Erasmo Carlos fala sobre música, carreira e Roberto Carlos, “meu amigo, meu irmão, meu camarada, meu compadre"


Erasmo fala sobre música, carreira, Roberto e se irrita sobre biografia não autorizada

Toni Rodrigues

O cantor e compositor Erasmo Carlos, ao falar conosco, disse que gosta muito de vir ao Piauí especialmente por conta da forma calorosa como é recebido pelo público teresinense. Ele fará show na capital na próxima segunda-feira, 12 de junho, Dia dos Namorados. Ele concedeu entrevista à FM Cultura de Teresina.

Erasmo não gostou quando perguntamos a ele sobre o livro “Roberto Carlos em Detalhes”, de Paulo César de Araújo, biografia não autorizada do Rei e que cita Erasmo Carlos como parceiro de composições famosas do cancioneiro brasileiro. No livro fica evidente que Roberto e Erasmo quando compõem juntos sempre acontece música de sucesso. Mas quando ficam afastados a inspiração não vem.

“Ele está sabendo (de minha vida) mais do que eu. Mas isso aí você pergunta para ele, que sabe mais do que eu”, disse o cantor. “Não sou contra biografia não autorizada. Mas acho que cada um deve responder pelos excessos que cometer. Se você provoca a ira de fulano, então você tem que enfrentar a ira de fulano, você escreve, mas tem que saber disso, ter essa consciência, antecipadamente.”

Ele também ficou irritado quando tratamos sobre a parceria com Roberto Carlos de forma mais específica. Deu a entender o astro que isso acontece o tempo inteiro na sua vida, como se ele fosse apenas um coadjuvante de Roberto. Muita gente afirma que Erasmo é muito melhor compositor do que Roberto Carlos.

Mesmo assim, ele afirma que Roberto Carlos é “meu amigo, meu irmão, meu camarada, meu compadre, é uma pessoa de quem gosto demais.” Sobre o calor de Teresina, agora no tocante ao clima, ele disse que quando esteve na cidade pela primeira vez e andou de ônibus. Na oportunidade, sentiu o bafejo quente do clima. “O vento que soprava em nosso rosto era muito quente”, pontifica. “Mas hoje acredito que está diferente. É porque naquele tempo não tinha ar refrigerado.”

Erasmo analisa o cenário atual da música brasileira e garante: “Tem muita mudança, mais tecnologia, mais recursos à disposição. Antes, era tudo no ‘seco’, não tinha nada de tecnologia, nada dessa modernidade. Hoje está muito melhor. Eu tenho me adequado, a gente tem que se modernizar, seguir em frente, quando o mundo muda, a gente tem que mudar com ele para ficar perto das novas tendências e dos avanços.”

Sobre músicas mais importantes de sua carreira, ele cita “Sentado à Beira do Caminho” como a música mais importante de sua história. Ele disse ainda que gosta muito da música “Mulher” porque existe uma reação muito intensa e positiva do público, especialmente o feminino, em torno da canção. “Mulheres de todas as idades, de todos os estados, de todas as condições sociais, econômicas e culturais. É uma canção que realmente nos identifica com a mulher brasileira”, enfatiza.

“Eu danço conforme a música que está tocando hoje. Não gosto de polêmica. Gosto de dar e receber amor. Nosso show é o mesmo, apenas com as adaptações tecnológicas.”

OUÇA A ENTREVISTA AQUI





Alba Maria Fraga Bittencourt

Sobre a autora

Alba Bittencourt - Doutorada em Robertologia Aplica e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e Administradora/Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário