Da primeira que escrevi sobre Roberto Carlos





Por: Carlos Alberto Alves
jornalistaalves@bol.com.br
Facebook
https://www.facebook.com/carlosalberto.alvessilva.9

Roberto Carlos sempre revela que os melhores momentos da sua vida aconteceram na década de 90, obviamente com o casamento com Maria Rita, sem dúvida o seu grande amor. 

Fã de Roberto desde muito novo, nem era jornalista e nem tampouco ainda tinha servido o exército e quando comprei o meu primeiro som, diariamente procurava no vendedor de discos vinil novidades do Roberto Carlos, até que um dia o empregado me perguntou se eu sonhava com Roberto Carlos?

Hoje, com uma idade avançada, bem perto da do Roberto, mantenho esse mesmo espírito de ter em Roberto Carlos, em termos de cantores, o meu grande e principal ídolo. E, naquela época, nem sonhava vir ao Brasil, apesar de ser um dos meus maiores desejos quando entrei na fase de adulto com mais experiência de vida.

Hoje, presente já em nove shows do Roberto, oito como jornalista e um, o último em 10 de maio corrente, em João Pessoa, na qualidade de convidado VIP do Roberto, mas sem deixar de ser jornalista por amizade e consideração a outro grande fã do rei, o administrador do Portal Luso – Brasileiro Splish Splash, Armindo Guimarães, velho amigo e admirador do meu trabalho (ele próprio dixit).

Relativamente à primeira matéria que escrevi sobre Roberto Carlos, deixo aqui dois excertos: 



1. Hoje por hoje, não me canso de ouvir as músicas do Roberto Carlos, idem os seus “shows” na televisão. Mas, ao vivo, posso dizer que, pela primeira vez, marquei presença, salvo erro em Maio de 2004, na Póvoa de Varzim – Norte de Portugal -, no casino local, literalmente cheio, como era de esperar. Foi digamos um “show” bem à medida da projeção do Roberto Carlos. Valeu a pena ir de Lisboa ao Porto para assistir a esse memorável acontecimento – até podia ter usado o Calhambeque de um amigo meu, mas preferi, para não ficar pelo caminho, utilizar o trem rápido. E fiquei emocionado quando Roberto Carlos apresentou uma canção de amor, exatamente relacionada com Maria Rita.

2. Tendo em conta a admiração que sempre nutri por Roberto Carlos, no ano de 2000, acabaria mesmo por escrever uma matéria relacionada com os problemas que o “king” estava atravessando com a doença de sua mulher Maria Rita e, por via disso, recebi muitos e-mails de brasileiros que vivem em Portugal, parabenizando pelo conteúdo da matéria em questão, na qual procurei colocar, acima de tudo, o meu espírito de humanismo e solidariedade para com Roberto Carlos.

Agora, fazendo um balanço a tudo o que tenho escrito e publicado neste Portal Luso – Brasileiro Splish Splash, o maior de todos quer queiram quer não, tem valido a pena. E não será exagero se disser que já daria um bom livro, do qual também faria parte o humor e a ficção, duas componentes que muito gosto.

Mentiria se não dissesse que fiquei pesaroso pelo facto de, na última quarta – feira, em João Pessoa, não ter ido ao camarim do Roberto como estava previsto, mas entendi perfeitamente a situação dele. Eu também sofro de ciática e, como tal, nesse sentido me espelhei no Roberto Carlos.

Eu te amo tanto - Roberto Carlos
Carlos Alberto Alves

Sobre o autor

Carlos Alberto Alves - Jornalista há mais de 50 anos com crónicas e reportagens na comunicação social desportiva e generalista. Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Colabora semanalmente no programa Rádio Face, da Rádio Ratel, dos Açores. Leia Mais sobre o autor...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário