, o Wold Living Statues Festival na Holanda. Retornou ao Brasil em 2010 dando sequência à sua carreira de atriz, realizando peças teatrais, o seu primeiro papel na TV na série Grenal é Grenal da RBSTV e realizando o seu primeiro longa-metragem, Os Senhores da Guerra, sendo indicada como melhor atriz coadjuvante no Festival de Cinema de Gramado. Em 2013 se mudou para o Rio de Janeiro onde participou do filme Os Caras de Pau, fez participações em novelas, series e realizou peças teatrais. Seus mais recentes trabalhos foram a participação na minissérie Nada Será Como Antes da Rede Globo e o musical Alice no País das Maravilhas que ficou oito meses em cartaz no Teatro Vannucci e no teatro Imperator.

João Telles é ator e músico, formado pela Escola de atores Wolf Maya, começou no teatro na peça As coisas que fizemos e não fizemos, de Matheus Souza, em 2013. Participou do musical Godspell, dirigido por João Fonseca, em 2015. Fez algumas participações na tv e no cinema como Mister Brau, da Rede Globo, e Minha Mãe é uma Peça 2, de Paulo Gustavo. Atualmente está ensaiando para a peça Ubu Rei, de Alfred Jerry, com direção de Daniel Herz. No elenco nomes como Marco Nanini, Rosi Campos e a Cia Atores de Laura.

Marcos Guian Marcos Guian é ator formado em Artes Cênicas pela UNIRIO.  Iniciou sua trajetória teatral em Santa Catarina, onde montou espetáculos com seu primeiro grupo de teatro - Os "Atores do Imperador". Em 2011, mudou-se para o Rio de Janeiro na intenção de aperfeiçoar sua carreira. Guian passou pelo Tablado, onde estudou com Guida Vianna e Ernesto Piccolo. Frequentou aulas do professor Daniel Herz na Casa de Cultura Laura Alvim e também foi aluno de Cininha de Paula e Wolf Maya. Participou do Festival de Curitiba com o espetáculo "Relações Perigosas", dirigido por Rubens Lima Júnior. Também integrou o elenco (como stand-in) dos espetáculos "Fazendo História", "O olho Azul da Falecida" e "O Auto da Compadecida" da CIA LIMITE 151. Fez a série de TV "Megassaudável" do canal Multirio e participações na minissérie Plano Alto (Record) e nas novelas Malhação e A Regra do Jogo (Globo).

Milla Fernandez - Formada na Escola de Atores do Wolf Maya, aluna do Curso de Cinema da PUC RJ, Já protagonizou dois longas-metragens: "Christabel" direção de Alex Levy-Heller e "Chicas Cariocas" direção de Wolf Maya.

Valléria Freire - Atriz e cantora. “O Homen Que Sabia Javanês”, direção Delson Antunes, peça que fez parte do evento-A Cena Da Cidade-Ibam. Participação como atriz nos Saraus de Clarice Lispector, direção Delson Antunes no Teatro do Ibam. Peça baseada em de textos de Clarice Lispector, direção Delson Antunes, Teatro Café Pequeno do Leblon. Montagem da peça “E Quem Somos Nós” (esquetes de Karl Valentim e poemas de Brecht) com direção de Camilla Amado e figurino de Analú Prestes, Centro Cultural Solar de Botafogo. “Evita Perón”- Musical,  direção Paulo Afonso de Lima. “Deus lhe Pague”, direção Lígia Ferreira, supervisão geral Bibi Ferreira. Oficina de musical com Gustavo Gasparani - montagem de cenas do espetáculo “Otelo da Mangueira”. Curso de cenografia com Hélio Hechbauer com montagem de peça conferência “Suíte Brasileira” no Espaço Tom Jobim. Curso de interpretação para cinema no “New York Film Academy” com o Diretor Paul Warner. Curso de interpretação para cinema com Fábio Barreto. Formada pela Escola de Atores Wolf Maya, seus trabalhos mais recentes foram nas peças: “As Falecidas” com direção de Flávia Pucci e “Eis a Questão” com direção de Daniel Herz, no Teatro Nathalia Timberg.

 

Licenciada em Robertologia Aplicada e Ciências Afins. Redatora militante do Portal Splish Splash e Administradora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal.

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário