Jornalista americano lista maneiras de trabalhar legalmente nos EUA

 
Seth Kugel lista diversas maneiras de trabalhar legalmente nos EUA

Com a ajuda de um advogado de imigração o jornalista explicou a política dos vistos mais comuns e algumas maneiras de conseguir o green card


Alba Bittencourt
Portal Splish Splash


Seja por um período temporário ou de maneira permanente, um dos sonhos de muitos brasileiros atualmente é poder viver nos EUA. Para ajudar nessa questão o jornalista Seth Kugel listou resumidamente diversas maneiras de trabalhar legalmente em território americano em seu canal Amigo Gringo na Snack, rede multiplataforma de canais.

Quem forneceu todas as informações para o youtuber foi seu amigo Bryan Pu-Folkes, advogado de imigração. No vídeo Kugel explica que o visto e a sigla do mesmo muda de acordo com o objetivo nos EUA, e que cada tipo de visto possui regras e fatores diferentes. Por exemplo: i1 é o visto de jornalistas, mas fica estabelecido que eles só podem trabalhar para veículos de fora, nunca para jornais americanos. O h1c é o visto para enfermeiras, mas é obrigatório que elas tenham inglês fluente e uma certificação dos EUA.

Outros vistos comuns como o H1B (profissionais), H2B (trabalhadores temporários), H2A (trabalhadores temporários agrícolas), L1 (empresário), J1 (au pair), P1 (atleta ou músico), R1 (trabalhador religioso), B1 (empregada doméstica) e F1 (estudante) também foram explicados pelo youtuber.

Para morar de maneira permanente e conseguir o Green Card Seth explica que a maneira mais usual é se casar com um americano. A boa notícia é que atualmente a regra também se aplica para casais homossexuais, o que não acontecia antes.

O jornalista também ressalta uma política social pouco conhecida pela maioria: a lei de Violência Contra as Mulheres (Violence Agains Women Act ou VAWA). “Se você está aqui e você não tem green card e é abusada pelo marido, você pode ser elegível para o green card. A ideia é que o governo não quer que você fique com um marido que vai te dar cidadania se você está sendo abusada”, explica.

Seth lembra que as dicas servem para nortear quem está procurando respostas sobre assunto, mas aconselha a contratação de um profissional em caso de maiores dúvidas, visto que todos os processos são complexos e envolvem particularidades.

Veja o vídeo na íntegra aqui: https://www.youtube.com/watch?v=3jIL4vuEQ6U

Serviço:

Amigo Gringo
Vídeo novo todas às terças e sextas, às 10h
Para se inscrever no canal: http://www.youtube.com/user/canalamigogringo

Sobre a Rede Snack

A Rede Snack, fundada pelos publicitários Vitor Knijnik e Nelson Botega, é uma rede multiplataforma brasileira. Ela cria, produz, desenvolve e distribui conteúdo original multiplataforma (YouTube, Facebook, Snapchat, SVODs), e possui 3 unidades de negócio.

Snack Creators - área de production service, comercialização e gerenciamento para os talentos mais influentes do país como PC Siqueira, Barbixas, Flavia Pavanelli, entre outros.

Snack Studios - área de desenvolvimento e produção de séries originais multiplataforma, como o Amigo Gringo apresentado por Seth Kugel, conhecido por sua coluna The Frugal Traveler do New York Times, OK!OK!, canal sobre o mundo pop mais visto do YT Brasil, Vendi meu Sofá com a fitness girl Gabriela Pugliesi, Nosso Canal, apresentado pelas garotas mais bombadas da internet, Casa do Saber, de entretenimento cultural, entre outras séries originais.

Snack Brands - serviços de criação, produção, mídia e inteligência audiovisual digital para agências e marcas. A área é responsável pela criação e produção do maior canal de marca do YouTube Brasil, Mundo da Menina by Pampili, que já ultrapassou 1M de inscritos, em parceria com a Sociedade Criativa da publicitária Tetê Pacheco.

A Rede Snack tem mais de 13 milhões de inscritos no YouTube, 13 mil vídeos publicados, mais de 1,7 bilhões de visualizações.
Alba Maria Fraga Bittencourt

Sobre a autora

Alba Bittencourt - Doutorada em Robertologia Aplica e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e Administradora/Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário