Obra da Editora do Brasil aborda revolução constitucional de 1932


“Uma história de ouro e sangue” promove viagem no tempo e transporta o leitor aos fatos que marcaram a Revolução de 1932

Por meio de uma narrativa atual e a reconstrução de cenário histórico, o leitor tem a oportunidade de refletir sobre um dos movimentos mais importantes do País

                                                                                                                               
Alda Jesus
Portal Splish Splash

Em “Uma História de Ouro e Sangue”, que faz parte da coleção Histórias da História, da Editora do Brasil, Manuel Filho cria um interessante enredo que recorda, de forma bastante clara, fatos e acontecimentos da Revolução Constitucionalista de 1932, um capítulo fundamental para a história do Brasil e de São Paulo.

O livro inicia-se com a narrativa sobre Afonsinho, um office-boy que obtém seu primeiro emprego em um tradicional escritório de advocacia, localizado no histórico edifício Ouro Para o Bem de São Paulo, região central da capital. O prédio antigo foi construído com o valor obtido pela campanha que buscava arrecadar ouro para financiar a Revolução de 1932, movimento que tinha como objetivo lutar por uma nova Constituição, promessa do então presidente Getúlio Vargas, que até então não se concretizara.

Em uma viagem ao tempo, o jovem vê-se subitamente arremessado de uma maneira lúdica aos episódios reais que antecederam a revolução dos paulistas. Ao passear pelos pontos históricos que fizeram parte do cenário do movimento, como Praça da Sé, Praça do Patriarca, Rua Direita, Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, Viaduto do Chá, Rua São Bento e Rua Líbero Badaró, o protagonista passa também a conviver com importantes personagens da revolução, como Martins, Miragaia, Dráuzio e Camargo (MMDC) e, outros tantos combatentes que não gravaram seus nomes nos livros de História, mas que em alguns casos entregaram a própria vida na defesa de uma causa que consideravam justa.

Para melhor reconstruir o ambiente da obra, o autor esteve presente em vários desses locais descritos no livro, incluindo o próprio edifício em que o protagonista vive grande parte de sua história. “Estive no museu da Revolução de 32, presenciei o desfile que ocorre todos os anos no Parque do Ibirapuera, li vários livros históricos sobre o assunto e fiz pesquisas no site da Biblioteca Nacional, em revistas e jornais originais da época. Também realizei entrevistas com pessoas que se lembravam dos eventos. Em seguida, deixei a imaginação funcionar e criei uma maneira lúdica de contar a história para os leitores”, descreve.

“O tema é absolutamente atual e envolve assuntos como cidadania, solidariedade e eventos bélicos. Praticamente, é um retrato de nosso mundo presente, no qual as pessoas estão buscando melhores condições de vida em todas as partes do planeta”, afirma o escritor.

A ideia nasceu da curiosidade do autor sobre o assunto. Ele guarda recordações de seus tempos de infância, como do episódio no qual conheceu um senhor que afirmou ter avistado combatentes cruzando sua cidade, Mogi das Cruzes, em um trem. “Ele (senhor) recordou-se de ter acenado para os homens que se dirigiam para os combates que ocorreram no interior de São Paulo. Sempre é muito triste constatar que foi necessária uma guerra para se tratar questões que poderiam ter sido resolvidas diplomaticamente”, acredita.

Despertar a curiosidade por meio da literatura, envolvendo a aprendizagem ao contar episódios reais da história é o principal objetivo do livro. Os fatos descritos e a ambientação bem construída fazem com que o leitor sinta-se como personagem principal da obra, parte integrante de tão importante acontecimento.

Sobre o autor:
Manuel Filho é escritor, ator, compositor e cantor. Redige para a TV, rádio e teatro. Trabalhou na extinta Rede Mulher, TV Record e TV Senac. Integra o projeto Literatura Viva, do Sesi, desde 2011. Possui mais de 30 livros publicados por diversas editoras, como Escala Educacional, Melhoramentos, Paulus, Saraiva, entre outras. Pela Editora do Brasil, possui mais três livros publicados, entre eles “Vento forte, de sul e norte” e “Sensor: o Game”, que integrou o catálogo oficial da CBL na feira do livro em Frankfurt. Recebeu o prêmio Jabuti (2008), o Selo de Acervo Básico da FNLIJ (2011), foi finalista do Prêmio Açorianos de Literatura (2013), além de ter sido selecionado para o PNBE (2014) e para outros prêmios.

Sobre a Editora do Brasil:
Fundada em 1943, a Editora do Brasil atua há mais de 70 anos com a missão de mudar o Brasil por meio da educação. Como empresa 100% brasileira, foca a oferta de conteúdos didáticos, paradidáticos e literários direcionados ao público infantojuvenil. Foi fundadora da CBL, SNEL, FNLIJ, IPL e da Abrelivros. Os títulos estão disponíveis para comercialização por meio da loja virtual da Editora Brasil (http://www.editoradobrasil.com.br/lojavirtual/) ou nas lojas físicas, em São Paulo (Rua Conselheiro Nébias, 887 – Campos Elíseos, São Paulo - SP), Rio de Janeiro (Rua do Bispo, 150 - Rio Comprido-RJ) e Natal (Rua dos Caicós, 1533 – Alecrim, Natal- RN).

Serviço:
Autor: Manuel Filho
Ilustração: Daniel Araujo
Formato: 17 x 24 cm
Número de páginas: 120
ISBN: 978-85-10-06329-6
Preço sugerido: R$ 53,10
www.editoradobrasil.com.br
Alda Jesus

Sobre a autora

Alda Jesus - Doutorada em Robertologia Aplica e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário